G1 Mundo

Israel ignora decisão da Corte Internacional de Justiça e bombardeia Rafah, no sul de Gaza

today25 de maio de 2024 6

Fundo
share close

Um dia após a Corte Internacional de Justiça determinar que Israel interrompa todas as operações militares em Rafah, no sul de Faixa de Gaza, o país desrespeitou a ordem e bombardeou a região. Câmeras flagraram fumaça preta em vários pontos da cidade.

São decisões que deveriam obrigatoriamente ser obedecidas, apesar de o tribunal não dispor de força policial para garantir o cumprimento delas.

➡️Desde que a Corte se pronunciou, Israel deixou evidente que, ao menos por enquanto, não mudará de postura e continuará os ataques.



O governo israelense disse que as justificativas apresentadas pelo órgão da ONU são “falsas, ultrajantes e nojentas” e que a campanha militar “não levou e não vai levar à destruição da população palestina civil em Rafah”.

Afirmou também e que continuará sua operação na cidade “respeitando o direito internacional”. Para o ministro israelense das Finanças, Bezalel Smotrich, a ordem de interromper os ataques é “uma demanda para que Israel não exista”.

Corte Internacional de Justiça em Haia em sessão de janeiro, quando decidiu levar adiante processo da África do Sul contra Israel. — Foto: Piroschka van de Wouw/Reuters

Semana de sentenças aumentam pressão diplomática sobre Netanyahu

Semana de sentenças aumentam pressão diplomática sobre Netanyahu

A sentença da Corte foi proferida diante de um pedido de emergência apresentado pelo governo da África do Sul ao tribunal, sediado em Haia, na Holanda. O governo sul-africano acusa as forças israelenses de genocídio, o que Israel nega, alegando legítima defesa.

O líder da oposição de Israel, Yair Lapid, criticou a medida da CIJ, que chamou de um “colapso moral e um desastre moral” por não determinar também que o Hamas devolva todos os reféns.

Início das ofensivas em Rafah

  • Israel lançou a ofensiva à cidade de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza, no início deste mês, apesar da forte pressão contrária da comunidade internacional, inclusive dos Estados Unidos.
  • O receio dos outros países era que houvesse um massacre na cidade, considerada o “último refúgio” de palestinos que fugiram de incursões de Israel no norte e no centro do território palestino.
  • Atualmente, há cerca de 1,5 milhão de pessoas em Rafah, mais da metade da população total da Faixa de Gaza.
  • A cidade, que faz fronteira com o Egito, também tem sido a principal rota de entrada de ajuda humanitária — já que as outras vias de saída de Gaza, todas em fronteiras com Israel, foram fechadas no início da guerra entre Israel e o Hamas.
  • No entanto, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou os pedidos externos e alegou que Rafah é também o último bastião de poder do Hamas, e, por isso, seguiria até o fim com seu plano.

Governo israelense rejeita acusação de genocídio e acusa África do Sul de defender o Hamas

Governo israelense rejeita acusação de genocídio e acusa África do Sul de defender o Hamas

O caso mais amplo da África do Sul na CIJ acusa Israel de orquestrar um genocídio liderado pelo Estado contra o povo palestiniano. A corte ainda não se pronunciou sobre o conteúdo dessa acusação, mas rejeitou a exigência de Israel de arquivar o caso.

Israel lançou a sua guerra aérea e terrestre contra Gaza em outubro, após militantes liderados pelo Hamas invadirem comunidades do sul do país, matando 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns.

Desde então, mais de 35 mil palestinos, a grande maioria na Faixa de Gaza, foram mortos na ofensiva israelense, afirma o Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

cortina-bloqueia-vista-‘viral’-do-monte-fuji-em-cidade-japonesa

G1 Mundo

Cortina bloqueia vista ‘viral’ do monte Fuji em cidade japonesa

🗻 A medida foi tomada para tentar obstruir um local que viralizou na internet em 2022 e se tornou um problema para a população local. Hordas de turistas têm visitado a cidade de Fuji-Kawaguchiko, a 50 km de Tóquio, para fotografar dois símbolos do Japão: a vista do monte Fuji e uma loja de conveniência, que viralizou nas redes sociais e se “encaixa” na base da montanha. Turista na frente […]

today25 de maio de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%