Pleno News

Laico é o Estado e não os políticos que representam o povo

today31 de agosto de 2022 12

Fundo
share close

Marisa Lobo
31/08/2022 13h06

Bolsonaro e Michelle na Marcha para Jesus Foto: Homerilson Rodrigues

Nos últimos dias, viralizou nas redes sociais o trecho de um vídeo antigo meu, no qual apareço numa entrevista para o programa Vejam Só, apresentado pelo querido Eber Cocareli. O assunto destacado foi a questão do Estado laico, infelizmente tratada erroneamente por muitos.

Por essa razão, resolvi trazer, no artigo de hoje, algumas pontuações muito importantes, tendo em vista que estamos à beira das eleições e é de vital importância que possamos entender corretamente essa questão.

1 – Estado laico não é laicista


Em primeiro lugar, a concepção do Estado laico não diz respeito a um regime que proíbe a manifestação religiosa por parte dos seus agentes. Ou seja, governantes, servidores públicos e outros ligados à máquina pública podem, sim, externar a fé que possuem, desde que em nome próprio.

A restrição quanto à prática religiosa por parte do Estado, baseada no artigo 19 da Constituição Federal, diz respeito a iniciativas, por parte dos governos, que favoreçam determinadas religiões em detrimento de outras. Ou seja, o Estado não pode assumir para si o rótulo de determinada religião, pois assim não teríamos um regime laico, mas sim teocrático.



Contudo, os agentes do Estado, estes sim, podem exercer práticas religiosas de cunho pessoal, inclusive, com atividades amparadas pelo próprio Estado, como cultos e outras celebrações de cunho religioso, desde que essas iniciativas sejam dos indivíduos e não do ente público.

É por isso, por exemplo, que a primeira-dama Michelle Bolsonaro tem a liberdade de fazer cultos no Palácio do Planalto, assim como os parlamentares evangélicos fazem, também, nas dependências do Congresso Nacional. Essas são iniciativas pessoais e não do órgão público.

O laicismo, por outro lado, seria o combate a todo tipo de expressão religiosa. Nesse caso, teríamos um Estado declaradamente ateu, o qual não toleraria a manifestação de fé dos agentes públicos e pessoas ligadas a ele.

2 – Políticos são representativos


Outra confusão que alguns fazem em relação ao conceito de Estado laico diz respeito ao papel dos políticos. Muitos, inclusive certos cristãos, alegam que um parlamentar não pode levar para o Congresso as suas concepções de fé, a fim de convertê-las em projetos de lei. Porém, esse entendimento está errado!

O motivo é simples: a definição constitucional do Estado laico se aplica aos governos (federal, estadual e municipal) e não aos políticos. Isto significa que os parlamentares podem, sim, defender suas convicções religiosas nas casas legislativas. Veja o que diz o artigo 19 da Constituição, com destaque meu:

“É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público; recusar fé aos documentos públicos; criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si”.

Como podemos notar, o texto se dirige aos entes públicos e não aos seus agentes. Também, deixa claro que proíbe a relação de dependência, mas não de colaboração baseada em interesses públicos, e que veta qualquer tipo de favorecimento a determinadas religiões ou crenças.

Por fim, com base nas explicações apresentadas, espero ter ajudado a esclarecer, de forma simplificada, a concepção de Estado laico. Para nós, cristãos, é extremamente importante entender corretamente este conceito, visto que muitos “anticristos” querem nos calar enquanto representantes do povo. Não aceitaremos isso!

Marisa Lobo possui graduação em Psicologia, é pós-graduada em Filosofia de Direitos Humanos e em Saúde Mental e tem habilitação para Magistério Superior.

* Este texto reflete a opinião do autor e não, necessariamente, a do Pleno.News.

Leia também1 Primeira-dama promove chá de mulheres no Palácio da Alvorada

2 Cantora chinesa se declara cristã mesmo em meio à perseguição

3 Cássia Kis convoca população para vigília e oração pelo Brasil

4 Mundo: Perseguição gera mais de 3 mil cristãos desaparecidos

5 Entenda a verdadeira situação vivida pela Igreja na Nicarágua

Siga-nos nas nossas redes!

O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Pleno News.

Por: Marisa Lobo

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

guaruja-recebe-133-sugestoes-e-propostas-de-municipes-para-o-orcamento-de-2023

Prefeitura de Guarujá

Guarujá recebe 133 sugestões e propostas de munícipes para o Orçamento de 2023

Agora, todo o material será analisado e estudado pela Administração Municipal, ajudando a decidir como e onde os recursos serão aplicados O Orçamento 2023 de Guarujá recebeu 133 sugestões e propostas de moradores da Cidade para aprimorar os investimentos da Administração Municipal. Por uma semana, um canal de contribuição de ideias para o Orçamento Participativo ficou disponível pela internet. Mais de 50 munícipes também estiveram no Teatro Municipal Procópio Ferreira (Av. Dom Pedro I, 350 – Jardim Tejereba), na noite do último dia 24, para participar de uma audiência pública que debatia o assunto. Na prática, a participação popular […]

today31 de agosto de 2022 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%