G1 Mundo

Homem ateia fogo em si mesmo em frente ao tribunal de julgamento de Donald Trump

today19 de abril de 2024 5

Fundo
share close

Segundo o jornal americano “New York Times”, o homem estava no Collect Pond Park, em Nova York, em frente ao tribunal, em uma área destinada a apoiadores de Trump quando jogou líquido inflamável em seu corpo e ateou fogo. As pessoas que estavam em volta saíram correndo gritando.

O Corpo de Bombeiros de Nova York informou que o homem está em estado crítico e foi transportado para o Centro Médico Presbiteriano New-York/Weill Cornell.

Uma testemunha no local disse à Reuters que primeiro ouviu o homem jogando panfletos para cima e, em seguida, viu ele se molhar com o líquido de uma lata. “Nesse momento, pensei, ‘Ai droga, o que vou ver?'” relatou.



Segundo a testemunha ouvida pela Reuters, o homem ficou alguns minutos queimando. Ainda não se sabe por que o homem ateou fogo em si mesmo.

O caso ocorreu logo após o término da seleção do júri para o julgamento de Trump, que abriu caminho para promotores e advogados de defesa fazerem suas declarações iniciais na próxima semana. O júri é composto por duas pessoas.

Donald Trump está sendo julgado por omitir pagamentos feitos à atriz pornô Stormy Daniels no auge de sua campanha presidencial de 2016. Na época, ele descreveu o dinheiro como gastos de campanha. Trump é o primeiro ex-presidente da história dos EUA a ser julgado criminalmente. (Leia mais sobre o caso abaixo)

Apoiadores do ex-presidente têm se manifestado na frente do tribunal desde segunda-feira (15), primeiro dia do julgamento, com a quantidade de pessoas diminuindo ao longo dos dias. O tribunal fica no centro de Manhattan e está fortemente guardado pela polícia.

O porta-voz do tribunal Al Baker disse que o cronograma do julgamento de Trump não será afetado pelo incidente. Baker afirmou ainda que um oficial do tribunal precisou ser levado ao hospital após inalar fumaça.

Além disso, Baker disse que o juiz Juan Merchan, que está à frente do julgamento de Trump, expressou preocupação com o indivíduo que ateou fogo em si mesmo. “Todo o tribunal é impactado por isso”, afirmou Merchan.

Policiais e socorristas no local onde homem ateou fogo em si mesmo, em frente ao tribunal onde Donald Trump está sendo julgado, em 19 de abril de 2024. — Foto: Brendan McDermid/Reuters

Entenda a acusação contra Trump

Segundo a acusação, o republicano pagou US$ 130 mil (R$ 660 mil na cotação atual) na reta final da campanha presidencial de 2016 à ex-atriz pornô Stormy Daniels para que ela se mantivesse em silêncio sobre uma relação sexual extraconjugal que os dois tiveram em 2006 (Trump sempre negou que tenha tido um caso com Stormy Daniels).

Essas ações em si não são crimes, mas a promotoria afirma que Trump maquiou esse pagamento como se fosse um desembolso ao seu advogado. Ou seja, o ex-presidente está sendo julgado por esconder esse valor nos registros fiscais.

Montagem mostra Stormy Daniels e Donald Trump — Foto: Ethan Miller, Olivier Douliery/AFP

A promotoria afirma que esse dinheiro, na verdade, era uma despesa de campanha, já que o propósito final do pagamento era impedir que uma informação que pudesse atrapalhá-lo na reta final nas eleições de 2016. Portanto, para a acusação, Trump escondeu um gasto de campanha e deve ser julgado também por isso.

Quem fez o pagamento foi Michael Cohen, então advogado pessoal de Trump —e hoje adversário dele.

Como havia um grupo de pessoas envolvidas no esquema, também há acusação de conspiração.

Foi “uma conspiração para fraudar a eleição presidencial e mentir em documentos comerciais para encobri-la”, segundo o promotor distrital de Manhattan, Alvin Bragg. Em Nova York, os promotores são eleitos para o cargo; ele é do Partido Democrata, adversário de Trump.

A defesa afirma que Trump fez os pagamentos porque estava sendo extorquido.

A acusação, no entanto, diz que essa era uma prática recorrente de Trump, já que ele usou esse mesmo esquema outras duas vezes —para pagar um porteiro e uma outra mulher com quem ele teria tido uma relação.

Para os promotores, os eleitores americanos foram enganados quando venceu as eleições presidenciais de 2016 contra Hillary Clinton.

Veja abaixo uma reportagem sobre a acusação formal de Trump no caso Stormy Daniels.

Trump é indiciado em caso de suborno a atriz pornô

Trump é indiciado em caso de suborno a atriz pornô

O advogado brasileiro Cássio Casagrande, que é professor de direito constitucional na Universidade Federal Fluminense, explica abaixo alguns pontos desse julgamento.

Qual é a principal alegação da promotoria contra Trump? “É a acusação de fraude contábil. Na verdade, quem pagou o dinheiro para Sotrmy Daniels foi o advogado dele, Michael Cohen, e ele reembolsou Cohen como se fosse honorário advocatício, maquiando o pagamento. Esse dinheiro foi usado como despesa de campanha, não declarada. Se o objetivo era comprar o silêncio da Stormy Daniels para que ela não revelasse os fatos. Isso foi um gasto de campanha não contabilizado, uma ilegalidade”.

Por que há 34 acusações diferentes? “Em um mesmo processo, pode haver mais de uma acusação. No caso dele, há uma única ação, mas com múltiplas condutas criminosas, por isso as múltiplas acusações”.

Por que são tantas? “Nos EUA, é muito comum que a promotoria e a defesa façam acordo. O acusado reconhece infrações em troca de uma pena menor. Promotores tendem a adicionar acusações para aumentar a pena e pressionar o acusado. Trump parece não querer esse acordo, então o promotor está considerando todas as possíveis acusações criminais”.

Por que o crime está sendo julgado em Nova York? “O gasto eleitoral não declarado ocorreu em Nova York, por isso a competência é lá”.

A promotoria exagera em suas acusações nos EUA? “Sim, mas os processos são julgados pelo júri, que decide se há culpa. Muitos casos acabam em acordo antes do júri. Quanto ao exagero da promotoria, se o advogado de defesa for bom, pode mostrar a fragilidade da denúncia”.

O caso será transmitido? “Não, mas é público. As pessoas podem assistir, e a imprensa tem acesso. Será interessante ver como Trump se sairá”.

Esse caso é frágil? “A prova é difícil. Não diria que o caso é frágil, mas a prova não é fácil devido à necessidade de provar a ligação com a campanha eleitoral. É importante ver as provas apresentadas aos jurados para mostrar o dolo eleitoral”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ataque-‘limitado’-atribuido-a-israel-no-ira-serve-para-baixar-temperatura-no-conflito,-dizem-analistas

G1 Mundo

Ataque ‘limitado’ atribuído a Israel no Irã serve para baixar temperatura no conflito, dizem analistas

Isso porque o ataque atribuído a Israel foi pequeno, e o Irã não deu sinais de que irá retaliar. A comunidade internacional teme que décadas de tensões entre Israel e o Irã se transformem em um confronto direto, tendo como pano de fundo a guerra entre o Exército israelense e o grupo terrorista Hamas, apoiado por Teerã, na Faixa de Gaza. Segundo autoridades americanas citadas por várias emissoras do país, […]

today19 de abril de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%