G1 Mundo

Israel estende proibição a Al Jazeera por 45 dias, citando ameaça à segurança

today9 de junho de 2024 4

Fundo
share close

O ordem para o fechamento dos escritórios locais da rede ocorreu no dia 5 de maio, e havia terminado no sábado (8). A medida extraordinária incluiu o confisco de equipamentos, corte da transmissão e bloqueio aos sites da Al Jazeera (Assista ao vídeo acima).

A rede vinha cobrindo 24 horas por dia a guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza, apesar das ofensivas de Israel que mataram e feriram seus próprios funcionários.

É a primeira vez que o estado de Israel tira do ar uma emissora estrangeira.



Um tribunal de Tel Aviv manteve, na semana passada, a proibição inicial de 35 dias às operações da Al Jazeera em Israel. Numa decisão separada sobre uma petição da Al Jazeera contra o encerramento, o Supremo Tribunal de Israel descreveu a medida contra o canal de radiodifusão apoiado pelo Qatar como “um precedente criado”.

A Al Jazeera disse ao tribunal que não incitava a violência ou o terrorismo, e que a proibição era desproporcional. O canal, que criticou as operações militares de Israel em Gaza, disse que planeja recorrer da última extensão da proibição.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu — Foto: Reuters

O Knesset, o Parlamento de Israel, aprovou em 1º de abril a lei que permite ao governo fechar emissoras estrangeiras consideradas uma ameaça à segurança nacional do país. O projeto contou com 71 votos a favor e 10 contra.

Antes mesmo da votação, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu havia afirmado, por meio do porta-voz de seu partido, o Likud, que “tomará medidas imediatas para fechar a Al Jazeera, de acordo com o procedimento estabelecido na lei”.

Na rede social X (antigo Twitter), Netanyahu se pronunciou sobre a lei e chamou a emissora de terrorista.

“A Al Jazeera prejudicou a segurança de Israel, participou ativamente do massacre de 7 de outubro e incitou contra os soldados das Forças de Defesa de Israel. O canal terrorista Al Jazeera não transmitirá mais de Israel”, disse o primeiro-ministro israelense.

A Al Jazeera é uma rede de TV com sede no Catar, que recebe financiamento direto do regime de Doha, embora afirme manter independência editorial.

Israel já havia acusado a emissora de provocar agitação contra o país entre os telespectadores árabes.

No início de abril, a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que a lei aprovada pelo Congresso israelense é “preocupante” e destacou que a liberdade de imprensa é fundamental. O comentário dos Estados Unidos é importante porque o país é o maior aliado de Israel.

No final de março, os EUA se abstiveram de uma votação de cessar-fogo na guerra entre Israel e Hamas no Conselho de Segurança da ONU. Isso irritou Netanyahu, que decidiu cancelar a visita que ele e sua delegação fariam aos EUA para discutir sobre a guerra.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ministro-do-governo-netanyahu-renuncia-ao-gabinete-de-guerra-israelense-um-dia-apos-resgate-de-refens

G1 Mundo

Ministro do governo Netanyahu renuncia ao Gabinete de Guerra israelense um dia após resgate de reféns

"Netanyahu está nos impedindo de avançar rumo a uma verdadeira vitória. É por isso que estamos deixando o governo de emergência hoje, com o coração pesado, mas com plena confiança", disse Gantz em coletiva de imprensa televisionada. O Gabinete de Guerra de Israel era composto pelo primeiro-ministro Netanyahu, pelo ministro da Defesa, Yoav Gallant, e por Gantz, ex-comandante das Forças Armadas de Israel. "Decisões estratégicas fatais são recebidas com hesitação […]

today9 de junho de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%