G1 Mundo

Irã confirma mais de 200 mortos em protestos no país

today4 de dezembro de 2022 10

Fundo
share close

Desde o início da onda de manifestações, em setembro, esta é a primeira vez que Teerã publica cifra oficial dos óbitos ocorridos durante repressão às passeatas. O Conselho de Segurança do Irã informou neste sábado (3) que “mais de 200 pessoas perderam a vida” durante os protestos no país, iniciados em setembro, e informou que as forças de segurança atuarão de forma mais ativa em qualquer manifestação.

O órgão, que está vinculado ao Ministério do Interior, indicou que as 200 mortes aconteceram em “ataques terroristas” durante os distúrbios, sendo as vítimas “perturbadores e elementos contrarrevolucionários armados, integrantes de grupos separatistas”.

Essa é a primeira vez, desde o início dos protestos, em 16 de setembro, que o Irã divulga uma contagem oficial de mortos.



“Quanto aos manifestantes, a República Islâmica do Irã os tratou com a máxima tolerância”, mas “o plano do inimigo para continuidade dos distúrbios” provocou grandes danos, indica a nota.

Além disso, o Ministério alerta que o Conselho “atuará de forma mais decisiva” e “as forças de segurança e da polícia, com toda sua força e determinação, não permitirão mais que alguns perturbadores, com apoio de agências de inteligência estrangeiras, coloquem em perigo a segurança pública da sociedade”.

“Sendo assim, qualquer perturbação da ordem pública e reunião ilegal em qualquer nível e lugar será tratada com determinação e sem tolerância”, completa o texto.

O comunicado do Ministério é publicado em meio à convocação de novos protestos contra o regime, para serem realizados de segunda até quarta-feira.

As manifestações no Irã começaram em 16 de setembro, após a morte da jovem de origem curda Mahsa Amini, de 22 anos, enquanto estava sob custódia da polícia. Ela foi presa, supostamente, por usar o véu islâmico de maneira incorreta.

ONGs estrangeiras, como a Iran Human Rights, que tem sede em Oslo, na Noruega, apontam que o número de mortos é de 448, diante da repressão policial.

Além disso, ao menos 2 mil pessoas foram acusadas por diversos crimes, sendo que seis delas foram condenadas à morte até o momento.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

cyril-ramaphosa,-presidente-da-africa-do-sul,-descarta-renuncia-em-meio-a-escandalo

G1 Mundo

Cyril Ramaphosa, presidente da África do Sul, descarta renúncia em meio a escândalo

Ramaphosa decidiu "não renunciar por causa de um relatório equivocado e tampouco se afastará" da linha de frente política, reforçou o porta-voz. O presidente sul-africano se encontra na berlinda desde a publicação, na quarta-feira (30), de um relatório parlamentar. O documento revelou que, durante um assalto a uma de suas propriedades, foram encontrados maços de notas escondidos em um sofá, no total de US$ 508 mil. Neste sábado, Magwenya declarou: […]

today4 de dezembro de 2022 15

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%