G1 Mundo

Imprensa internacional repercute operação da PF contra Bolsonaro, militares e ex-ministros de seu governo que investiga tentativa de golpe de Estado

today9 de fevereiro de 2024 5

Fundo
share close

Ao todo, a PF cumpriu 33 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva. A operação abrange Jair Bolsonaro, ex-ministros e ex-assessores dele. Há ainda medidas cautelares, como proibição de contatos entre os investigados, retenção de passaportes e destituição de cargos públicos. (Leia mais sobre a operação abaixo)

Jair Bolsonaro é alvo de operação da PF



Jair Bolsonaro é alvo de operação da PF

Reprodução de texto do ‘New York Times’ sobre operação da PF em 8 de fevereiro de 2024. — Foto: Reprodução

O jornal norte-americano “New York Times” disse que “Bolsonaro do Brasil supervisionou uma ampla conspiração para se manter no poder independentemente dos resultados das eleições de 2022, incluindo a edição pessoal de uma minuta para prender um ministro do Supremo Tribunal Federal, segundo acusações divulgadas na quinta-feira pela Polícia Federal brasileira”.

Reprodução de texto do ‘Le Monde’ sobre operação da PF em 8 de fevereiro de 2024. — Foto: Reprodução

O jornal “Le Monde”, da França, destacou que “o ex-presidente Bolsonaro está proibido de deixar o país após ter sido alvo de uma vasta operação policial nesta quinta-feira”. O periódico francês ainda chamou Bolsonaro de “ex-presidente de extrema-direita”.

Reprodução de texto da ‘BBC’ sobre operação da PF em 8 de fevereiro de 2024. — Foto: Reprodução

A rede britânica BBC também citou que Bolsonaro precisou entregar o passaporte e que acusou a operação da Polícia Federal de ser politicamente motivada. Também destacou que a prisão de militares envolvidos com o ex-presidente e que “a polícia acusa Bolsonaro de liderar um plano fracassado para permanecer no poder após perder as eleições para Lula, seu rival de esquerda”.

Reprodução de texto do ‘El País’ sobre operação da PF em 8 de fevereiro de 2024. — Foto: Reprodução

O jornal espanhol “El País” disse que “a polícia do Brasil acusa Bolsonaro e vários generais aposentados de golpismo”.

Reprodução de texto do ‘Washington Post’ sobre operação da PF em 8 de fevereiro de 2024. — Foto: Reprodução

Reprodução de texto do ‘Clarín’ sobre operação da PF em 8 de fevereiro de 2024. — Foto: Reprodução

Operação da Polícia Federal

Os mandados de busca e apreensão executados pela PF nesta quinta-feira (8) foram autorizados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Há mandados sendo cumpridos em Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e Distrito Federal, de acordo com a Polícia Federal.

Também foram encontradas trocas de mensagens de texto que mostram o coronel Mauro Cid, então ajudante de ordens do ex-presidente, orientando manifestações e monitoramento de Moraes. Veja prints das conversas.

Quatro mandados de prisão foram expedidos e três foram presos nesta quinta:

  • Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro;
  • Marcelo Câmara, coronel da reserva do Exército citado em investigações como a dos presentes oficiais vendidos pela gestão Bolsonaro e a das supostas fraudes nos cartões de vacina da família Bolsonaro;
  • Rafael Martins, major das Forças Especiais do Exército.

Os mandados de busca e apreensão atingem:

  • Valdemar Costa Neto, presidente do PL – partido pelo qual Bolsonaro disputou a reeleição;
  • Walter Souza Braga Netto, ex-ministro da Defesa e candidato a vice de Bolsonaro em 2022;
  • Augusto Heleno, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI);
  • Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública;
  • general Paulo Sérgio Nogueira, ex-comandante do Exército;
  • almirante Almir Garnier Santos, ex-comandante-geral da Marinha;
  • general Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército;
  • Tércio Arnaud Tomaz, ex-assessor de Bolsonaro e considerado um dos pilares do chamado “gabinete do ódio”;
  • Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro;
  • Marcelo Câmara, coronel do Exército citado em investigações como a dos presentes oficiais vendidos pela gestão Bolsonaro e a das supostas fraudes nos cartões de vacina da família Bolsonaro;
  • Rafael Martins, major das Forças Especiais do Exército.
  • Bernardo Romão Corrêa Netto, coronel do Exército;
  • Ailton Gonçalves Moraes Barros, capitão reformado do Exército expulso após punições disciplinares;
  • Amauri Feres Saad, advogado citado na CPI dos Atos Golpistas como “mentor intelectual” da minuta do golpe encontrada com Anderson Torres;
  • Angelo Martins Denicoli, major da reserva do Exército que chegou a ocupar cargo de direção no Ministério da Saúde na gestão Eduardo Pazuello;
  • Cleverson Ney Magalhães, coronel do Exército e ex-oficial do Comando de Operações Terrestres;
  • Eder Lindsay Magalhães Balbino, empresário que teria ajudado a montar falso dossiê apontando fraude nas urnas eletrônicas;
  • Guilherme Marques Almeida, coronel do Exército e ex-oficial do Comando de Operações Terrestres;
  • Hélio Ferreira Lima, tenente-coronel do Exército identificado em trocas de mensagens com o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro Mauro Barbosa Cid;
  • José Eduardo de Oliveira e Silva, padre da diocese de Osasco;
  • Laércio Virgílio;
  • Mario Fernandes, comandante que ocupou cargos na Secretaria-Geral e era tido como homem de confiança de Bolsonaro;
  • Ronald Ferreira de Araújo Júnior, oficial do Exército;
  • Sergio Ricardo Cavaliere de Medeiros, major do Exército.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mineiros-chilenos-resgatados-em-2010-dizem-em-velorio-de-sebastian-pinera-que-estao-vivos-gracas-ao-ex-presidente-do-chile

G1 Mundo

Mineiros chilenos resgatados em 2010 dizem em velório de Sebastián Piñera que estão vivos graças ao ex-presidente do Chile

Em 2010, um grupo de 33 mineiros chilenos ficou preso debaixo da terra durante 69 dias até serem resgatados com vida. Relembre o caso. Luis Urzúa era o chefe de turno da mina San José, na região do Atacama, quando, em 5 de agosto de 2010, ocorreu o deslizamento da mina. Urzúa foi o líder de seus companheiros enquanto estiveram sob a terra e também o último a subir na […]

today9 de fevereiro de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%