G1 Mundo

Hassan Nasrallah: o líder do Hezbollah afiliado ao Irã que consolidou seu domínio sobre o Líbano

today8 de novembro de 2023 5

Fundo
share close

Nasrallah, popular tanto no Líbano quanto em outros países árabes, é considerado o principal rosto do Hezbollah e desempenhou um papel fundamental na virada histórica desse grupo para entrar na arena política e ganhar poder na estrutura do governo libanês.

Ele mantém uma relação especial tanto com a República Islâmica do Irã quanto com seu líder, o aiatolá Ali Khamenei. Apesar de o Hezbollah ter sido incluído na lista de organizações terroristas pelos Estados Unidos, nem os líderes do Irã nem Nasrallah jamais esconderam sua relação próxima.

Hassan Nasrallah tem tantos fãs apaixonados quanto inimigos ferrenhos. Por esse motivo, ele não aparece em público há anos, com medo de ser assassinado por Israel. No entanto, sua reclusão não privou seus seguidores de seus discursos, que ocorrem quase toda semana.



Esses discursos são, na verdade, uma ferramenta importante de Nasrallah para exercer poder, e por meio deles, ele comenta diversas questões no Líbano e no mundo, buscando exercer pressão sobre seus adversários.

Pouco depois do nascimento de Hassan Nasrallah, a guerra civil começou no Líbano. — Foto: Getty Images via BBC

Hassan Nasrallah nasceu em agosto de 1960 em um dos bairros pobres no leste de Beirute. Seu pai possuía uma pequena mercearia, e Hassan era o filho mais velho entre nove irmãos.

Ele tinha apenas cinco anos quando a guerra civil eclodiu no Líbano, um conflito devastador que mergulhou este pequeno país à beira do Mar Mediterrâneo em 15 anos de caos, durante os quais os cidadãos libaneses demarcaram fronteiras e lutaram uns contra os outros com base em sua religião e etnia.

O início da guerra levou o pai de Hassan Nasrallah a decidir deixar Beirute e retornar à sua aldeia ancestral no sul do Líbano: uma vila chamada “Al-Bazouriyeh”, cujos habitantes eram xiitas, como muitas aldeias na cidade de “Tyre” na província de “Al-Janub”.

Ele passou anos importantes de sua educação primária e secundária no sul do Líbano, entre os xiitas. Esses xiitas acreditavam que, durante a era colonial das grandes potências como o Império Otomano e a França, enfrentaram discriminação e desigualdade. Esse sentimento persistiu durante o período de independência, quando as elites cristãs e sunitas ganharam poder.

Nesse período, os grupos militantes cristãos e sunitas foram acusados de receber ajuda de países estrangeiros para obter sucesso militar.

Ao mesmo tempo, a população xiita, que é a maioria no sul do Líbano, além do Vale de Beqaa no leste do Líbano, juntamente com um pequeno grupo de cristãos maronitas e ortodoxos, eram considerados a linha de frente das guerras de Israel nos longos anos de estabelecimento do domínio judeu na Palestina.

Nesse ambiente, Hassan Nasrallah não apenas se voltou para sua identidade xiita e raízes étnicas, mas, aos 15 anos, tornou-se membro do grupo político-militar xiita libanês mais importante da época: o Movimento Amal, um grupo influente e ativo fundado por um clérigo iraniano chamado Musa al-Sadr.

Retornando ao Líbano e à luta armada

Hassan Nasrallah (centro) encontrou-se com Abbas Mousavi (à direita) durante sua estada em Najaf. — Foto: Fars News via BBC

Hassan Nasrallah emigrou para Najaf, no Iraque, aos 16 anos.

O Iraque era, naquela época, um país instável que vivenciara duas décadas de revoluções consecutivas, golpes sangrentos e assassinatos políticos. Nesse período, embora Hasan al-Bakr ainda estivesse oficialmente no poder, Saddam Hussein, o vice-presidente do Iraque na época, havia ganhado influência significativa.

Apenas dois anos após a presença de Hassan Nasrallah em Najaf, os líderes do Partido Ba’ath e, em especial, Saddam, chegaram à conclusão de que deveriam tomar medidas para enfraquecer ainda mais os xiitas. Uma de suas decisões foi expulsar todos os estudantes xiitas libaneses dos seminários iraquianos.

Embora Hassan Nasrallah tenha estudado em Najaf por apenas dois anos e depois tenha tido que deixar o país, sua presença em Najaf teve um profundo impacto na vida desse jovem libanês: ele conheceu outro clérigo chamado Abbas Mousavi em Najaf.

Mousavi foi considerado um dos alunos de Musa al-Sadr no Líbano e, durante sua estadia em Najaf, foi fortemente influenciado pelas ideias políticas de Ruhollah Khomeini. Ele era oito anos mais velho que Nasrallah e assumiu rapidamente o papel de um professor rigoroso e mentor influente na vida de Hassan Nasrallah.

Após retornar ao Líbano, os dois se juntaram à luta na guerra civil. Desta vez, no entanto, Nasrallah foi para a cidade natal de Abbas Mousavi no Vale do Beqaa, onde estudou no seminário local.

A revolução iraniana e a fundação do Hezbollah

Entenda as diferenças entre Hamas, Hezbollah, Jihad Islâmica e Fatah

Entenda as diferenças entre Hamas, Hezbollah, Jihad Islâmica e Fatah

Um ano depois de Hassan Nasrallah retornar ao Líbano, ocorreu uma revolução no Irã. Ruhollah Khomeini, que havia angariado a admiração de clérigos como Abbas Mousavi e Hassan Nasrallah, assumiu o poder. Esse evento mudou profundamente a relação entre os xiitas do Líbano e o Irã. Além disso, a vida política e a luta armada dos xiitas libaneses foram significativamente influenciadas pelos eventos no Irã e pela ideologia do islamismo xiita.

Para Hassan Nasrallah, essa transformação profunda se deveu em grande parte a uma decisão de Ruhollah Khomeini. Em 1981, Nasrallah se encontrou com o então líder da República Islâmica do Irã em Teerã. Khomeini o nomeou como seu representante no Líbano para “cuidar dos assuntos de Hisbah e obter fundos islâmicos”.

Posteriormente, Nasrallah começou a fazer viagens ocasionais ao Irã, estabelecendo relações com os mais altos níveis de tomada de decisões e poder dentro do governo iraniano.

Os islamistas xiitas no Irã deram grande importância ao registro histórico e aos laços religiosos com os xiitas libaneses.

O sentimento antiocidente era uma pedra angular da versão iraniana do islamismo xiita, propagada por Ruhollah Khomeini. A política de moldar as notícias no Oriente Médio tomou a forma do antissionismo, dando manifestação objetiva a essa postura. Consequentemente, a “causa palestina” tornou-se uma das principais prioridades na política externa do Irã revolucionário.

Nesse período, o Líbano, já cercado pela guerra civil e instabilidade, havia se tornado uma base significativa para combatentes palestinos. Eles tinham uma forte presença no sul do Líbano, além de Beirute.

Com a crescente instabilidade no Líbano, Israel atacou o país em junho de 1982, ocupando rapidamente partes significativas. Israel alegou que o ataque foi em resposta à agressão palestina.

Pouco depois da incursão de Israel, os comandantes militares do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica no Irã (IRGC), experientes em guerra convencional devido ao ataque do Iraque ao Irã, decidiram estabelecer um grupo miliciano no Líbano totalmente afiliado ao Irã. Eles escolheram o apelido pelo qual eram conhecidos no Irã como nome desse grupo: ‘Hezbollah’, que significa ‘Partido de Deus’.

Em 1985, o Hezbollah anunciou oficialmente sua fundação. Hassan Nasrallah e Abbas Mousavi, juntamente com alguns outros membros do movimento Amal, se juntaram a esse grupo recém-criado. Ele foi liderado por outra figura chamada Subhi al-Tufayli. Este grupo rapidamente marcou sua presença na política regional realizando ações armadas contra as forças americanas no Líbano.

Quando Nasrallah se juntou ao grupo que viria a ser o Hezbollah, ele tinha apenas 22 anos e, segundo os padrões dos mulás xiitas, era considerado um novato. Na metade dos anos 80, à medida que a relação de Nasrallah com o Irã se aprofundava, ele decidiu se mudar para a cidade de Qom para continuar seus estudos religiosos.

Durante seu tempo no seminário de Qom, Nasrallah se tornou proficiente em persa e estabeleceu amizades próximas com muitos líderes político-militares no Irã.

Quando ele retornou ao Líbano, logo surgiu uma significativa discordância entre ele e Abbas Mousavi. Na época, Mousavi apoiava o aumento da atividade e influência síria no Líbano sob a liderança de Hafez Assad. Por outro lado, Nasrallah insistia que o grupo se concentrasse em ataques contra soldados americanos e israelenses.

Nasrallah se viu em minoria dentro do Hezbollah, e pouco depois foi nomeado como “representante do Hezbollah no Irã”. Essa posição o levou de volta ao Irã e, ao mesmo tempo, o distanciou do Líbano.

Superficialmente, parecia que a influência do Irã sobre o Hezbollah estava diminuindo e, apesar do amplo apoio de Teerã, influenciar as decisões do Hezbollah se mostrava desafiador.

A tensão aumentou a ponto de, em 1991, Subhi al-Tufayli ser removido do cargo de Secretário-Geral do Hezbollah devido à sua oposição à afiliação do grupo com o Irã. Abbas Mousavi foi nomeado em seu lugar.

Após a remoção de Al-Tufayli, Hassan Nasrallah, cujas opiniões sobre o papel da Síria no Líbano aparentemente se ajustaram, voltou ao seu país e efetivamente se tornou o segundo no comando do grupo Hezbollah.

Abbas Mousavi foi assassinado por agentes israelenses menos de um ano depois de ser eleito Secretário-Geral do Hezbollah. No mesmo ano, 1992, a liderança desse grupo caiu nas mãos de Hassan Nasrallah.

Na época, ele tinha 32 anos, e muitos consideraram sua escolha relacionada às suas conexões especiais com o Irã. Mesmo na perspectiva de muitos clérigos xiitas, ele carecia de educação religiosa suficiente, e por essa razão, ele retomou seus estudos simultaneamente.

Uma importante iniciativa de Hassan Nasrallah na época foi a nomeação de alguns filiados e membros do “Hezbollah” nas eleições libanesas. Um ano havia se passado desde que a Arábia Saudita mediou na guerra civil libanesa e em seu término. Nasrallah decidiu tornar o braço político do Hezbollah um ator sério no país, ao lado de seu braço militar.

Como resultado dessa estratégia, o Hezbollah conseguiu conquistar oito assentos no parlamento libanês.

Ao mesmo tempo, o grupo “Hezbollah” ainda era acusado de planejar e executar operações terroristas. O bombardeio do Centro Judaico AMIA na Argentina e o ataque à embaixada israelense na Argentina ocorreram durante esse período.

Enquanto isso, com base no Acordo de Taif, que encerrou a guerra civil libanesa, o Hezbollah foi autorizado a manter suas armas. Naquela época, Israel havia ocupado o sul do Líbano, e o Hezbollah, como organização que lutava contra a força de ocupação, permaneceu armado. Na prática, essas armas se tornaram legítimas e legais.

O apoio financeiro do Irã ao grupo Hezbollah do Líbano também permitiu a Nasrallah oferecer bem-estar e serviços sociais a muitos xiitas libaneses, formando uma rede complexa de escolas, hospitais e associações de caridade. Essa política, que continua até os dias de hoje, se tornou um dos aspectos importantes do movimento político-social dos xiitas no Líbano.

A retirada de Israel e a popularidade de Nasrallah

Em 2000, Israel anunciou que se retiraria completamente do Líbano, encerrando sua ocupação nas regiões do sul do país.

O grupo Hezbollah celebrou esse evento como uma grande vitória, e o crédito por essa conquista foi atribuído a Nasrallah.

Foi a primeira vez que Israel deixou unilateralmente o território de um país árabe sem um acordo de paz, e muitos cidadãos árabes da região consideraram isso uma conquista importante.

No entanto, desde então, a questão das armas do Líbano se tornou uma das questões importantes relacionadas à estabilidade e segurança do Líbano.

A retirada de Israel do Líbano justificou a legitimidade do Hezbollah permanecer armado, levando tanto grupos políticos rivais quanto potências estrangeiras a pedir o desarmamento do grupo – um pedido ao qual Nasrallah nunca concordou.

Posteriormente, Nasrallah chegou a um acordo de troca de prisioneiros durante negociações com Israel, resultando na libertação de mais de 400 prisioneiros palestinos, libaneses e cidadãos de outros países árabes.

Nesse momento, Nasrallah parecia mais poderoso e influente do que nunca, e seus rivais na política libanesa enfrentavam um sério desafio ao confrontá-lo e impedir a expansão de sua influência e poder.

O assassinato de Hariri e a retirada da Síria

Mas em 2005, após o assassinato de Rafic Hariri, o primeiro-ministro do Líbano na época, a opinião pública mudou. Hariri era considerado um dos políticos mais importantes próximos à Arábia Saudita, que havia feito extensos esforços para evitar o aumento do poder do Hezbollah.

A raiva pública foi direcionada ao grupo Hezbollah e seu principal apoiador militar dentro do Líbano, a Síria, que foram acusados de estar envolvidos no assassinato de Hariri. Como resultado de enormes manifestações da oposição em Beirute, a Síria anunciou que retiraria suas forças do país.

No entanto, quando as eleições parlamentares foram realizadas no mesmo ano, não apenas os votos do Hezbollah aumentaram, mas o grupo também conseguiu enviar dois de seus membros para o governo e assumir o controle de dois ministérios, aproveitando seus assentos parlamentares.

A partir daí, Nasrallah posicionou seu grupo como entidade nacionalista leal ao Líbano, pronto para fornecer um “mártir” pelo país e contra se submeter à dominação de outras potências.

No verão de 2006, militantes do Hezbollah invadiram Israel, matando um soldado e fazendo reféns dois outros. A resposta de Israel foi um ataque feroz que durou 33 dias, durante os quais quase 1.200 libaneses foram mortos.

O resultado dessa guerra foi o aumento da popularidade de Nasrallah, que foi retratado nos países árabes como a última pessoa resistindo a Israel.

Ao final da guerra, o Hezbollah ainda se recusou a se desarmar. Além disso, o grupo desempenhou um papel fundamental na reconstrução das ruínas deixadas pela guerra – um papel que, segundo os oponentes da República Islâmica no Irã, foi possibilitado pelo generoso apoio financeiro de Teerã.

Aumento de poder e consolidação da posição de Nasrallah

Com o aumento do poder do Hezbollah, os rivais — especialmente políticos sunitas libaneses — insistiam que o grupo havia formado um governo dentro do governo, afirmando que suas atividades enfraqueceriam a segurança e a economia do país.

Em 2007, após meses de conflito político, o governo libanês decidiu que o sistema de telecomunicações controlado pelo Hezbollah deveria ser desmantelado e que os assuntos de telecomunicações deveriam estar sob controle exclusivo do governo. Nasrallah não apenas rejeitou essa decisão, mas em pouco tempo, suas milícias tomaram o controle total de Beirute.

Essa ação de Nasrallah foi amplamente criticada pelos países ocidentais. No entanto, após negociações políticas, ele conseguiu aumentar o poder de seu grupo no gabinete libanês e, o que é mais importante, garantir o direito de veto nas decisões do gabinete.

Em 2008, apesar da redução no número de assentos do Hezbollah no parlamento libanês, Nasrallah conseguiu manter o direito de veto.

No mesmo ano, o gabinete libanês aprovou que o Hezbollah poderia manter suas armas.

A partir daí, Hassan Nasrallah se tornou uma figura que praticamente nenhum dos elites políticos libaneses conseguia remover do cenário ou diminuir seu poder.

Nem a renúncia dos primeiros-ministros que se opuseram a ele e nem mesmo a intervenção sem precedentes de Mohammed bin Salman, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, conseguiram enfraquecê-lo.

Pelo contrário, ao longo desses anos, com o apoio da República Islâmica do Irã, Nasrallah conseguiu navegar por crises históricas como a Primavera Árabe, a guerra civil na Síria e a contínua crise econômica no Líbano.

Agora, aos 63 anos, ele não é apenas considerado um líder político-militar único no Líbano, mas também ostenta um histórico de décadas de luta. Ele utiliza esse legado para superar seus rivais políticos e propagar os fundamentos ideológicos do islamismo xiita.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brasileiros-recebem-mensagem-de-embaixada-e-podem-deixar-gaza-nesta-quinta

G1 Mundo

Brasileiros recebem mensagem de embaixada e podem deixar Gaza nesta quinta

Grupo de 34 brasileiros aguarda quase um mês autorização para cruzar fronteira com o Egito. Território palestino está sob bombardeios de Israel e sofre com falta de comida, água e energia. Brasileiros podem deixar a Faixa de Gaza na quitna-feira (9) Após terem ficado de fora da lista desta quarta-feira (8), o grupo de 34 brasileiros que está na Faixa de Gaza recebeu uma mensagem da embaixada afirmando que a […]

today8 de novembro de 2023 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%