G1 Mundo

‘História de terror’: os testemunhos dos pais de bebês vítimas de enfermeira serial killer

today22 de agosto de 2023 3

Fundo
share close

Alguns depoimentos foram lidos, enquanto outros foram apresentados por meio de vídeos gravados previamente pelos pais dos bebês antes de a enfermeira ser condenada à prisão perpétua.

A enviada especial da BBC para o julgamento, Judith Moritz, descreveu o clima como “profundamente emocional”, com muitos dos pais presentes na audiência, alguns chorando em silêncio.

A corresponsável Moritz informou que alguns membros do júri também aparentavam estar visivelmente abalados.



Uma mãe descreveu o assassinato de seu filho como “algo retirado de uma história de terror”.

“Você acreditou que tinha o direito de brincar de Deus com a vida dos nossos filhos”, disseram os pais de gêmeos atacados por Letby, um dos quais veio a falecer.

Enquanto isso, os pais dos bebês que sobreviveram às tentativas de assassinato de Letby afirmaram que suas crianças ficaram com deficiências.

Nenhuma das vítimas ou suas famílias foram identificadas nominalmente durante o julgamento.

O juiz Philip Asbury leu a declaração do pai da bebê G, a quem Letby tentou matar em setembro de 2015.

A bebê ficou gravemente incapacitada, foi diagnosticada como cega, precisando ser alimentada por via intravenosa, com paralisia cerebral e escoliose progressiva.

“Ela nunca irá a uma festa do pijama, não frequentará a escola, não terá um namorado, nem se casará”, comunicaram os pais da bebê G.

“E se ela viver mais que nós? Quem cuidará dela?”, questionaram.

‘Nossa linda princesinha’

Outro testemunho lido foi o da mãe da bebê I, a quem Letby assassinou ao injetar ar na corrente sanguínea e no estômago.

A mãe descreveu sua filha como uma bebê saudável antes do ataque, e como ela havia ligado para o pai dizendo que estaria trazendo a bebê para casa em breve.

“Ela bebia mamadeiras completas no meu colo, estava muito alerta, sorria frequentemente e nunca chorava, era uma garotinha muito feliz”, relatou.

Mas semanas depois, tudo mudou, disse ela. “Fomos chamados e disseram que fossemos ao hospital porque [a bebê I] tinha sofrido outro colapso”.

E acrescentou: “Quase não comíamos nem dormíamos porque [a bebê I] precisava ser constantemente ressuscitada”.

“Ela era a nossa linda princesinha e não consigo expressar a dor de tê-la perdido. Uma parte de nós morreu com ela.”

A mãe explicou como um ano após a morte da bebê I, teve que usar óculos de sol “para esconder a dor e as lágrimas dos meus filhos” e como foi difícil sair em público, comer e dormir.

Quando souberam que alguém tinha sido preso pelo assassinato da bebê, “senti todo o meu corpo tremer. Nunca vou me recuperar do fato de que nossa filha foi torturada até não ter mais como resistir”.

Posteriormente, a declaração do pai dos gêmeos, os bebês L e M, contra os quais Letby tentou agir, foi lida.

Inicialmente, os médicos disseram a eles que o que aconteceu com seus filhos em 2016 era normal para bebês prematuros, e eles acreditaram nisso. No entanto, um ano depois, a polícia bateu à sua porta com a notícia de que poderia ter sido uma tentativa de homicídio.

“Em um dos dias de julgamento, a bancada estava cheia de espectadores, e eles me colocaram em um lugar onde eu tinha uma visão direta de Lucy Letby, e ela ficava me olhando constantemente. Senti-me muito desconfortável e perturbado, e tive que mudar de lugar à tarde para não estar no campo de visão dela.”

Outra vítima que Letby tentou matar foi o bebê N, cuja família relembrou o dia em que foram chamados para a unidade neonatal como “o pior dia de nossas vidas… Vendo nosso pequeno bebê lutando pela vida… Observando os médicos realizando reanimação cardiopulmonar em seu corpinho”.

“A cada dia que passa, não deixamos de pensar naquele dia”, expressou a mãe do bebê N, que recentemente completou 7 anos e acredita-se que tenha sofrido danos permanentes devido às lesões.

A mãe acrescentou que a ideia de voltar à unidade neonatal os impediu de desejar ter mais filhos.

“Nós não queremos que ela [Letby] saiba o dano que causou… Nem queremos que ela tenha a satisfação da dor que infligiu”.

Um dos depoimentos apresentados por vídeo pré-gravado foi o dos pais dos bebês O e P, dois dos irmãos trigêmeos que Letby assassinou em 2016.

“Comecei a me culpar”, disse a mãe das crianças. “Que eu tinha transmitido uma doença aos três bebês… uma infecção.”

Ela mencionou que Letby estava inconsolável após a morte do bebê P e lembra de ter agradecido à enfermeira.

Letby tinha enviado mensagens de texto, contando como havia visto seus filhos dormindo tranquilamente em seus berços.

“Detesto o fato de que Lucy Letby tenha sido a última pessoa a segurar [o bebê P]. Ela arruinou nossas vidas.”

“Só tenho uma foto minha segurando os três bebês juntos”, compartilhou. “Tenho tido ataques de pânico que exigiram intervenção médica… o [terceiro trigêmeo], à medida que cresce, está fazendo perguntas sobre seus irmãos.”

Por sua vez, o pai dos trigêmeos falou sobre o horror que foi testemunhar o declínio do bebê O.

“É uma imagem que nunca esquecerei; no fundo do meu coração, sabia que não acabaria bem”, afirmou.

O bebê O foi rapidamente batizado e momentos depois faleceu.

“Senti como se tivessem enfiado uma faca no meu coração; não há palavras para descrever como me sentia. Desejava que isso estivesse acontecendo comigo, e naquele momento, prontamente teria trocado de lugar com ele.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

cupula-do-brics:-lula-inicia-primeiro-dia-de-trabalho-na-africa-do-sul

G1 Mundo

Cúpula do Brics: Lula inicia primeiro dia de trabalho na África do Sul

Lula chegou a Joanesburgo, capital da África do Sul, nesta segunda (21). A cidade será a sede do 15º encontro de chefes de Estado do bloco. Segundo o embaixador Eduardo Saboia, do Ministério das Relações Exteriores, o encontro entre os líderes do Brics terá três temas principais: Além de Lula, estarão presentes à cúpula os presidentes Cyril Ramaphosa (África do Sul) e Xi Jinping (China), e o primeiro-ministro da Índia, […]

today22 de agosto de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%