G1 Mundo

Guerra no Iêmen: troca de prisioneiros simboliza avanço para trégua entre governo e rebeldes

today14 de abril de 2023 3

Fundo
share close

Uma grande operação de troca de prisioneiros entre governo e rebeldes Huthis começou na sexta-feira (14), no Iêmen, de acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), que supervisiona a operação. A troca sinaliza um avanço após a Arábia Saudita, que apoia o governo, negociar uma trégua com os rebeldes neste país devastado pela guerra desde 2014.

A última troca de prisioneiros entre o governo iemenita e os rebeldes aconteceu em 2020. Na época, 1.000 presos foram liberados em 48 horas.

“O primeiro avião decolou de Sanaa” no âmbito de uma troca de presos que começou nesta sexta-feira (14), indicou Jessica Moussan, encarregada de relações com a imprensa do CICV.



A aeronave, que deixou a capital controlada pelos rebeldes Huthis, se dirige a Áden, cidade portuária a menos de 400 quilômetros ao sul, onde está instalado temporariamente o governo apoiado pela Arábia Saudita.  

Esse novo processo de troca de prisioneiros deve acontecer durante três dias em diferentes regiões do Iêmen e da Arábia Saudita, precisou em um comunicado do CICV.

“Com este gesto de boa vontade, centenas de famílias separadas pelo conflito serão reunidas para o Ramadã [o mês de jejum muçulmano], o que trará um pouco de esperança no meio de grande sofrimento”, declarou Fabrizio Carboni, diretor do CICV no Oriente Médio.

Ele disse que espera que “estas liberações deem impulso a uma solução política mais ampla”.

No fim de março, o governo iemenita reconhecido internacionalmente e os rebeldes houthis chegaram a um acordo em Berna (Suíça) para a troca dos prisioneiros, que incluem sauditas e sudaneses.

Esperança de uma nova trégua

O reaquecimento inesperado das relações entre a Arábia Saudita e o Irã – que apoio os rebeldes – no segundo trimestre deste ano, gerou esperança de uma resolução do conflito no Iêmen.

Em viagem rara, uma delegação saudita visitou Sanaa esta semana. Ela deixou a capital na quinta-feira (13) com somente um “acordo preliminar” de trégua e a promessa de “novas negociações”, de acordo com um responsável rebelde.

Uma trégua de seis meses está no centro das discussões, abrindo a via a um período de novas negociações de três meses sobre uma transição que levará dois anos, de acordo com fontes do governo. Durante este período, uma solução final deve ser negociada entre todas as partes.

A trégua deve permitir responder às duas exigências principais dos rebeldes Huthis: o pagamento pelo governo do salário de funcionários públicos nas zonas rebeldes e a reabertura do aeroporto de Sanaa, controlado pela aviação saudita.

Em 2022, entre abril e outubro, as partes haviam obedecido uma trégua de seis meses. Apesar de não ter sido oficialmente reconduzida após sua expiração, a situação permaneceu relativamente calma.

Desde o início do conflito, há oito anos, seguido da intervenção armada da Arábia Saudita em 2015, o Iêmen atravessa uma das piores crises humanitárias do mundo. Milhares de pessoas morreram e milhões tiveram que migrar. A fome e as doenças dizimam a população. Mais da metade dos iemenitas dependem atualmente da ajuda internacional que, por sua vez, não para de diminuir.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

alemanha-aprova-pedido-polones-para-enviar-jatos-sovieticos-a-ucrania

G1 Mundo

Alemanha aprova pedido polonês para enviar jatos soviéticos à Ucrânia

A decisão ocorre em resposta ao pedido de autorização efetuado pelas autoridades polonesas. "Saúdo o fato de que nós, no governo federal, chegamos a essa decisão juntos", disse o ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius, depois que a decisão foi tomada em Berlim. "Isso mostra que se pode confiar na Alemanha!" Em 2002, a Alemanha vendeu à Polônia 22 aviões de combate MiG-29 que já haviam feito parte do arsenal […]

today14 de abril de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%