G1 Mundo

Mães ‘casamenteiras’ encontram um insuspeito aliado na China: o Partido Comunista

today31 de dezembro de 2023 3

Fundo
share close

Alguns dos encontros foram piores do que outros, relata, porque ela tem uma condição que a maioria dos homens com quem ela saiu parece incapaz de aceitar: ela não quer filhos.

“Ter filhos é muito cansativo e eu não gosto de bebês”, diz Chen, que tem quase 20 anos e só quis compartilhar seu sobrenome. “Mas é impossível encontrar um homem que não queira filhos. Para um homem não ter filhos… É como matá-lo.”

Apesar da série de encontros mal sucedidos, a pressão para casar não diminuiu. Isso está fazendo ela quase “explodir”, diz.



Não são apenas os pais de Chen que querem que ela se case e tenha filhos.

À medida que as taxas de casamento e de natalidade recuam, o Partido Comunista Chinês busca encorajar milhões de jovens mulheres e homens a reverter essa tendência.

No ano passado, a população da China diminuiu pela primeira vez em 60 anos e a taxa de fertilidade do país recuou à mínima histórica. O número de casamentos registrados também nunca esteve tão baixo desde 1986 – 6,83 milhões.

Desanimados com a desaceleração da economia e o aumento do desemprego, os jovens chineses estão se afastando das escolhas tradicionais que seus pais fizeram.

O resultado é uma dor de cabeça para o Partido Comunista, que está longe de ver o “rejuvenescimento nacional” demandado pelo presidente do país, Xi Jinping.

Autoridades ‘não entendem o sofrimento’

A preocupação chegou ao presidente Xi Jinping, que recentemente fez um discurso sobre a necessidade de “cultivar uma nova cultura de casamento e procriação”. Ele também falou em “fortalecer a orientação” para moldar a visão dos jovens sobre casamento, filhos e família.

Não é que as autoridades chinesas não estejam tentando.

Em todo o país, os burocratas foram mobilizados para incentivar os jovens a casar, e os casais a continuarem juntos e terem filhos.

No início deste ano, uma pequena cidade na província oriental de Zhejiang anunciou que ofereceria aos casais 1.000 yuans (R$ 670) como “recompensa” se a noiva tivesse 25 anos ou menos.

Isso surpreendeu e depois irritou os moradores locais, que chamaram o governo local de “sem noção” por presumir que uma quantia tão pequena de dinheiro poderia ter impacto em uma decisão tão importante.

Em outros lugares, as autoridades insistiram em um “período de reflexão de 30 dias” para casais que buscam separação ou divórcio. Isso levou a preocupações com mulheres que enfrentam violência doméstica.

O número de casamentos na China caiu no ano passado para o menor nível desde que os registros começaram — Foto: GETTY

Nas zonas rurais, onde cada vez mais homens solteiros lutam para encontrar uma noiva, as autoridades ordenaram às mulheres que parassem de pedir preços elevados pelas noivas – uma quantia paga por um futuro noivo ou pelos seus pais à família da sua futura esposa para demonstrar seu comprometimento.

Tal como outros “incentivos”, este também não funcionará, diz o economista Li Jingkui.

Mesmo sem os preços das noivas, os homens ainda competem por uma noiva, diz ele. “Poderia haver outras formas de competir: como casas, carros ou apenas uma aparência melhor”.

Especialistas dizem que a elite política chinesa, esmagadoramente masculina, não consegue compreender o que está motivando as escolhas dos jovens, especialmente das mulheres.

O mais alto grupo de decisão da China, o Comitê Permanente do Politburo do Partido, composto por sete membros, é composto apenas por homens há décadas.

O escalão de liderança logo abaixo – que tem mais de 20 assentos – incluiu uma única mulher durante as últimas duas décadas, até outubro passado. Agora não há mais mulheres no grupo.

Os esforços desses homens, e de todos os homens abaixo deles, são muitas vezes vistos como descabidos e até mesmo superficiais, muitas vezes atraindo piadas na internet.

“Basicamente todos os funcionários do governo têm esposas”, diz Li. “Eles não sentem esse problema.”

As mulheres chinesas dizem que ter um filho já não é uma obrigação, e sim uma decisão — Foto: GETTY

Os especialistas acreditam que a população solteira da China é composta por dois grupos principais: mulheres urbanas e homens rurais.

Os homens rurais sofrem com os elevados preços das noivas e com a busca por um emprego seguro que possa sustentar uma família. E isso, por sua vez, parece capacitar as mulheres nas zonas rurais para que dediquem mais tempo à escolha de um parceiro.

“Quando voltei para casa para o Ano Novo Chinês, me senti incrível por ser uma mulher no mercado matrimonial da China rural”, diz Cathy Tian, ​​de 28 anos, que trabalha em Xangai.

Ela diz que temia ser considerada “um pouco velha” na província de Anhui, no norte, onde as mulheres geralmente se casam antes dos 22 anos. Mas ela descobriu que o oposto é verdadeiro.

“Não preciso fornecer nada, mas o homem precisa ter uma casa, um carro, uma cerimônia de noivado e também pagar o preço da noiva. Senti que estou no topo desse mercado de casamento.”

As “mulheres urbanas”, por outro lado, dizem que o que as preocupa é o fosso cada vez maior entre a forma como encaram o casamento e a maneira como o resto da sociedade enxerga o matrimônio.

“Não há ansiedade dentro de mim”, diz Chen. “Minha ansiedade vem de fora.”

Ao contrário da geração dos seus pais, quando a vida era um desafio e o amor um luxo, todos agora têm mais opções, diz ela.

“Nossa ideia agora é que não há problema em não ter filhos e não é mais uma tarefa que devemos realizar.”

As mulheres também observam que as campanhas do governo se concentram nas mulheres e ignoram as responsabilidades dos homens como parceiros.

As mulheres jovens solteras dizem que têm a carga desigual da paternidade. — Foto: GETTY

E as expectativas desiguais estão afastando as jovens da ideia de se tornarem pais.

Chen diz que isso também é parte do motivo pelo qual ela não quer filhos – ver sua amiga ser mãe. “O segundo filho dela é muito travesso. Eu realmente sinto que toda vez que vou na casa dela ela vai explodir e o teto vai ser derrubado.”

Na China, “criar os filhos como se o seu cônjuge tivesse morrido” tornou-se uma frase comum entre as jovens mães. Isso significa que os maridos não estão fazendo tarefas domésticas ou compartilhando o trabalho de serem pais.

“Todos os homens casados ​​que conheço pensam que a sua responsabilidade na família é apenas ganhar dinheiro”, diz uma cientista de dados de 33 anos que não quis revelar seu nome.

“As mães se sentem culpadas por não estarem com os filhos, até acham que não é certo ficar fora até tarde. Mas os pais nunca têm tanta culpa.”

Mas o partido não deu nenhuma indicação de que a desigualdade e a mudança de expectativas estejam entre os desafios que devem enfrentar para aumentar as taxas de casamento ou de natalidade.

E as jovens chinesas estão deixando claro que não serão cortejadas tão facilmente pelas autoridades.

Ao falar sobre as pressões sociais que enfrentam, muitas vezes repetem um slogan popularizado durante o confinamento por causa da pandemia de covid-19 em Xangai.

Foram palavras usadas por um jovem que discutia com as autoridades contra as duras restrições: “Somos a última geração”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

reveillon-2024:-veja-programacao-de-queima-de-fogos-e-shows-na-baixada-santista

G1 Santos

Réveillon 2024: veja programação de queima de fogos e shows na Baixada Santista

As prefeituras de Itanhaém, Mongaguá e Bertioga não promoverão a queima de fogos na virada do ano. A decisão foi tomada em consideração às pessoas no espectro autista, que possuem hipersensibilidade auditiva, e aos animais, que podem sofrer convulsões devido aos estampidos produzidos pelos fogos de artifício. Veja a programação em cada cidade: Cidades da Baixada Santista preparam shows, interdições e queima de fogos para a virada do ano — […]

today31 de dezembro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%