G1 Mundo

INFOGRÁFICO: Único acesso viável por terra da Venezuela a Essequibo passa por BR; invasão é improvável

today4 de abril de 2024 11

Fundo
share close

Caso Maduro decida realizar uma ação militar para tomar Essequibo, a única ligação viável por terra passa pelo Brasil.

Trata-se de uma rodovia que começa em Boa Vista, passa por Bomfim, entra no território da Guiana por meio da ponte sobre o Rio Tacutu e segue adentro pelo país vizinho. No Brasil, essa via leva o nome de BR-401. Veja no INFOGRÁFICO acima.

A fronteira da Venezuela com a Guiana é formada por uma mata densa que impossibilita a passagem de veículos blindados e grandes tropas ao mesmo tempo.



Uma entrada de forças venezuelanas no território brasileiro, porém, é improvável.

Vista área da ponte sobre o rio Tacutu, que tem o nome oficial de “Ponte Prefeito Olavo Brasil Filho” — Foto: Reprodução/Google Earth

Para Vitelio Brustolin, pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, o contingente das Forças Armadas brasileiras na região de Roraima, de cerca de 5 mil militares, é suficiente para dissuadir qualquer iniciativa de Maduro nesse sentido.

“É suficiente [para evitar uma invasão], até porque seria temerário a Venezuela usar o território brasileiro de passagem”, disse Brustolin em entrevista ao g1 em dezembro.

Na visão do pesquisador, a chance de qualquer investida da Venezuela contra a Guiana , de qualquer forma, é praticamente nula, e representaria o fim da carreira política de Nicolás Maduro.

“O que a Venezuela pode fazer: invadir o território com o risco de ter uma guerra com o Brasil. O que Maduro vai fazer? Bombardear a Guiana? O que os Estados Unidos querem é uma união mundial para tirar o Maduro do poder”, analisa.

Como é a fronteira entre os três países

São cerca de 790 km que se estendem do Parque Nacional Monte Roraima até Oriximiná, no Pará, com uma geografia que, segundo especialistas, favorece o uso do território brasileiro como passagem em uma eventual ação militar venezuelana – uma manobra, entretanto, considerada improvável por eles.

Esses 790 km se estendem por 6 municípios de Roraima (5) e Pará (1), em que moram 141 mil brasileiros – 37 mil deles indígenas. A região abriga 6 Terras Indígenas. A maior delas é a Raposa Serra do Sol, com 1,7 milhão de hectares e 25.077 habitantes dos povos Ingarikó, Macuxi, Patamona, Taurepang e Wapichana (clique aqui para ver todas).

Em geral, esses municípios têm territórios grandes e núcleos urbanos pequenos (veja as populações aqui). Os de Bonfim – onde fica o principal cruzamento por terra entre Brasil e Guiana , e também entre a Venezuela e a Guiana –, Normandia e Uiramutã (a cidade mais indígena do Brasil) ficam a poucos quilômetros do país vizinho. Já o de Oriximiná, no Pará, está a 400 km.

Como é a fronteira do Brasil com o território na Guiana cobiçado pela Venezuela

Como é a fronteira do Brasil com o território na Guiana cobiçado pela Venezuela

“Aqui está tudo tranquilo, não tem movimentação nenhuma. O que há é só a preocupação do povo com a possibilidade de se fechar a fronteira”, conta ao g1 em dezembro Joner Chagas (Republicanos), prefeito de Bonfim, cidade de 13,9 mil habitantes por onde passa a principal ligação por terra entre Brasil e Guiana.

O sentimento dos indígenas que vivem na borda do país é outro.

“Nossa comunidade está há 800, 1 mil metros da fronteira”, contou na mesma época Lázaro Wapichana, líder indígena da região do Pium, que fica em Bonfim. “A gente se sente muito inseguro [com um possível conflito] porque eles não vão respeitar os povos indígenas e nem ninguém, porque uma guerra é uma guerra”.

O Brasil possui 12 bases militares em Roraima – a maioria delas em Boa Vista, a cerca de 50 km da região de fronteira com Essequibo. Para ampliar a segurança no território brasileiro, Ministério da Defesa determinou, em dezembro, o envio de 28 veículos blindados e um contingente de até 150 militares.

Questionado se o efetivo mobilizado foi mantido e se os veículos continuam na região, o Exército não se manifetou até a última atualização desta reportagem.

Saiba mais sobre a fronteira:

Quais são as cidades e qual é a população delas?

  • Bonfim (RR) – 13.897 habitantes, 6.463 indígenas
  • Caracaraí (RR) – 20.957 habitantes, 1.273 indígenas
  • Caroebe (RR) – 10.656 habitantes, 810 indígenas
  • Normandia (RR) – 13.669 habitantes, 12.144 indígenas
  • Oriximiná (PA) – 68.294 habitantes, 3.805 indígenas
  • Uiramutã (RR) – 13.751 habitantes, 13.283 indígenas

Quais são as terras indígenas existentes na região, e quais povos vivem nelas?

  • Raposa Serra do Sol: 25.077 habitantes dos povos Ingarikó, Macuxi, Patamona, Taurepang e Wapichana;
  • São Marcos: 9.033 (Macuxi, Taurepang e Wapichana);
  • Manoa/Pium: 2.576 (Macuxi e Wapichana);
  • Jacamim: 1.167 habitantes (Wapichana);
  • Waiwái: 500 habitantes (Waiwai);
  • Bom Jesus: 43 habitantes (Macuxi e Wapichana).

Monte Roraima, destino turístico na tríplice fronteira entre Brasil, Guiana e Venezuela — Foto: Divulgação/Embratur

O turismo está entre as atividades econômicas que movimentam a região de Bonfim e Pacaraima. Há o temor de que, em caso de um conflito armado, as fronteiras sejam fechadas.

Visitantes dos países vizinhos e de outros estados têm o Monte Roraima, no norte do estado brasileiro – com acesso pela Venezuela– como um dos principais atrativos. Há também, na fronteira com Essequibo, fazenda com lago natural e pontos de vendas de açaí (do lado brasileiro, em Bonfim), e de outros produtos naturais típicos da região, como a de Moco Moco, na Guiana.

Além da vinda de estrangeiros ao Brasil, brasileiros também visitam Essequibo. Um dos locais visados é Lethem, cidade na Guiana que possui cachoeiras bastante buscadas por brasileiros.

Assim como outras áreas de Roraima, a região próxima a Essequibo tem registros de garimpo ilegal.

Nessa área, o principal palco de exploração é a terra Indígena Raposa Serra do Sol, uma das maiores terras indígenas do país, segundo o Conselho Indígena de Roraima (CIR).

Monitoramento feito em julho de 2023 identificou pontos de extração ilegal nas áreas de Água Fria, Igarapé do Trovão e Igarapé do Kai da TI Raposa Serra do Sol.

Presença das Forças Armadas Brasileiras

Modelos dos blindados que reforçarão a fronteira — Foto: Exército Brasileiro/Divulgação

Para Vitelio Brustolin, pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, a chance de uma investida da Venezuela contra a Guiana é praticamente nula. Ele avalia que uma ação militar representaria o fim da carreira política de Nicolás Maduro.

Na hipótese remota de a Venezuela decidir atacar, haveria duas possibilidades: uma incursão por ar e água, com ataques aéreos e tropas invadindo a Guiana por navios; ou, então, por terra. E é aqui que entra o Brasil.

A fronteira da Venezuela com a Guiana é formada por uma mata densa que impossibilita a passagem de veículos blindados e grandes tropas ao mesmo tempo. A alternativa seria por estradas e só no Brasil há uma ligação assim com a Guiana.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-brasileiro-critica-israel-por-ataque-a-integrantes-de-ong;-ajuda-para-de-chegar-no-norte-de-gaza

G1 Mundo

Governo brasileiro critica Israel por ataque a integrantes de ONG; ajuda para de chegar no norte de Gaza

"O governo brasileiro reitera o firme repúdio a toda e qualquer ação militar contra alvos civis, sobretudo aqueles ligados à prestação de ajuda humanitária e de assistência médica", diz a nota. "(O governo brasileiro) Deplora também as mortes de civis e trabalhadores de saúde palestinos e os danos causados por ação militar das últimas semanas, que resultou na destruição do hospital Al-Shifa, em contexto no qual a assistência médica à […]

today4 de abril de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%