G1 Santos

Justiça absolve acusado de matar surfista e amigo a tiros no litoral de SP por faltas de provas

today10 de maio de 2024 7

Fundo
share close

O júri popular aconteceu nesta quinta-feira (9) no Fórum de Itanhaém e contou com sete jurados. Segundo o documento obtido pelo g1, a própria acusação do Ministério Público pediu pela absolvição de Antônio alegando que não havia provas suficientes contra ele. Com isso, a defesa apenas reiterou o pedido, que foi acatado pelos jurados.

Ao g1, o advogado José Oscar Silveira Junior comemorou a decisão, informando que o idoso deve ser solto ainda nesta sexta-feira (10). “A sensação de absolvição é sempre satisfatória, especialmente porque o réu foi solto após dois anos de prisão preventiva e, além de tudo, sempre ficou muito claro para nós que era inocente”, afirmou.

No entanto, o defensor criticou a postura do Ministério Público, que pediu pela prisão de Antônio sem provas. “Por outro lado, uma sensação de injustiça porque o mesmo promotor que ofereceu a denúncia e a prisão demorou dois anos para reconhecer que ele era inocente”.



De acordo com o advogado, os disparos que mataram Renato e Edgley vieram de desconhecidos que passaram pelo bar atirando em um carro preto e, inclusive, voltaram ao estabelecimento para tentar atingir o próprio Antônio, que testemunhou o crime.

“Voltaram para matá-lo. Ele fechou a porta do bar, entrou desesperado, saiu pelos fundos e foi embora. Falou para a mulher dele: ‘vem comigo ou então me encontra depois, vão me matar’. Quando a polícia chegou lá, os populares que estavam ali falaram por conta própria que viram um carro preto, que atirou nas vítimas”, esclareceu José Oscar.

Ainda segundo o defensor, Antônio foi acusado injustamente pela polícia. “Concluíram que quem tinha matado era o dono do bar, Antônio, um senhor nordestino, sergipano, que veio do Nordeste para fazer a vida no litoral. Ele trabalhava e tudo mais. Não acharam um único projétil de arma de fogo, não acharam arma com ele, não acharam absolutamente nada”, disse.

José Oscar afirmou que o proprietário do estabelecimento era colega das vítimas e sofreu represálias após ser acusado pelo crime. “Atearam fogo no bar dele, na casa dele, ele perdeu tudo que tinha”, explicou o advogado. Antônio foi considerado foragido por anos e, em 2022, foi preso.

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mae-e-filha-descobrem-juntas-o-amor-pela-confeitaria-e-fazem-sucesso-com-doces-e-bolos;-veja-receita-de-merengue

G1 Santos

Mãe e filha descobrem juntas o amor pela confeitaria e fazem sucesso com doces e bolos; veja receita de merengue

Na infância, Francini acompanhava a avó e admirava o modo como ela fazia biscoitinhos e quitutes no interior de São Paulo. Já adulta, inspirada nesses lembranças, ela aprendeu a fazer os melhores bolos da família, que enchiam a mesa de doces em qualquer festa de aniversário. "Eu tinha a minha avó, que ela fazia docinhos, biscoitinhos, essas coisas e eu fui aprendendo com ela. Toda festa em casa da família, […]

today10 de maio de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%