G1 Mundo

Grupo resgatado na Cisjordânia chega ao Brasil; passageiros citam preocupação com quem ficou

today5 de novembro de 2023 13

Fundo
share close

Segundo a Força Aérea Brasileira, dos 32 passageiros, 30 são brasileiros – há também uma jordaniana e um palestino casados com brasileiros.

Dos 26 que chegaram a Brasília, apenas um ficará na capital e outros dois seguirão por terra para Goiânia. Os outros 23, segundo o governo, embarcarão para outras cidades em voos gratuitos cedidos pela companhia aérea Azul.



'Estava com muito medo lá', diz mulher resgatada da Cisjordânia ao chegar em Brasília

‘Estava com muito medo lá’, diz mulher resgatada da Cisjordânia ao chegar em Brasília

“Fazer o que, né? Deixamos nossos parentes lá, nossos amigos. Mas que Deus proteja eles, se Deus quiser. [Ficaram] Minha mãe, meus irmãos, meus amigos, minhas tias. Todo mundo, muita gente lá, sofrendo”, afirmou no desembarque Farida Habbas Abdaljalil, brasileira de ascendência palestina. Ela deve seguir para Curitiba ainda nesta quinta.

Outro passageiro, Mahmud Dawas Abdel Aziz, relatou que a situação na Cisjordânia é “muito triste”, marcada pelo medo e pelo risco.

“A gente pretende voltar, porque temos nossa família, nossos filhos que moram lá. Se Deus quiser, vai correr tudo bem, vai melhorar as coisas lá [no Oriente Médio], vão chegar em acordo”, declarou.

Repatriados da Cisjordânia que desembarcaram em Brasília falam sobre momentos de tensão vividos

Repatriados da Cisjordânia que desembarcaram em Brasília falam sobre momentos de tensão vividos

Jalil disse que não perdeu nenhum parente no conflito, mas se solidarizou pelas mortes até aqui. “Somos todos família, somos todos seres humanos. O que acontece para os outros acontece para nós. Essa é a situação.

Mapa mostra divisão entre território palestino (Gaza e Cisjordânia) e território israelense — Foto: BBC

Um dos médicos envolvidos na missão de resgate, o capitão da Força Aérea Gustavo Messias Costa participou dos primeiros atendimentos ao grupo retirado da Cisjordânia.

Em entrevista no desembarque, o militar afirmou que os passageiros não tinham lesões físicas geradas pelo conflito – mas sim, “cicatrizes psicológicas”.

“Importante a equipe contar com psicólogo. Tivemos 12, 13 consultas psicológicas para aliviar ansiedade, desvincular do ambiente da guerra. As crianças tiveram acesso a desenho, brinquedos para montagem. Isso distrai, faz com que elas mudem o foco”, relatou.

Segundo o embaixador do Brasil na Palestina, Alessandro Candeas, os passageiros estavam originalmente em várias cidades da Cisjordânia e se reuniram em Jericó. Três veículos, entre ônibus e vans alugados pela representação do Brasil, levaram o grupo.

“Os veículos foram identificados com a bandeira do Brasil. Para fins de segurança, as placas, trajetos e listas de passageiros foram informados às autoridades da Palestina e de Israel”, explicou o embaixador. O governo explica que a medida é essencial para evitar bombardeios no trajeto.

Embaixador do Brasil na Palestina fala sobre saída de brasileiros da Cisjordânia

Embaixador do Brasil na Palestina fala sobre saída de brasileiros da Cisjordânia

De lá, o grupo partiu para a fronteira com a Jordânia, até chegar a Amã, onde a aeronave da FAB aguardava para o voo.

As saídas acontecem pela passagem de Rafah, na fronteira egípcia, única por terra em Gaza que não leva a Israel e que ficou fechada durante todo o conflito. De acordo com Candeas, nenhum brasileiro foi colocado nesta primeira lista, que conta com quase 500 nomes.

Brasileiro fala ao descobrir que não vai deixar Gaza na 1ª leva de estrangeiros

Brasileiro fala ao descobrir que não vai deixar Gaza na 1ª leva de estrangeiros

À GloboNews, Candeas se disse frustrado porque os brasileiros em Gaza ainda não conseguiram cruzar a fronteira com o Egito. Segundo ele, os diplomatas brasileiros vão seguir trabalhando para tentar convencer as autoridades egípcias a liberar a saída do grupo, formado por 34 pessoas (que estão em Khan Younis e Rafah).

“Todos os dias é uma frustração, mas somos teimosos e perseverantes até o fim”, afirmou.

Na primeira relação, foram autorizados a deixar a Faixa de Gaza cidadãos da Austrália, Áustria, Bulgária, Finlândia, Indonésia, Jordânia, Japão e República Tcheca. Além disso, a lista também incluiu nomes de integrantes da Cruz Vermelha e de algumas ONGs, segundo Candeas.

“O número de estrangeiros é grande nessa região e o governo continua a insistir para que os brasileiros saiam o quanto antes. A informação que nos foi passada é que hoje não está prevista a saída de brasileiros da Faixa de Gaza”, diz o comunicado oficial do Itamaraty.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mulher-australiana-e-presa-por-suspeita-de-matar-tres-pessoas-envenenadas-por-cogumelos

G1 Mundo

Mulher australiana é presa por suspeita de matar três pessoas envenenadas por cogumelos

A polícia do estado de Victoria informou ter feito buscas na casa da mulher com a ajuda de cachorros treinados para farejar pequenos equipamentos eletrônicos, tais como USBs e SIM Cards, que são fáceis de esconder. "A prisão de hoje é apenas o próximo passo no que tem sido considerada uma complexa e minuciosa investigação por parte dos detetives do esquadrão de homicídios, e que ainda não acabou", afirmou o […]

today5 de novembro de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%