Gospel Prime

Jurados nos EUA foram afastados de caso com base em suas crenças religiosas

today4 de março de 2024

Fundo
share close

A Suprema Corte dos Estados Unidos oficialmente recusou julgar o caso do afastamento de jurados cristãos de um julgamento em Missouri sobre homossexualidade. O caso de Missouri Department of Corrections V. Finney envolve o assédio à uma mulher chamada Jean Finney, que foi conduzido com base em sua sexualidade. Jean, autodescrita como lésbica, sofreu assédio no local de trabalho devido ao seu relacionamento com a ex-esposa de um colega.

Durante este caso, no entanto, três potenciais membros do júri foram afastados por causa de seus “valores cristãos conservadores”. O advogado de Finney questionou os jurados com o que chamou de uma pergunta complicada, perguntando se “algum jurado frequentava uma igreja cristã conservadora onde era ensinado que pessoas que são homossexuais não deveriam ter os mesmos direitos que todos os outros porque o que eles fizeram era um pecado”.

Sendo assim, em um comunicado divulgado pelo Juiz Alito da Suprema Corte, ele concordou com a caracterização da chamada pergunta complicada, dizendo que “Ela misturou dois problemas separados: se os jurados em potencial acreditavam que a conduta homossexual é pecaminosa e se acreditavam que gays e lésbicas não deveriam desfrutar dos mesmos direitos legais que os outros”.

Resposta de jurados

Em resposta a esta pergunta, vários jurados tentaram articular a distinção observada pelo Juiz Alito. A esposa de um pastor no júri respondeu que “a homossexualidade, de acordo com a Bíblia, é um pecado. Assim como fofoca, assim como mentir. Ninguém é perfeito. E então, estou aqui porque é uma honra sentar aqui e talvez fazer parte de um dever cívico”.

“A homossexualidade é um pecado porque está na Bíblia. Mas cada um de nós aqui peca; é apenas parte de nossa natureza. E é algo com que lutamos, esperançosamente, ao longo de nossa vida. E o fato de ser um pecado realmente não tem nada a ver de forma negativa com o que quer que seja o caso”, afirmou outro jurado.



Em sua decisão final, a juíza do julgamento concedeu o pedido de afastamento, observando que ambos os jurados disseram “que poderiam seguir a lei” e que ela deveria “errar pelo lado da cautela porque [há] jurados suficientes restantes”. O advogado do autor expressou preocupações sobre entrar nos limites da discriminação religiosa. O comunicado do Juiz Alito concordou, afirmando: “Não vejo base para afastar um jurado por causa de crenças religiosas”.

Por fim, o Juiz Alito eventualmente votou contra o julgamento do caso devido a uma questão técnica no processo de arquivamento, o que levou o caso a conter a preservação de uma objeção em vez do afastamento com base religiosa.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Gospel Prime.

Por: Redacao

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

gcm-que-morreu-apos-ser-baleada-durante-assalto-na-capital-estava-ha-23-anos-na-corporacao-no-litoral-de-sp

G1 Santos

GCM que morreu após ser baleada durante assalto na capital estava há 23 anos na corporação no litoral de SP

Crime ocorreu na Avenida dos Bandeirantes, zona sul da capital. A vítima, Valcleide de Queiroz, chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos. GCM de Praia Grande morreu após ser baleada em assalto, na zona sul da capital, no último domingo (3) — Foto: Reprodução/Redes Sociais A guarda civil municipal Valcleide Queiroz, de 56 anos, que morreu após ser baleada durante um assalto, na Avenida dos Bandeirantes, […]

today4 de março de 2024 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%