G1 Mundo

Maduro usa referendo venezuelano sobre região na Guiana como manobra ufanista

today2 de dezembro de 2023 3

Fundo
share close

De um lado, Nicolás Maduro mergulhou de cabeça numa campanha para turbinar o referendo popular que empreende neste domingo no país, no qual consultará a população sobre as medidas a tomar em defesa da região.

De imediato, a crise fez o Brasil reforçar a sua fronteira norte, e os EUA enviarem funcionários de alto escalão para a Guiana.

O ufanismo venezuelano em torno de Essequibo vem sendo alardeado por Maduro e se explica também pela proximidade das eleições presidenciais do próximo ano.



Conforme declarou Mariano de Alba, especialista em Direito internacional e Relações Internacionais, ao jornal digital “El Pitazo”, o referendo é um balão de ensaio para lubrificar a máquina eleitoral e dividir a oposição.

A consulta proposta por Maduro tem cinco perguntas, que ele defende serem respondidas cinco vezes com o “sim”: rejeitar a fronteira com a Guiana, validar o acordo de Genebra, firmado em 1966, defender por todos os meios a soberania do território, não reconhecer o Tribunal Internacional de Justiça como legítimo para resolver o conflito, e criar um estado na Venezuela chamado Guayaba Esequiba.

Mapa mostra a Guiana e a região de Essequibo — Foto: Vitoria Coelho/g1

Opositores do regime e analistas políticos não contestam a soberania venezuelana sobre Essequibo, mas a forma como o conflito vem sendo conduzido pelo regime de Maduro, criticado por usar o tema como manobra para distrair a população.

“Votar cinco vezes “sim” no referendo nos levará a um conflito armado”, resume a presidente da ONG Controle Cidadão, Rocío San Miguel. Ela considera sensatas as respostas “sim” para as duas primeiras questões e “não” para as três últimas.

“Não participar no referendo é dar poder a Maduro para instrumentalizar qualquer ação interna ou militar. Se nos abstivermos, deixaremos tudo na mão do outro, para que ele possa fazer e desfazer”, constatou San Miguel em suas redes sociais.

Homem caminha diante de muro com mensagem reivindicado a região guianesa de Essequibo como venezuelana, em Caracas, em 29 de novembro de 2023. — Foto: Matias Delacroix/ AP

O analista Luís Vicente León, diretor da Datanálisis, entende que se abster no referendo não é uma solução e repete a fórmula “sim, sim, não, não e não” à consulta popular. “Essequibo é um território venezuelano. Não precisamos de um referendo para ratificá-lo e todos temos de defendê-lo a nível diplomático e político, sem necessidade de questioná-lo”, justifica.

Principal concorrente de Maduro nas eleições do próximo ano, embora inabilitada pela Justiça para disputar o pleito, a opositora María Corina Machado rejeita o referendo:

“Essequibo é da Venezuela, essa tem sido a posição dos venezuelanos e governantes durante gerações. Seremos levados à Corte Internacional de Justiça por negligência, irresponsabilidade e entreguismo de Chávez e Maduro.”

O interesse pela região cresceu após a descoberta e exploração de petróleo na região que equivale a 70% do território da Guiana e tem o inglês como idioma predominante. Ex-colônia britânica, a Guiana defende a fronteira definida em 1899 por um tribunal arbitral. A Venezuela recorre ao acordo assinado em 1966 em Genebra que estabelece as bases para uma solução negociada entre os dois países.

Maduro rejeita a interferência do Tribunal Penal Internacional, que analisa o caso a pedido da Guiana e deverá proclamar sua decisão nesta sexta-feira. “Incorporar a região ao território da Venezuela ou conceder cidadania à população são ações que equivaleriam a uma anexação ilegal do território da Guiana, em violação dos princípios mais fundamentais do direito internacional”, proferiu Robert Persaud, secretário das Relações Exteriores da Guiana.

O slogan “Essequibo é nosso” reaviva a memória da disputa argentina pelo arquipélago das Malvinas em 1982 no fim do já desgastado regime militar, aflito por desviar a atenção da população para os graves problemas do país. A guerra de 70 dias com o Reino Unido terminou com 900 mortos e como um fracasso retumbante para os argentinos, mas abriu o caminho para redemocratização. O paralelo poderia servir de lição para Maduro.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘temos-um-problema-coletivo-de-inacao,-e-outro-de-falta-de-ambicao’,-diz-lula-sobre-metas-climaticas-na-cop-28

G1 Mundo

‘Temos um problema coletivo de inação, e outro de falta de ambição’, diz Lula sobre metas climáticas na COP 28

Lula discursou em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, na primeira sessão plenária da Conferência do Clima (COP 28). E reafirmou as metas brasileiras inscritas no Acordo de Paris – que devem ser monitoradas e revisadas nos próximos dois anos, até a COP 30, que será sediada no Brasil. No discurso, Lula disse que a meta prevista no Acordo de Paris, para limitar o aumento da temperatura global a 1,5ºC, é […]

today2 de dezembro de 2023 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%