G1 Mundo

Homem que passou mais tempo no corredor da morte no mundo ganha direito a novo julgamento

today14 de março de 2023 12

Fundo
share close

Iwao Hakamada, agora com 87 anos, é o condenado à morte mais antigo do mundo, de acordo com a Anistia Internacional. Ele foi sentenciado em 1968 por assassinar seu chefe, a esposa dele e seus dois filhos em 1966.

O ex-boxeador profissional confessou o crime após 20 dias de interrogatório durante o qual disse ter sido espancado. Posteriormente, ele recuou na confissão.

Grupos de direitos humanos criticam o sistema judicial do Japão. Segundo os críticos, o Japão depende demais de confissões — que, segundo eles, costumam ser obtidas à força pela polícia.



No novo julgamento, os juízes decidirão se o DNA das manchas de sangue encontradas nas roupas supostamente usadas pelo assassino corresponde ao de Hakamada.

Seus advogados dizem que as evidências foram forjadas.

Iwao Hakamada foi preso e acusado de roubar e matar seu empregador e sua família em uma fábrica de processamento de missô em Shizuoka, cidade a oeste de Tóquio, em 1966. Eles foram encontrados mortos a facadas após um incêndio.

Em 2014, Hakamada foi solto e teve direito a um novo julgamento por um tribunal distrital, que concluiu que os investigadores poderiam ter plantado evidências. A decisão foi então anulada pelo tribunal superior de Tóquio.

Mas, após um recurso, os juízes da Suprema Corte instruíram o tribunal superior a reconsiderar, levando à decisão de realização de um novo julgamento.

Hideko Hakamada e o advogado de seu irmão — Foto: Kazuhiro Nogi/ AFP

“Eu esperei por este dia por 57 anos e ele chegou”, disse a irmã de Hakamada, Hideko, de 90 anos, que passou anos fazendo campanha em nome de seu irmão.

“Finalmente um peso foi tirado dos meus ombros.”

A família de Iwao Hakamada diz que sua saúde mental se deteriorou depois de décadas na prisão.

O Japão e os EUA são as únicas grandes democracias entre os países desenvolvidos que ainda usam a pena de morte.

A Anistia elogiou a decisão de realizar um novo julgamento como uma “chance há muito esperada de se fazer justiça”.

“A condenação de Hakamada foi baseada em uma ‘confissão’ forçada e há sérias dúvidas sobre as outras evidências usadas contra ele”, disse o diretor do grupo no Japão, Hideaki Nakagawa.

O processo para um novo julgamento pode levar anos se houver novo recurso e os advogados têm protestado contra esse sistema.

Muitos advogados no Japão também elogiaram a decisão, mas pediram aos promotores que “iniciem rapidamente o processo de novo julgamento sem fazer um apelo especial à Suprema Corte”.

“Não podemos mais demorar para remediar o caso do senhor Hakamada, que está em idade avançada de 87 anos e sofre de problemas mentais e físicos após 47 anos de restrição física”, disse o chefe da Federação Japonesa de Associações de Advogados, Motoji Kobayashi.

Mulher mostra foto do homem jovem — Foto: AFP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘o-governo-nao-entende-que-morremos-antes-dos-outros’:-greve-dos-garis-de-paris-completa-10-dias

G1 Mundo

‘O governo não entende que morremos antes dos outros’: greve dos garis de Paris completa 10 dias

"O governo não entende que morremos antes dos outros" é o título de uma matéria do jornal "Libération", que ouviu agentes de limpeza de Paris em greve. Ao diário, eles contaram as dificuldades que enfrentam no dia a dia. "Mas a população só quer saber se o lixo foi recolhido", diz o gari David.  A reportagem do jornal foi até uma estação de incineração de lixo em Ivry-sur-Seine, periferia da […]

today14 de março de 2023 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%