G1 Mundo

Javier Milei moderou discurso e se voltou para a casta política para se eleger presidente argentino

today19 de novembro de 2023 13

Fundo
share close

Venceu o louco, como o libertário midiático de extrema direita Javier Milei é conhecido, para governar uma Argentina imersa em hiperinflação e pobreza. A ampla e inesperada vantagem nas urnas refletiu a obstinação do eleitor, desencantado com os governos peronistas predominantes em 16 dos últimos 20 anos, mas com uma certeza: não se deixou seduzir pelo apelo do medo, propagado pelo adversário Sergio Massa para frear a sua ascensão.

Agora é saber como e o quanto o arrivista Milei moldará o discurso explosivo e excêntrico que dominou sua campanha à realidade dos argentinos. Ainda que conte com o apoio do ex-presidente Mauricio Macri, o presidente eleito não tem capital político no Congresso para implementar suas propostas disruptivas.

A governabilidade, então, se antevê desafiadora e complexa para quem quer extinguir o Banco Central, dolarizar a economia, eliminar os subsídios sociais e cortar 14% dos gastos. Ele conta com apenas 37 deputados e sete senadores. Sua frente, A Liberdade Avança, não elegeu governadores ou prefeitos. Governar por decretos, como ele ameaçou fazer, e convocar plebiscitos sucessivamente, não se sustentam.



Na prática, Milei já se voltou para a casta política, que ele assegurou a seus eleitores que erradicaria. Após o primeiro turno, buscou em Macri e na derrotada Patricia Bullrich as muletas necessárias para avançar. Ele terá de conter os gritos furiosos de seus partidários em comícios — “que saiam todos” — referindo-se aos políticos que prometeu expulsar do cenário argentino.

O triunfo nas urnas foi obtido pelos moldes tradicionais. Milei moderou o discurso, guardou a motosserra, que exibia como um símbolo de cortes drásticos, e deu um verniz democrático às explosões autoritárias características.

Suspeita-se, inclusive, que os indecisos votaram nele, apostando, confiantes, que seus projetos controversos, como as mudanças econômicas, o rompimento com países fundamentais para o comércio argentino, como Brasil e China, e a saída do Mercosul não serão concretizados.

Na ânsia de afastar o peronismo do poder, os argentinos optaram pelo voto de protesto e preferiram, neste domingo, dar um salto em terreno desconhecido.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

victoria-villarruel,-vice-de-milei,-e-de-familia-militar-e-ameniza-crimes-da-ditadura-na-argentina

G1 Mundo

Victoria Villarruel, vice de Milei, é de família militar e ameniza crimes da ditadura na Argentina

Ultraliberal Javier Milei recebeu mais de 55% dos votos, contra 45% do governista Sergio Massa. Advogada defende auditoria contra ações que indenizaram familiares e vítimas do governo militar. Javier Milei e Victoria Villarruel em agosto de 2023 — Foto: Agustin Marcarian/Reuters Eleita nova vice-presidente da Argentina neste domingo (19), Victoria Villarruel, de 48 anos, tem como origem uma família formada por militares argentinos e histórico de definir a época da […]

today19 de novembro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%