G1 Santos

Mãe perde útero após parto a vácuo e filha sofre sequelas depois de 14 minutos sem respirar: ‘vai vegetar pelo resto da vida’

today1 de dezembro de 2023 2

Fundo
share close

“Para a Medicina, ela nunca vai se mexer, nunca vai respirar sozinha, vai ficar dependente de um aparelho. O que me move é minha fé em Deus. Eu tenho muita fé em Deus e para ele nada é impossível”, disse.

Helena Vitória nasceu em 6 de maio de 2023. Ao g1, Denyse explicou que a segunda filha foi muito desejada e planejada. Ela contou ter ido a todas as consultas de pré-natal em uma policlínica da cidade, e que não esperava esse desfecho.

Durante o parto, perdeu o útero, as trompas e os ovários, o que a impede de engravidar novamente. Ela responsabiliza a equipe médica do hospital. “Nunca tive nem infecção de urina, foi uma gravidez completamente saudável e desejada”.



Denyse contou ter dado entrada no Hospital dos Estivadores no dia 4 de maio e que, no dia seguinte, a equipe começou a induzir o parto normal. Ela afirma que não tinha dilatação, que a bolsa estava intacta e os médicos “forçaram” o procedimento por muito tempo.

À reportagem, ela afirmou ter “implorado” por uma cesariana [procedimento cirúrgico em que o bebê é retirado do útero, como a primeira filha nasceu]. A decisão da equipe médica, no entanto, foi submetê-la a um parto a vácuo — quando se utiliza um extrator com sucção para aderir à cabeça do bebê.

Ela alegou ter gritado pedindo pela cesárea, mas que o desejo não foi atendido. “Infelizmente, o desrespeito ao direito de uma gestante resultou na situação que hoje minha filha se encontra”.

A mãe contou que foi levada ao centro cirúrgico, onde os médicos começaram o parto a vácuo que, segundo ela, resultou em danos irreversíveis.

“Na primeira vez ela não saiu. Era o médico puxando no vácuo, eu fazendo força e uma outra médica empurrando a minha barriga. Na segunda vez, minha irmã relata que saiu sangue. Em vez de o médico parar e ir para uma cesárea, ele tentou pela terceira vez. O meu útero rompeu. Eu perdi o útero, eu perdi ovário, eu perdi as trompas“, contou.

Denyse grávida de Helena Vitória, que nasceu em Santos (SP) em maio deste ano. — Foto: Arquivo pessoal

Cesárea e minutos sem respirar

Após o rompimento do útero, os médicos realizaram a cesárea e a menina nasceu sem respirar, e assim ficou por aproximadamente 14 minutos, ao mesmo tempo em que recebia massagem cardíaca. De acordo com Denyse, a equipe conseguiu reanimar a bebê, mas as sequelas, de acordo com ela, são irreversíveis.

Denyse precisou ficar internada por seis dias devido às complicações. “Minha irmã viu a minha filha nascer morta e me viu perdendo muito sangue. Eu tive hemorragia, perdi muito sangue devido à ruptura uterina”, contou ela, que só viu Helena Vitória dois dias após o nascimento.

“E, depois que levaram minha filha para a UTI, porque eu não vi minha filha quando ela nasceu, o anestesista chegou em mim e falou: ‘algo deu errado. Você perdeu útero, ovários e trompas, a sua filha morreu e voltou e não tem expectativa’. Foi isso que eles falaram”.

Acompanhamento médico e cirurgias

Na Santa Casa de Santos, Helena Vitória passou por cirurgias de traqueostomia e gastrostomia, mas a bebê ainda não tem condições de retirar o equipamento. Denyse espera que em dezembro o procedimento seja realizado com sucesso e ela possa dar entrada a um pedido de home care.

Uma neurologista que avaliou a criança afirmou a Denyse que o cérebro dela “amoleceu” e encolheu. “Para a medicina, ela vai vegetar pelo resto da vida dela.

Encefalopatia hipóxico-isquêmica

Ao g1, o neurologista João Brainer afirmou que, normalmente, a encefalopatia hipóxico-isquêmica, ou hipóxico-perinatal, ocorre quando falta sangue e oxigênio no cérebro da criança. A condição pode surgir quando o bebê demora a nascer ou há alguma condição que o impede de respirar adequadamente.

“Infelizmente, é uma condição muito comum. A maioria evolui para um prognóstico ruim, mas alguns pacientes ficam somente com algum grau de atraso do desenvolvimento neuropsicomotor, como dificuldade de raciocínio, de andar, para fazer movimentos”, explicou.

Segundo o médico, clinicamente falando, as crianças que nascem com a síndrome [quando genético] podem ter condições neurológicas que passam despercebidas antes do parto. Apesar disso, a maioria dos casos decorre de complicações na hora do nascimento. Muitas crianças podem chegar à fase adulta.

Denyse contou ter registrado um Boletim de Ocorrência no 4º DP de Santos. Ela constituiu dois advogados que atuam nas esferas criminal e cível. De acordo com Douglas Blum Lima, que representa a mulher na esfera criminal, as guias do IML para mãe e filha já foram expedidas. Em breve, ela fará os exames, que serão encaminhados à delegacia para instruir o inquérito policial.

Com a materialidade, todos os envolvidos serão ouvidos. Terminada essa fase, na qual a Polícia Civil vai apurar se há os elementos necessários, poderá ser feita a denúncia junto ao Ministério Público.

Em contato com a reportagem, o advogado Lucas Pórpora, que representa Denyse na esfera cível, explicou que houve a contratação de um profissional da saúde para analisar as documentações médicas referentes ao caso. A mãe poderá solicitar na Justiça indenização pelos danos causados, incluindo morais e estéticos.

Em nota, o Instituto Social Oswaldo Cruz, que administra o Hospital dos Estivadores, informou que a família segue acolhida com os recursos hospitalares disponíveis para os cuidados à bebê. De acordo com o texto o atendimento da equipe “seguiu as melhores práticas assistenciais e de segurança do paciente e medicina baseada em evidência”.

O hospital afirmou que as cesáreas feitas no local seguem as indicações técnicas médicas, que consideram o risco do procedimento e as patologias envolvidas em cada caso, ou as indicações em respeito às regulamentações pertinentes.

A Secretaria de Saúde de Santos, por meio da Seção de Contratos de Gestão, disse que realizará a apuração dos fatos junto ao hospital e acompanhará o caso. O g1 entrou em contato com a Secretaria Estadual da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), mas ainda não obteve retorno.

VÍDEOS: g1 em 1 Minutos Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

apos-tregua-ser-prorrogada,-hamas-e-israel-trocam-7o-grupo-de-prisioneiros

G1 Mundo

Após trégua ser prorrogada, Hamas e Israel trocam 7º grupo de prisioneiros

Israel e Hamas trocaram mais um grupo de prisioneiros nesta nesta quinta-feira (30), disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Catar, Majed Al Ansari. O anúncio veio após o acordo de trégua ser prorrogado por mais um dia. O governo israelense libertou 30 palestinos que estavam detidos em prisões do país. O grupo é composto por 23 menores de idade e sete mulheres. O Hamas libertou oito reféns: […]

today30 de novembro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%