G1 Santos

Homem é condenado a 40 anos de prisão após matar a ex e a filha que chorou ao perguntar da mãe em SP

today12 de março de 2023 4

Fundo
share close

Conforme divulgado pelo TJ-SP , a decisão foi feita pelo Tribunal do Júri da Comarca de Mongaguá, no litoral de São Paulo. Ainda segundo a Justiça, conforme consta no processo, na data do crime o acusado teve um desentendimento por motivos financeiros com a ex-companheira e a matou com golpes na cabeça e pescoço, ocultando o corpo no quintal. Na sequência, ele teve a mesma atitude com a filha, após ela chorar e perguntar sobre a mãe.

Filha do suspeito foi encontrada enterrada no terreno onde ele trabalhava, em Mongaguá — Foto: Reprodução/TV Tribuna



O juiz Guilherme Pinho Ribeiro, da 1ª Vara de Mongaguá, acolheu as agravantes de motivação fútil e torpe dos crimes, ressaltando que ‘o acusado seguiu a vida normalmente, simulando a todas as pessoas próximas [às vítimas] que nada havia ocorrido e, ainda, que se mostrava preocupado com o paradeiro de sua filha’.

Homem é supeito de matar a ex-mulher e a filha em Mongaguá, SP

Homem é supeito de matar a ex-mulher e a filha em Mongaguá, SP

Corpo da ex-mulher do suspeito estava enterrado nos fundos da casa onde ele morava — Foto: Reprodução/TV Tribuna

Em entrevista ao g1 na época do crime, o irmão da vítima, Josemir Candido da Silva, disse que ela estava com medo que o ex-marido lhe fizesse mal. “Ela sempre falava que ele queria matar ela e dizia: ‘Se alguma coisa me acontecer, vocês cuidam da menina para mim’. Ela esteve em casa faz um tempo, pedindo para eu e minha esposa ver se tinha como ela ficar em casa com a menina”, explicou.

O cheiro do corpo da mulher chamou a atenção de vizinhos que ligaram para a polícia. “Por volta das 10h [do dia 24 de agosto de 2013] a Polícia Militar recebeu a ligação de uma pessoa dizendo que havia um corpo nos fundos de uma residência. Os policiais realmente constataram um corpo parcialmente enterrado. A partir daí, os policiais de Mongaguá conseguiram encontrar um indivíduo, que teria contato com a vítima. Uma outra informação indicou um corpo de uma menina, que aparentava ter oito anos” explicou o então capitão da Polícia Militar Argeo Rodrigues.

O dono da loja onde o suspeito trabalhava, José Mendes de Oliveira, disse que durante a manhã um funcionário lhe chamou a atenção para o terreno atrás de uma construção, que fica em seu depósito. “De manhã a gente abriu a loja e ele estava normal. Um rapaz que trabalha para mim disse que a casa velha, como a gente chama, estava mexida. Nesse intervalo ele chegou e perguntou o que estava acontecendo e eu disse que tinham andado por ali. Quando soube o que tinha acontecido fui para a casa que ele morava, aí o policial falou que ele matou a mulher e faltava a filha, logo lembrei do que tinha visto de manhã”, disse.

A policia encontrou o corpo enterrado com menos de 10 centímetros de terra, enrolado em um plástico preto e com uma capa amarela por cima. O suspeito chegou a tentar cobrir o corpo com uma massa de concreto fina por cima. Agnaldo trabalhava há 15 anos no comércio de Mendes. “Ele nunca apresentou nenhum problema. Não bebe, não fuma. Tanto que no futuro ele ia morar comigo na loja. Não acredito no que eu vi hoje. A gente viu essa criança nascer. Não quero nem pensar no que ele fez com ela, porque se não eu vou chorar. Triste saber que um ser humano estava aí”, contou.

A delegada do caso na época, Selma Santana Rodrigues disse que o suspeito confessou o crime. “Ele admitiu que praticou esses dois homicídios e a ocultação dos cadáveres”, contou. O cabo de uma pá foi encontrado enterrado junto com o corpo da menina, e a polícia acredita que o objeto serviu como arma para matar a criança. Segundo a polícia, depois dos crimes, Agnaldo queimou roupas e documentos das vítimas.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

protestos-contra-reforma-judicial-levam-milhares-as-ruas-em-israel

G1 Mundo

Protestos contra reforma judicial levam milhares às ruas em Israel

A coalizão de partidos de direita e extrema direita formada em dezembro pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se prepara para acelerar o processo legislativo neste domingo. Manifestante usa máscara ironizando Benjamin Netanyahu em protesto em Jerusalém. — Foto: REUTERS/Ronen Zvulun Segundo seus críticos, o texto, que tem como objetivo diminuir a influência do poder judicial em prol do poder político, ameaça a separação de poderes e o caráter democrático de Israel. […]

today11 de março de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%