G1 Mundo

Kissinger apoiou ditaduras e trabalhou para transformar Brasil em aliado dos EUA na Guerra Fria

today30 de novembro de 2023 5

Fundo
share close

O livro “Kissinger e o Brasil”, do professor Matias Spektor, expõe que o secretário norte-americano criou canais secretos de comunicação com o governo brasileiro.

Os canais foram responsáveis por formalizar uma política de consultas oficiais entre o governo do Brasil e dos Estados Unidos, para evitar conflitos, segundo o pesquisador.

O documento foi tornado público pelo governo norte-americano em 2018. O memorando cita ainda que os militares afirmaram que o Brasil não poderia ignorar a “ameaça terrorista e subversiva”, e que os métodos “extralegais deveriam continuar a ser empregados contra subversivos perigosos”.



As execuções, de acordo com o documento, deveriam ser aprovadas pelo general João Baptista Figueiredo, que acabou sucedendo Geisel na presidência.

Já em fevereiro de 1976, em um encontro entre Kissinger, Geisel e outras autoridades brasileiras, no Palácio no Planalto, o presidente brasileiro disse que processo de redemocratização não poderia ser feito de forma rápida.

Kissinger, então, respondeu: “Vocês não sofrerão pressão dos Estados Unidos”.

O norte-americano era um praticante da “realpolitik”, um tipo de diplomacia que foca em alcançar objetivos práticos em vez de promover ideais. A abordagem é criticada por ser considerada muitas vezes coercitiva e imoral.

No caso de Kissinger, apoiadores dizem que suas ações pragmáticas serviam aos interesses dos EUA. Já os críticos viam uma abordagem maquiavélica que ia contra os ideais democráticos.

Comentários registrados em fitas magnéticas, revelados em 2013, mostram que Nixon queria a queda do então presidente Salvador Allende. Os Estados Unidos, então, auxiliaram militares chilienos para criar instabilidades no país.

Em 1973, após a queda de Allende, Kissinger disse que por mais desagradáveis que fossem os atos de Pinochet, o governo dele era melhor do que o do presidente anterior.

A ditadura de Pinochet, que acabou em 1990, deixou mais de 3 mil mortos e foi responsável pela prisão e tortura de 38 mil pessoas.

Já na Argentina, documentos revelados pelos Estados Unidos em 2002 indicam que Kissinger aprovava repressões a opositores. “Se há coisas que precisam ser feitas, vocês devem fazê-las rapidamente”, disse ele a um ministro do governo argentino, em 1976.

Apoio ao programa nuclear do Brasil

Na década de 1970, Kissinger contrariou figuras relevantes do Congresso, do Departamento de Estado e da Agência de Controle de Armas e Desarmamento dos EUA ao apoiar o programa nuclear do Brasil.

Ele argumentou que o país era um dos pilares da política norte-americana na América Latina e que apoiar o governo brasileiro era importante para manter a aliança entre as nações.

Além disso, Kissinger apontou para os interesses econômicos de empresas dos EUA em explorar a indústria nuclear no Brasil.

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

henry-kissinger-morre-aos-100-anos;-veja-a-repercussao

G1 Mundo

Henry Kissinger morre aos 100 anos; veja a repercussão

George W. Bush, ex-presidente dos EUA “A América perdeu uma das vozes mais confiáveis e distintas nas relações exteriores. Há muito tempo admiro o homem que fugiu dos nazistas quando era um menino de uma família judia e depois lutou contra eles. Ele trabalhou nas administrações de dois presidentes e aconselhou muitos outros. Sou grato por esse serviço e conselho, mas sou muito grato por sua amizade. Laura e eu […]

today30 de novembro de 2023 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%