G1 Mundo

Madri reverte lei que protegia os direitos da comunidade LGBTQIA+

today26 de dezembro de 2023 2

Fundo
share close

No apagar das luzes de 2023, a Assembleia de Madri modificou as leis que protegiam a comunidade LGBTQIA+, eliminando o conceito de igualdade de gênero e outros artigos que combatiam a discriminação. A reforma da lei trans era uma promessa de campanha da presidente da Comunidade Autônoma de Madri, a conservadora Isabel Díaz Ayuso, do Partido Popular, que contou com o apoio do Vox, de extrema direita, para aprová-la.

Desde 2019 no cargo, que no Brasil equivale ao de governadora, Díaz Ayuso mergulhou de corpo e alma nas guerras culturais da Espanha. Conseguiu aprovar a reforma da lei que vigorava desde 2016 na última sessão plenária do Parlamento, aplicando um duro golpe às pessoas LGBTQIA+.

A modificação da lei revoga 20 artigos e altera a redação de outros quatro, faz de Madri a pioneira entre as 17 regiões espanholas a eliminar os direitos dessa minoria. No entender de Díaz Ayuso, organizações e ativistas em defesa da comunidade LGBT criaram “um mundo paralelo para lobbies” que precisava ser eliminado e substituído pelo que chama de “rigor científico e jurídico”.



Isabel Diaz Ayuso durante reunião da Assembleia de Madri em 22 de dezembro de 2023 — Foto: Ana Beltran/REUTERS

A partir de agora, as pessoas trans não podem decidir livremente sobre o seu corpo. É necessário um relatório médico para a mudança de sexo no registro civil. Os termos “identidade de gênero” e “pessoas trans” serão substituídos por “transexuais” e “transexualidade”, o Dia Internacional contra homofobia e transfobia foi abolido.

Foi revogada também a possibilidade de o cidadão adaptar a sua documentação regional à sua identidade de gênero. O respeito à imagem física dos estudantes trans ou a livre escolha de roupas, até então assegurados, passarão a levar em conta o respeito ao restante dos alunos e às regras do centro educacional. Em outras palavras, Madri andou para trás.

Organizações e ativistas de defesa da comunidade LGBTQIA+ prometem apelar para a inconstitucionalidade da lei madrilenha junto ao Congresso Nacional e ao premiê Pedro Sánchez, na esperança de reverter o retrocesso aos direitos adquiridos e conquistados pela minoria.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

praia-grande,-sp,-desenvolve-‘armadilha’-para-capturar-o-mosquito-aedes-aegypti;-entenda

G1 Santos

Praia Grande, SP, desenvolve ‘armadilha’ para capturar o mosquito Aedes Aegypti; entenda

A Prefeitura de Praia Grande, no litoral de São Paulo, anunciou o desenvolvimento de estudos com 'armadilhas' para capturar o mosquito Aedes Aegypti [transmissor da dengue, zika e chikungunya]. Segundo o município, tratam-se de 'ovitrampras' as armadilhas que simulam o ambiente para a procriação da espécie com 'baldes' para as fêmeas depositarem os ovos, que acabam incinerados. Segundo a Divisão de Saúde Ambiental da Secretaria de Saúde Pública (Sesap), a […]

today26 de dezembro de 2023 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%