G1 Mundo

Israelenses bloqueiam rodovias contra plano de reforma judicial de Netanyahu

today18 de julho de 2023 8

Fundo
share close

Diversos protestos devem ocorrer ao longo do dia, inclusive nas estações de trem em todo o país. Manifestantes, muitos deles militares da reserva, criaram correntes humanas e bloquearam uma das entradas de Kirya, o quartel-general militar de Israel no centro de Tel Aviv.

Do lado de fora da bolsa de valores de Tel Aviv, os manifestantes lançaram bombas de fumaça, tocaram tambores e cantaram e ergueram cartazes com os dizeres “salve nossa nação iniciante” e “a ditadura matará a economia”.

Outros se manifestaram do lado de fora da sede do Histadrut, o maior sindicato trabalhista de Israel, exigindo que a organização convoque uma greve geral – uma medida que pode paralisar a economia do país. Os manifestantes escalaram andaimes do lado de fora do prédio e hastearam bandeiras de protesto.



O sindicato havia convocado uma greve em março, uma medida que contribuiu para Netanyahu congelar a revisão judicial.

Itai Bar Natan, 48, CFO de uma start-up israelense, disse que estava com raiva o suficiente para subir no andaime e agitar a bandeira onde se lia “Irmãos de armas”, um slogan usado por reservistas militares que protestavam contra a reforma judicial.

“Este governo é totalmente insano. Tememos por nossa democracia, por tudo que construímos, por isso estamos todos aqui lutando”, disse Natan.

A polícia prendeu 19 pessoas suspeitas de distúrbios públicos durante os protestos que bloqueavam as rodovias no centro de Israel.

A Associação Médica de Israel também anunciou que faria uma greve de duas horas em protesto contra a legislação na quarta-feira.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro israelense — Foto: REUTERS

Netanyahu lidera o governo mais ultranacionalista e conservador dos últimos 75 anos de história de Israel. Ele propôs uma série de mudanças drásticas no judiciário do país logo após assumir o cargo em dezembro.

Seu governo assumiu o poder após a quinta eleição do país em menos de quatro anos.

Os protestos em massa no começo do ano levaram Netanyahu a suspender a reforma em março, mas ele decidiu reviver o plano no mês passado, depois que as negociações com a oposição política fracassaram.

As leis propostas dariam aos legisladores maior controle sobre a nomeação de juízes e dariam ao parlamento o poder de anular as decisões do tribunal superior e aprovar leis impermeáveis ​​à revisão judicial.

O projeto de lei que tramita no parlamento esta semana eliminaria a capacidade da Suprema Corte de derrubar decisões do governo que considera irracionais. Os juízes usaram essa “cláusula de razoabilidade” para cancelar a nomeação de um importante aliado de Netanyahu como ministro do Interior, depois de aceitar um acordo judicial por sonegação de impostos em 2021.

Ele e seus aliados dizem que as medidas são necessárias para conter uma Suprema Corte excessivamente ativista composta por juízes não eleitos. Os críticos dizem que a reforma judicial vai concentrar o poder nas mãos de Netanyahu e seus aliados e minar o sistema de freios e contrapesos do país.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

americano-cruza-fronteira-da-coreia-do-norte-sem-autorizacao-durante-passeio-por-zona-desmilitarizada

G1 Mundo

Americano cruza fronteira da Coreia do Norte sem autorização durante passeio por zona desmilitarizada

O batalhão da Organização das Nações Unidas (ONU) que atua na região suspeita que ele esteja sob custódia do Exército norte-coreano. "Acreditamos que ele esteja atualmente sob custódia da Coreia do Norte e estamos trabalhando com nossos colegas do exército norte-coreano para resolver este incidente", disse Comando das Nações Unidas, que atua na região desde 1950, quando houve o início da guerra entre as duas Coreias. O nome do americano […]

today18 de julho de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%