G1 Mundo

Forçadas a andar nuas na rua e estupradas por vários homens: vídeo causa revolta na Índia

today21 de julho de 2023 33

Fundo
share close

Um vídeo mostrando duas mulheres desfilando nuas em meio a uma multidão no Estado de Manipur, no nordeste do país, provocou indignação na Índia.

A polícia diz que abriu um inquérito de estupro coletivo e prendeu um homem, acrescentando que outros serão detidos em breve.

Na quinta-feira (20), a sessão do parlamento em Delhi foi interrompida porque os legisladores exigiram um debate sobre o assunto.



O primeiro-ministro Narendra Modi também disse que o incidente “envergonhou a Índia” e que “nenhum culpado será poupado”.

“Garanto à nação que a lei seguirá seu curso com todas as suas forças. O que aconteceu com as filhas de Manipur nunca pode ser perdoado”, disse ele.

O pronunciamento de Modi quebra um silêncio do premiê, que ainda não havia falado sobre a violência étnica em Manipur, que já dura dois meses.

O chefe de justiça da Índia, DY Chandrachud, também expressou preocupação com o ataque, dizendo que a Suprema Corte estava “profundamente perturbada com o vídeo”.

O tribunal exigiu que o governo informasse quais medidas estão sendo tomadas contra o acusado. O presidente do tribunal disse: “Tomaremos medidas se o governo não o fizer”.

A violência étnica mergulhou Manipur — um belo Estado indiano na fronteira com Mianmar — em turbulência há mais de dois meses, com confrontos entre membros das comunidades tribais Meitei e Kuki. Pelo menos 130 pessoas morreram e 60 mil foram deslocadas.

No vídeo, duas mulheres Kukis aparecem sendo agredidas por homens do grupo Meitei.

A polícia diz que o ataque às mulheres ocorreu em 4 de maio, mas ganhou as manchetes nacionais na quinta-feira (20), depois que o vídeo se tornou viral nas redes sociais. O governo federal pediu a todas as empresas de mídia social que excluam o vídeo de suas plataformas.

O vídeo das duas mulheres foi amplamente compartilhado nas redes sociais na quarta-feira. Ele mostra as mulheres sendo arrastadas e apalpadas por uma multidão de homens que os empurram para um campo.

O Fórum de Líderes Tribais Indígenas (ITLF) disse em um comunicado que atrocidades foram cometidas em uma aldeia no distrito de Kangpokpi contra mulheres da comunidade tribal Kuki-Zo. Ele também alegou que as mulheres haviam sido estupradas por uma gangue.

“O estupro coletivo das mulheres aconteceu depois que a vila foi incendiada e dois homens — um de meia-idade e outro adolescente — foram espancados até a morte pela multidão”, disse o ITLF.

Mas a queixa policial apresentada por um parente de uma das mulheres disse que apenas uma delas foi estuprada por uma gangue. E acrescentou que uma terceira mulher foi forçada a se despir, mas ela não aparece no vídeo.

A polícia disse que o incidente ocorreu em 4 de maio e que um incidente de sequestro, estupro coletivo e assassinato foi registrado no distrito de Thoubal.

O ataque foi condenado por políticos de todo o espectro.

O ministro federal Smriti Irani chamou o ato de “totalmente desumano”.

Vários líderes da oposição também criticaram o governo do Partido Bharatiya Janata por não fazer o suficiente para conter a violência no Estado.

A líder do partido do Congresso, Priyanka Gandhi Vadhra, disse que “as imagens de violência sexual contra mulheres de Manipur são de partir o coração”.

O ministro-chefe de Delhi, Arvind Kejriwal, também falou. “Esse tipo de ato hediondo não pode ser tolerado na sociedade indiana”, disse ele.

Análise: Os corpos das mulheres viraram um campo de batalha

É sabido que os corpos das mulheres muitas vezes se tornam um campo de batalha durante tumultos e conflitos. Estupro e agressão sexual são usados como instrumentos de violência.

A agressão sexual das mulheres Kuki em Manipur é o exemplo mais recente. O vídeo que mostra as mulheres chorando, estremecendo de dor e implorando a seus agressores que mostrem alguma misericórdia é perturbador.

O fato de a primeira prisão ter ocorrido apenas agora, mais de dois meses após a denúncia do ataque à polícia, não inspira confiança nas autoridades — ainda mais porque muitos dos homens são claramente identificáveis nas imagens.

Mas a indignação que se seguiu ao surgimento do vídeo na Índia colocou os holofotes no crime horrível. Também levantou questões sobre o fracasso do Estado em confortar os sobreviventes — e finalmente forçou Modi a fazer uma declaração sobre a violência étnica que está destruindo Manipur.

Para restaurar algum tipo de confiança em Manipur, especialmente entre a comunidade minoritária Kuki, as autoridades estão agora sob pressão para agir rapidamente contra os perpetradores e fazer justiça. As pessoas em todo o país acham que isso não deveria estar acontecendo na Índia moderna.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

julgamento-criminal-de-trump-vai-acontecer-6-meses-antes-das-eleicoes-nos-estados-unidos

G1 Mundo

Julgamento criminal de Trump vai acontecer 6 meses antes das eleições nos Estados Unidos

A Justiça definiu nesta sexta-feira (21) a data do julgamento do ex-presidente Donald Trump, dos Estados Unidos, no processo por ele ter levado documentos sigiloso para a casa dele: 20 de maio de 2024. A decisão foi tomada pela juíza do Distrito dos EUA, Aileen Cannon, da Flórida. O julgamento criminal de Trump vai acontecer a menos de seis meses das eleições presidenciais dos EUA, em novembro de 2024. Trump […]

today21 de julho de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%