G1 Mundo

Harvard, Yale e Columbia: manifestações pró-palestinos tomam conta de universidades nos EUA

today23 de abril de 2024 3

Fundo
share close

Em Columbia, na cidade de Nova York, centenas de estudantes mantém um acampamento montado no jardim da universidade, em um conflito que já resultou na demissão de duas reitoras. Na noite desta segunda (22), um protesto foi desmobilizado pela polícia, com dezenas de prisões — uma semana após mais de 100 estudantes serem detidos em outra manifestação.

Protestos semelhantes são realizados em outras instituições, como Harvard e Yale. Nesta última, 60 pessoas foram presas durante uma passeata em apoio aos palestinos.

Ao mesmo tempo, uma parte dos estudantes judeus afirmam que não se sentem seguros dentro das universidades. Também há judeus que fazem parte do movimento pró-palestinos.



Manifestante segura faixa dizendo “Mais um judeu por uma Palestina livre” durante protesto pró-palestinos na Universidade de Yale, nos EUA — Foto: Melanie Stengel/Reuters

“Permaneceremos aqui até que falem conosco e ouçam as nossas demandas”, diz a estudante mexicana Mimí Elías, suspensa pela universidade após ser detida com uma centena de estudantes na última quinta-feira (18).

“Noventa e nove por cento de nós estamos aqui pela libertação da Palestina”, afirma a aluna. “Aqui não queremos antissemitismo nem islamofobia.”

Na entrada do acampamento, um grupo de voluntários distribui máscaras e controla quem entra. Uma placa proíbe o consumo de álcool e drogas.

O grupo promete não divulgar detalhes sobre as pessoas envolvidas. Nos arredores da universidade, manifestantes gritam “Liberdade para a Palestina!”, sob o olhar atento de dezenas de policiais, que fecharam alguns acessos ao metrô e instalaram cercas nas calçadas.

A destruição da Faixa de Gaza por Israel após o ataque do grupo terrorista Hamas em 7 de outubro multiplicou as manifestações pró-palestinos nas cidades e universidades americanas e gerou acusações de antissemitismo que chegaram a ser repercutidas pelo presidente Joe Biden.

Manifestantes pró-palestinos e pró-Israel se enfrentam em frente à entrada do campusda Universidade de Columbia, em Nova York — Foto: Charly Triballeau / AFP

Após a intervenção policial de quinta-feira, os estudantes intensificaram os protestos, não só em Columbia, mas também em outras universidades do país.

As manifestações aconteceram na Universidade de Yale, onde 47 pessoas foram detidas, segundo a instituição, e em Harvard, onde o parque que fica no coração do campus foi fechado ao público.

A intervenção foi “a opção nuclear”, lamentou o professor Joseph Howley, que faz parte de um grupo pró-palestinos. “A universidade recorreu a uma ferramenta péssima. Não apenas se equivocou, mas também piorou a situação.”

Howley diz que em Columbia há estudantes judeus que não querem ficar no campus, porque não se sentem confortáveis com o protesto, mas há outros que foram suspensos e detidos porque participam dos protestos e se sentem excluídos pela instituição.

Para uma estudante de arquitetura de 21 anos que preferiu não ser identificada e que não participa dos protestos, o que está em jogo no campus é a liberdade de expressão.

“Uma das coisas mais importantes de ser estudante é poder explorar e dizer o que você precisar dizer sem ser repreendido e sem que a polícia de Nova York venha ao campus e te prenda, seja qual for o seu ponto de vista”, diz a aluna.

Para Joseph Howley, o conflito é causado pela “extrema direita americana, que faz causa comum com a extrema direita sionista hegemônica para suprimir o discurso político que não lhes agrada. Hoje, é o discurso sobre Israel e os palestinos. Na semana que vem, será sobre raça, gênero, vacinas ou o clima.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

cinco-migrantes-morrem-em-tentativa-de-chegar-ao-reino-unido-pelo-canal-da-mancha

G1 Mundo

Cinco migrantes morrem em tentativa de chegar ao Reino Unido pelo Canal da Mancha

Cinco pessoas, incluindo uma criança, morreram na madrugada desta terça-feira (23) no norte da França quando tentavam chegar ao Reino Unido através do Canal da Mancha, que divide os dois países e é rota frequente para migrantes que tentam chegar ao território britânico. Os migrantes morreram afogados por volta das 05h no horário local (meia-noite de segunda-feira no horário de Brasília) depois de uma confusão dentro do barco inflável em […]

today23 de abril de 2024 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%