G1 Mundo

Líder de mercenários que se rebelaram contra exército russo diz que grupo chegou a Rostov e derrubou um helicóptero

today24 de junho de 2023 9

Fundo
share close

Yevgeny Prigozhin, o chefe do grupo de mercenários Wagner, entrou abertamente em campanha para destituir o ministro de Defesa da Rússia nesta sexta-feira (23). Na madrugada de sábado (24) na Rússia, ele afirmou que suas forças chegaram a Rostov, uma região perto da Ucrânia, e que não houve resistência dos militares que estavam em postos de controle.

Prigozhin chamou os recrutas dos postos de comando de crianças, e afirmou que não está lutando contra eles. “Mas nós vamos destruir qualquer um que esteja no nosso caminho, nós estamos avançando e vamos até o fim”, afirmou.

Prigozhin também afirmou que derrubou um helicóptero do exército russo.



A FSB, uma agência de segurança da Rússia, ordenou a prisão de Prigozhin (veja mais abaixo).

Rússia investiga chefe do grupo Wagner

Rússia investiga chefe do grupo Wagner

Homens armados teriam chegado à sede da polícia regional do município de Rostóvia do Dom, segundo a agência de notícias Reuters apurou em vídeos das redes sociais. Contudo, ainda não há confirmação de que os homens pertencem ao grupo Wagner.

Governo da região de Rostov

O governador da região de Rostov, que faz fronteira com a Ucrânia, pediu aos moradores para ficarem em casa. Vassily Golubev pediu para que todos fiquem calmos e não saiam de casa a não ser que seja necessário.

O Grupo Wagner é uma empresa paramilitar privada com ligações com o governo russo. Eles já existiam antes da guerra na Ucrânia , mas quando a Rússia começou a perder muitos homens na Ucrânia, o Wagner começou a recrutar prisioneiros e civis russos, assim como estrangeiros.

Muitas vezes eles são o grupo de frente nas disputas na guerra da Ucrânia, e há muita troca de acusações entre Prigozhin e os comandantes do exército russo.

Prigozhin e o Wagner, que apoiam a invasão russa da Ucrânia, já vinham se desentendendo com o exército há meses. O grande rival de Prigozhin é o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

Nesta sexta-feira, ele afirmou que o Ministério de Defesa russo atacou um acampamento do grupo e que muitos de seus combatentes morreram. Foi então que ele afirmou que estava abertamente em confronto com o ministério.

Por volta das 20h desta sexta, no horário de Brasília, Prigozhin afirmou que o grupo havia atravessado a fronteira da Ucrânia sentido Rússia.

“Aqueles que destruíram nossos rapazes serão punidos. Peço que ninguém ofereça resistência. Somos 25 mil e vamos descobrir por que o caos está acontecendo no país”, disse o chefe do grupo Wagner. “Este não é um golpe militar. É uma marcha por justiça. Nossas ações não interferem de forma alguma nas tropas.”

O Ministério da Defesa emitiu um comunicado no qual afirma que as acusações de Prigozhin a respeito do ataque ao acampamento “não correspondem à realidade e são uma provocação informativa”. Segundo as autoridades, o presidente do país, Vladimir Putin, está ciente da situação e todas as medidas necessárias estão sendo tomadas.

A segurança de Moscou foi reforçada.

A FSB, um dos serviços de segurança da Rússia, abriu um caso criminal contra Prigozhin e ordenou a prisão dele. Ele é acusado de instigar um motim (um levante contra a autoridade militar), crime punível com até 20 anos de prisão no país.

O procurador-geral da Rússia disse que Prigozhin está sendo investigado por “suspeita de organizar uma rebelião armada”.

Países europeus querem classificar grupo Wagner como terrorista

Países europeus querem classificar grupo Wagner como terrorista




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

reviravolta-politica-na-argentina:-sergio-massa-e-escolhido-como-candidato-governista-a-presidencia

G1 Mundo

Reviravolta política na Argentina: Sergio Massa é escolhido como candidato governista à presidência

Houve uma reviravolta na política argentina nesta sexta-feira (23), e o atual ministro da Economia, Sergio Massa, terminou o dia como o candidato à presidência do grupo que ocupa o governo. O prazo para a inscrição de pré-candidatura à presidência (as eleições acontecem neste ano) termina no sábado. Em agosto, todas as frentes políticas farão prévias, porque a lei do país assim exige. Os peronistas (corrente política do atual governo), […]

today24 de junho de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%