G1 Mundo

Laparocele: entenda a hérnia abdominal que é a causa da cirurgia do Papa

today7 de junho de 2023 13

Fundo
share close

Segundo a Santa Sé, a expectativa é que o pontífice fique internado por alguns dias depois do procedimento cirúrgico, que acontece dois anos após Francisco ser submetido a uma cirurgia no intestino grosso.

Dessa vez, a cirurgia será para a reparação de uma laparocele, um tipo de hérnia que se forma sob uma cicatriz na região do abdômen. Entenda mais abaixo.

A laparocele encarcerada como a do Papa é nada mais que uma hérnia da parede abdominal que causa o “estrangulamento” da alça do intestino, os segmentos de arco que formam os tubos do órgão.



A médica cirurgiã do aparelho digestivo, Vanessa Prado, explica que a complicação causa uma fraqueza da parede abdominal que resulta numa espécie de “buraco”.

“E aí quando você faz mínimos esforços a alça intestinal pode entrar nesse buraco, ficar presa e não voltar para a cavidade abdominal [região que comporta além do intestino, o fígado, o estômago, entre outros órgãos], o que resulta na urgência cirúrgica”, diz.

Em resumo, é uma hérnia dos músculos abdominais, não do intestino, embora possa ocorrer uma protrusão do intestino através deste buraco abdominal.

“A laparocele é uma hérnia que ocorre na parede abdominal após cirurgias ou por fraqueza muscular. Ela cria um buraco na parede, que muitas vezes pode permitir a entrada do intestino. Quando um órgão fica preso nesse buraco, isso é chamado de laparocele encarcerada e pode causar dor, obstrução intestinal ou falta de circulação”, detalha Alexandre Sakano, gastrocirurgião da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Mas qual o problema disso?

Segundo o centro de pesquisas italiano “Humanitas”, em cerca de 10% das incisões cirúrgicas feitas no abdômen, com o tempo, pode haver uma falha da parede músculo-fascial por onde emerge o peritônio, um tecido fino dobrado sobre si mesmo que separa os órgãos internos da parede. Esta condição se manifesta com um inchaço bem característico.

A laparocele geralmente então acontece em casos em que a ferida criada pela cirurgia não fechou perfeitamente e com o tempo abriu-se uma “brecha” de onde emerge o peritônio e, posteriormente, a hérnia.

“E quando essa alça do intestino fica presa nessa hérnia, a gente chama de hérnia encarcerada, que aí não passa sangue, não passa fezes, e dá o quadro que a gente chama de suboclusão intestinal para o paciente”, acrescenta Prado, que é médica do Centro de Especialidades do Aparelho Digestivo do Hospital Nove de Julho, em São Paulo.

“A operação, planejada nos últimos dias pela equipe médica que assiste o Santo Padre, tornou-se necessária devido a uma laparocele encarcerada que está causando síndromes suboclusivas recorrentes, dolorosas e agravadas”, disse o comunicado do Vaticano nesta quarta.

E quais são os principais fatores de risco?

Os fatores que podem favorecer o aparecimento da hérnia incisional são:

  • idade avançada;
  • sobrepeso;
  • obesidade;
  • infecção prévia de uma ferida operatória;
  • além do tipo e da extensão da incisão cirúrgica realizada previamente, que pode causar problemas em alguns pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos.

A hérnia incisional, porém, é mais comum quando as incisões são maiores, como o caso do pontífice.

Por que a cirurgia é indicada?

Prado explica que de forma geral, a correção da hérnia de parede abdominal é uma cirurgia simples, diferentemente de quadros onde há esse “estrangulamento” da alça do intestino.

Nesses casos, como há uma alteração do fluxo intestinal -uma suboclusão-, a cirurgia mais indicada é a laparotomia exploradora (justamente o procedimento do pontífice), que abre a região do abdômen, devolve o intestino para região abdominal e fecha esse buraco colocando uma tela para impedir que a alça intestinal volte a ficar presa.

E o quadro pode ser recorrente?

Geralmente não, os quadros de suboclusão não são recorrentes. A cirurgia costuma resolver o problema.

Ou seja, operou, corrigiu e o paciente fica bem.

“Mas claro, dependendo da idade, se é diabético e hipertenso, pode ter complicações, mas a suboclusão não deveria ser um quadro recorrente”, acrescenta a especialista.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

apos-quase-8-horas-de-interrogatorio,-principe-harry-termina-depoimento-contra-grupo-de-tabloides

G1 Mundo

Após quase 8 horas de interrogatório, príncipe Harry termina depoimento contra grupo de tabloides

O depoimento faz parte de um processo que Harry e mais de cem pessoas movem contra a Mirror Group Newspapers (MGN), editora dos tabloides "Daily Mirror", "Sunday Mirror" e "Sunday People". Eles acusam os jornais de grampear seus telefones para obter informações privadas entre 1991 e 2011. Nesta quinta, Harry foi interrogado durante quase cinco horas e, na quarta, durante mais três. Ao longo do testemunho feito nesta manhã, o […]

today7 de junho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%