G1 Mundo

Gerente de necrotério da Universidade de Harvard é acusado de vender partes de cadáveres

today16 de junho de 2023 7

Fundo
share close

O ex-gerente do necrotério da Escola de Medicina da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e mais cinco pessoas se tornaram nesta quarta-feira (14) réus em um processo em que são acusadas ​​de comprar e vender restos humanos roubados.

Cedric Lodge supostamente pegou pedaços de “cabeças, cérebros, pele e ossos” de cadáveres doados à escola de medicina e os vendeu online.

De acordo com a acusação apresentada à Justiça, Cedric e a esposa, Denise, venderam partes de corpos para compradores nos Estados de Pensilvânia e Massachusetts.



O esquema supostamente durou de 2018 a 2021.

Os acusados compareceram ao tribunal federal de New Hampshire na quarta-feira e se recusaram a responder às perguntas de repórteres.

O casal Lodge se tornou réu por conspiração e transporte interestadual de mercadorias roubadas. Se condenados, cada um pode pegar até 15 anos de prisão.

Os promotores alegam que Lodge tirou vantagem de sua posição como gerente do Programa de Doações Anatômicas da Escola de Medicina de Harvard, responsável por desmembrar e gerir cadáveres doados para pesquisas médicas.

Os universitários usam corpos doados para estudar e praticar procedimentos médicos. Quando a faculdade termina de usar o cadáver, eles geralmente são enterrados no cemitério médico da universidade ou cremados — tendo seus restos mortais devolvidos às famílias.

“Às vezes, Cedric Lodge permitia que [outros] entrassem no necrotério da Escola Médica de Harvard e analisassem os cadáveres para escolher o que comprar”, diz o trecho de um comunicado do Ministério Público dos Estados Unidos.

Katrina Maclean, de Salem, Massachusetts, e Joshua Taylor, de West Lawn, Pensilvânia, supostamente foram compradores de partes de corpos. Eles também são réus, assim como mais duas pessoas a quem revenderam o material.

De acordo com a promotoria, em outubro de 2020, Maclean comprou rostos dissecados por US$ 600 (cerca de R$ 2.890 na cotação atual) que ela pretendia curtir em couro.

Cadáveres são muito importantes para o estudo da medicina — Foto: GETTY IMAGES/via BBC

Maclean é dona de uma loja chamada Kat’s Creepy Creations, cujas redes sociais mostram que ela se especializou em transformar bonecas e deixá-las com aspecto gótico ou aterrorizante.

Não se sabe se as partes dos cadáveres foram usadas em seus produtos. A acusação alega que Maclean armazenou e vendeu restos humanos na loja.

Joshua Taylor, por sua vez, supostamente fez 39 pagamentos eletrônicos a Denise Lodge em troca de partes de corpos, totalizando mais de US$ 37 mil (R$ 178 mil) em quatro anos.

Os promotores apresentaram como evidência um recibo do Paypal para uma compra no valor de US$ 1 mil pelo item “cabeça número 7”.

“Alguns crimes desafiam nossa compreensão”, disse o promotor Gerard M. Karam em um comunicado. “O roubo e o tráfico de restos humanos atingem a própria essência do que nos torna humanos”.

George Q. Daley, reitor da Escola de Medicina da Universidade de Harvard, disse estar “horrorizado ao saber que algo tão perturbador poderia acontecer em nosso campus” e confirmou que o contrato de emprego com Cedric Lodge foi encerrado em 6 de maio.

“Lamentamos muito a dor que esta notícia causará às famílias e entes queridos de nossos doadores, e a Escola de Medicina de Harvard promete estar próxima deles durante este período profundamente angustiante”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

por-que-presidente-de-el-salvador-vai-extinguir-mais-de-83%-das-cidades-do-pais

G1 Mundo

Por que presidente de El Salvador vai extinguir mais de 83% das cidades do país

Ou seja, 83% dos municípios vão deixar de existir. O presidente do país centro-americano, Nayib Bukele, ratificou nesta quarta-feira (14) a Lei Especial de Reestruturação Municipal, um dia depois de 67 dos 84 deputados do Congresso terem aprovado a proposta após mais de cinco horas de debate. O regulamento, que contém 13 artigos, entrará em vigor a 1 de maio de 2024, no início da próxima legislatura e três meses […]

today16 de junho de 2023 15

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%