G1 Santos

Jornalista afegã refugiada no Brasil após fugir do Talibã se emociona ao conhecer a praia: ‘Esqueci o passado’

today6 de julho de 2023 4

Fundo
share close

“Passei por muitos dias obscuros”. Essa é a descrição da jornalista Nooria Sharifi, de 29 anos, sobre seus dias até a chegada em Praia Grande, na última sexta-feira (30). Refugiada do Afeganistão, ela relata que se viu obrigada a fugir do país natal para escapar das ameaças do Talibã, por sua atuação como repórter e ativista dos direitos das mulheres.

Acompanhada do marido e dos filhos, de 6, 9 e 11 anos, a afegã relata que seu clamor contra a falta de voz das mulheres fez com que fosse ameaçada de prisão. Com isso, imigrou para o Irã e, depois, para o Brasil. Foram 17 dias vivendo dentro de um aeroporto até que, finalmente, pudesse ter um abrigo na colônia de férias do Sindicato dos Químicos de São Paulo, no Jardim Solemar.

Apesar de desconhecer a Língua Portuguesa – ela fala apenas o Farsi, uma variação do persa –, ela sonha em conquistar uma nova vida no Litoral paulista. Mas nem sempre foi assim: no início, confessa ter sofrido um mau pressentimento sobre o Brasil, por desconhecê-lo. Hoje, sente-se feliz aqui. “É difícil, mas estou tentando aprender o idioma, começar a minha luta de novo e trabalhar”.



Nooria Sharifi está em Praia Grande acompanhada do marido e dos filhos, de 6, 9 e 11 anos. — Foto: Alexsander Ferraz/A Tribuna Jornal

Nooria viu a praia pela primeira vez após ter sido abrigada em Praia Grande. Um momento que lhe rendeu uma bela reflexão. “Foi ótimo, como se eu tivesse acabado de nascer, esqueci o passado. Pensei em todas as dores e tristezas que havia deixado para trás, respirei ar fresco e senti uma nova vida em meu progresso. Passei muitos dias ruins, mas estou muito feliz”.

Mas foi um longo caminho até encontrar essa felicidade. “Eu não era nada”, diz, ao descrever como se sentia diante das ameaças feitas contra ela e a família. Com tristeza, conta de sua dor maior: ter deixado a mãe.

Agora, sonha que seus filhos comecem os estudos, aprendam o português. E que consiga trazer toda a família e trabalhar como jornalista, a partir de seu idioma nativo. A política sempre esteve presente em sua vida e, antes do domínio do Talibã, Nooria atuou desempenhando funções no gabinete do ex-presidente do Afeganistão.

“Só estou preocupada em recomeçar minha vida, preciso da ajuda das pessoas. Eu vim aqui (em Praia Grande) temporariamente, por um mês. Não se sabe onde ficará minha residência permanente. Estamos um pouco preocupados, mas confio no povo do Brasil, que me apoia e me ajuda para uma nova vida”.

Ela sonha em conquistar uma nova vida no litoral paulista — Foto: Alexsander Ferraz/A Tribuna Jornal

A incerteza sobre os seus próximos passos ainda é motivo de aflição. A expectativa é de que os refugiados fiquem 30 dias na colônia de férias, mas o prazo pode ser estendido.

Nooria ainda não teve tempo para conhecer Praia Grande. Com tão pouco tempo na Cidade, conheceu apenas a praia. Também considera as pessoas muito gentis. Mas ainda é cedo para falar sobre o Município. Porém, uma coisa é certa e reafirmada: ela está muito feliz de ter deixado para trás o medo que sentia.

Nesta quinta (6) e sexta-feira (7) acontecerá um mutirão focado em obter a documentação necessária de todos afegãos que estão no Sindicato, em Praia Grande. É o primeiro passo para garantir que eles tenham acesso a programas assistenciais e seja possível a utilização plena de serviços públicos e municipais, como a educação.

Nooria viu praia pela primeira vez após ter sido abrigada em Praia Grande. — Foto: Alexsander Ferraz/A Tribuna Jornal

Segundo a Agência Brasil, desde 2021, quando os radicais do Talibã assumiram o poder no Afeganistão, milhões de afegãos têm deixado o país para fugir do regime restritivo. O Brasil passou a ser destino de parte deles quando foi publicada uma portaria interministerial, em setembro de 2021, autorizando o visto temporário e a residência por razões humanitárias.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

regime-comunista-da-china-aumenta-multa-contra-pastor-e-esposa

Gospel Prime

Regime comunista da China aumenta multa contra pastor e esposa

Líderes da Igreja Xunsiding, a maior igreja doméstica em Xiamen, China, foram multados em 400.000 yuan (cerca de R$ 265.400), após autoridades chinesas dobrarem a multa anteriormente imposta a eles. O Pastor Yang Xibo e sua esposa, Wang Xiaofei, estão sendo penalizados por organizar atividades religiosas na igreja. Segundo The Christian Post, a imposição da multa aumentada aconteceu na semana passada, de acordo com o grupo sediado nos EUA, ChinaAid, […]

today6 de julho de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%