G1 Mundo

Lula deve encontrar Maduro para ‘medir temperatura’ em meio a ações controversas da Venezuela e crise por Essequibo

today26 de fevereiro de 2024 6

Fundo
share close

Essa será a segunda parada da viagem que o presidente do Brasil fará, a partir de quarta-feira (28), quando irá à Guiana para participar como convidado da cúpula da Comunidade dos Estados do Caribe, a Caricom.

A reunião de Lula e Maduro deve acontecer no mesmo dia da cúpula da Celac, 1º de março, em meio a críticas ao presidente venezuelano por ações que põem em risco o Acordo de Barbados, que prevê eleições transparentes na Venezuela, neste ano.

Presidentes Lula e Maduro durante encontro em Brasília, em maio de 2023. — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters



Na semana passada, pelo menos 12 funcionários de um escritório local do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) deixaram a Venezuela, depois que o governo determinou sua saída.

Em visita à Etiópia, Lula foi questionado sobre a medida, e respondeu aos jornalistas que não tinha “as informações do que está acontecendo na Venezuela, [sobre] a briga da Venezuela com a ONU”.

Outros fatores contribuem para a preocupação de Lula quanto ao cumprimento do Acordo de Barbados, segundo relatam assessores do presidente do Brasil. No fim de janeiro, a líder da oposição na Venezuela, María Corina Machado, teve a candidatura para as eleições presidenciais barrada pelo Supremo Tribunal.

No início de fevereiro, foi a vez de a ativista Rocío San Miguel ser presa, considerada terrorista e traidora da pátria pelo governo Maduro. Aliada a esses fatores, a disputa pela região de Essequibo, na Guiana, aumenta a tensão e a preocupação do Palácio do Planalto com um canal de influência sobre Caracas.

No fim do ano passado, Lula e Maduro conversaram ao telefone. O presidente brasileiro citou o desconforto com a situação na região que faz fronteira com o Brasil. Agora, na avaliação de aliados do presidente, o encontro com Maduro servirá como termômetro para saber como está a postura do Palácio de Miraflores frente ao Palácio do Planalto.

Antes de viajar para São Vicente e Granadinas e se reunir com Maduro, Lula ouvirá o outro lado da disputa. Ele terá uma reunião com Irfaan Ali, presidente da Guiana. Para além da postura de tentar mediar o conflito, o Brasil também busca ampliar o diálogo com o país vizinho. A descoberta de petróleo transformou a Guiana em um dos países que mais se desenvolvem na América do Sul.

Declarações do presidente Lula

Em maio de 2023, Lula criticou as sanções internacionais impostas ao regime ditatorial comandado por Maduro e afirmou que bloqueios econômicos são piores que a guerra.

O presidente brasileiro recebeu Nicolás Maduro para uma reunião fechada, em Brasília. Em discurso, Lula defendeu Maduro e disse que as acusações de que a Venezuela é uma ditadura fazem parte de uma “narrativa”. A declaração repercutiu mal entre presidentes da região.

“A gente gosta de democracia, a gente gosta de ter gente protestando contra a gente, a gente gosta quando tem greve contra a gente, a gente gosta quando negocia. Nada disso é contra a democracia”, declarou Lula.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

israel-apresenta-plano-para-evacuar-civis-e-defende-ofensiva-em-rafah

G1 Mundo

Israel apresenta plano para evacuar civis e defende ofensiva em Rafah

O anúncio ocorre antes de uma aguardada ofensiva israelense em Rafah, cidade superpovoada do sul do território palestino. Na região, apresentada por Netanyahu como "o último reduto" do movimento islâmico Hamas, vivem cerca de 1,4 milhão de civis, segundo a ONU. No sábado (24), o primeiro-ministro israelense já havia anunciado que convocaria "no começo da semana" seu gabinete para "aprovar os planos operacionais em Rafah, incluindo a evacuação da população […]

today26 de fevereiro de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%