G1 Mundo

Lula apoia ação da África do Sul contra Israel na Corte Internacional de Justiça, diz Itamaraty

today11 de janeiro de 2024 9

Fundo
share close

Segundo a agência de notícias Reuters, a ação sul-africana pede à Corte que declare que Israel violou, no conflito contra o Hamas, obrigações previstas na Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio. Israel refuta as alegações da África do Sul. Em nota, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) criticou o apoio manifestado por Lula (leia mais aqui).

Fundada em 1945, a Corte Internacional de Justiça está sediada em Haia, na Holanda. A Corte julga disputas entre Estados e responde a consultas de órgãos ou agências especializadas das Nações Unidas (ONU).

Segundo o Ministério das Relações Exteriores (MRE), Lula externou o apoio à iniciativa sul-africana durante reunião nesta quarta com o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben.



“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu hoje o embaixador da Palestina em Brasília, Ibrahim Alzeben, para discutir a situação dos palestinos na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, depois de decorridos mais de três meses da presente crise”, diz trecho do comunicado do Itamaraty.

O MRE afirma na nota que Lula apoia a iniciativa sul-africana para que a Corte Internacional de Justiça “determine” a Israel que pare atos e medidas que possam configurar genocídio.

“À luz das flagrantes violações ao direito internacional humanitário, o presidente manifestou seu apoio à iniciativa da África do Sul de acionar a Corte Internacional de Justiça para que determine que Israel cesse imediatamente todos os atos e medidas que possam constituir genocídio ou crimes relacionados nos termos da Convenção para a Prevenção e Repressão do Crime de Genocídio”, completa o documento.

O conflito no Oriente Médio iniciou em outubro, quando o grupo terrorista Hamas atacou Israel e matou centenas de civis israelenses. Em resposta, Israel bombardeou e invadiu a Faixa de Gaza, território palestino. Mais de 20 mil pessoas morreram na guerra.

Sobre a ação movida pela África do Sul, de acordo com o jornal norte-americano “New York Times”, Israel afirma que o país distorce o significado de genocídio e o propósito da convenção internacional sobre o tema, da qual os israelenses são signatários.

Para Israel, a ação deveria ser apresentada contra o Hamas, grupo terrorista é alvo do exército israelense.

Antony Blinken se encontra com autoridades em Israel

Antony Blinken se encontra com autoridades em Israel

Brasil condenou ‘ataques terroristas’

No comunicado divulgado pelo Itamaraty após a reunião de Lula com o embaixador da Palestina, o Ministério das Relações Exteriores afirmou que, no encontro, o petista lembrou que o Brasil condenou de forma imediata os “ataques terroristas” do Hamas.

“[Lula] reiterou, contudo, que tais atos não justificam o uso indiscriminado, recorrente e desproporcional de força por Israel contra civis”, diz a nota.

O petista também citou os esforços brasileiros para a paz no Oriente Médio e para a formação de corredores humanitários.

“O governo brasileiro reitera a defesa da solução de dois Estados, com um Estado Palestino economicamente viável convivendo lado a lado com Israel, em paz e segurança, dentro de fronteiras mutuamente acordadas e internacionalmente reconhecidas, que incluem a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, tendo Jerusalém Oriental como sua capital”, finaliza a nota do Itamaraty.

Conib critica apoio externado por Lula

Em nota divulgada à imprensa, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) criticou a decisão de Lula de apoiar a ação sul-africana na Corte Internacional de Justiça de Haia.

Para a entidade, a posição “diverge da posição de equilíbrio e moderação da política externa brasileira”.

“A ação sul-africana é uma inversão da realidade. O conflito atual começou depois das atrocidades dos terroristas do Hamas contra a população de Israel, que matou indiscriminada e barbaramente mais de 1.200 pessoas, no ataque mais mortal contra o povo judeu desde o Holocausto. Israel está apenas se defendendo de um inimigo, ele sim, genocida, que manifesta abertamente seu desejo genocida de exterminar Israel e os judeus”, afirma o comunicado.

A Conib afirma ainda que forças israelenses tem tomado “precauções” para preservar a população civil da Faixa de Gaza. “O Hamas se esconde covarde e deliberadamente atrás dos civis de Gaza porque suas mortes são usadas como arma contra Israel na opinião pública mundial”, declara a confederação.

“É frustrante ver o governo brasileiro apoiar uma ação cínica e perversa como essa, que visa impedir Israel de se defender de seus inimigos genocidas”, finaliza a entidade no comunicado.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

diretor-de-escola-brasileiro-que-mora-no-equador-diz-ter-medo-de-sair-de-casa-apos-onda-de-violencia:-‘nao-sabemos-o-que-esperar’

G1 Mundo

Diretor de escola brasileiro que mora no Equador diz ter medo de sair de casa após onda de violência: ‘não sabemos o que esperar’

Nascido no Rio Grande do Sul, o diretor morou em Cuiabá, onde atuava como pastor. Ele se mudou para o país vizinho há cerca de um ano e afirmou que, desde então, presencia uma onda de violência no país. Tanque do exército em rua de Quito, no Equador — Foto: Rodrigo BUENDIA / AFP Nascido no Rio Grande do Sul, o diretor, que preferiu não ter a identidade divulgada, morou […]

today11 de janeiro de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%