G1 Santos

Homem picado por aranha venenosa enquanto dormia terá dedo amputado e denuncia negligência médica

today9 de janeiro de 2024 10

Fundo
share close

Um homem, de 31 anos, foi picado por uma aranha-marrom enquanto dormia em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Ele terá o dedo indicador amputado porque o membro necrosou em decorrência do veneno do aracnídeo. Wilker Guimarães alega que foi vítima de negligência médica já que foi duas vezes à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Samambaia mas, segundo ele, nada foi feito. Na terceira vez, na UPA Central, ele disse ter recebido um soro antiaracnídico.

“Foi uma negligência médica. Levei a picada e após 2 horas fui ao médico. Ele [médico] falou que poderia ter sido de aranha ou escorpião”, explicou. Apesar da avaliação, Guimarães disse que o profissional não receitou o soro.

Ao g1, o garçom Wilker Guimarães contou ter levado a picada em 28 de dezembro, quando acordou por volta das 7h com uma dor na mão. Passado algum tempo, ele começou a sentir o dedo latejar e notou um pequeno corte no local. Na UPA Samambaia, ele foi orientado a tomar antialérgico e remédios para dor.



Encontrou as aranhas e voltou à UPA

Guimarães disse que voltou para casa e encontrou algumas aranhas no apartamento. Diante da situação, ele resolveu retornar à UPA para contar o que tinha visto, relatar os sintomas e informar sobre as orientações dadas pelo primeiro médico.

O médico do retorno, no entanto, o teria questionado se haviam receitado antibiótico. Depois, passou mais medicamentos para continuar o tratamento.

No dia 29, ainda com muita dor, o paciente resolveu ir à UPA Central. Na unidade, uma enfermeira viu o dedo roxo e questionou se Guimarães havia procurado um médico antes. Ele contou a história e foi transferido para a UPA Quietude, onde recebeu o soro antiaracnídico.

Garçom encontrou algumas aranhas-marrons em casa após ter sido picado enquanto dormia em Praia Grande (SP) — Foto: Arquivo pessoal

Guimarães voltou a ser transferido, agora para o Hospital Irmã Dulce. Ele continua internado e aguardando pelo procedimento cirúrgico.

Ao conversar com a equipe de reportagem, lamentou as condutas médicas. Ele acredita que se tivesse recebido o tratamento adequado desde o começo, logo no primeiro dia, talvez não tivesse que amputar o dedo indicador da mão esquerda.

O paciente está com uma bolha no local lesionado e, segundo ele, por isso ainda não passou pela cirurgia. “Corre o risco de amputar [com a bolha] e ter que fazer mais uma cirurgia. Estão aguardando a delimitação da necrose para amputar uma vez só”.

Em nota, a Prefeitura de Praia Grande, por meio da Secretaria de Saúde Pública (Sesap), informou que o paciente foi vítima de ferimento por picada de aranha, evoluindo com necrose de pododáctilo esquerdo [do dedo], o qual não tem relação com a realização do soro no início do quadro.

Segundo a administração municipal, o paciente está internado e sob os cuidados da ortopedia. Ele aguarda a delimitação da necrose para amputação do dedo afetado. A Sesap disse, ainda, que vai apurar o caso.

O g1 entrou em contato com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), responsável pelo Hospital Irmã Dulce, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

Garçom ficou com o dedo necrosado e precisará amputá-lo após ter sido picado por aranha-marrom enquanto dormia em Praia Grande, SP — Foto: Arquivo Pessoal

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘vovo-do-uber’-compartilha-historia-de-amor-com-passageiros-para-reviver-memorias-da-esposa

G1 Santos

‘Vovô do Uber’ compartilha história de amor com passageiros para reviver memórias da esposa

O aposentado e motorista de aplicativo Jorge França, de 76 anos, conhecido por 'Vovô do Uber', resolveu compartilhar com os passageiros a história de amor vivida com a esposa Marilea Mehl, que morreu há seis anos em decorrência de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Ele começou a dirigir um ano antes de perder a companheira, com quem diz ter vivido história "maior que Romeu e Julieta" Ao longo das viagens […]

today9 de janeiro de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%