G1 Mundo

Mais de 4 mil ogivas armazenadas e maleta que fica com Putin: Rússia tem arsenal nuclear capaz de destruir o mundo ‘várias vezes’

today14 de março de 2024 10

Fundo
share close

A Rússia, que herdou as armas nucleares da União Soviética, possui o maior número de ogivas nucleares do mundo, segundo a Federação dos Cientistas dos EUA, um think thank americano (FAS, em inglês). Ogiva é uma arma nuclear “guardada” em uma cápsula para ser colocada na parte cilíndrica de um foguete, míssil ou projétil.

Com essa quantidade de ogivas, significa na prática que a Rússia poderia destruir o mundo “várias vezes”, segundo a agência Reuters.

Nesta reportagem você vai ler alguns fatos sobre o arsenal nuclear da Rússia e o contexto no qual o país comandado por Vladimir Putin se encontra:



  1. Superpotência nuclear
  2. Em quais situações a Rússia usaria armas nucleares?
  3. Quem dá a ordem para o lançamento de uma arma nuclear na Rússia?
  4. A Rússia realizará testes nucleares?
  5. Novas armas nucleares
  6. Contexto da Rússia: Guerra, tensões com o Ocidente e eleições

Durante a Guerra Fria, a União Soviética chegou a ter 40 mil ogivas simultaneamente, enquanto os EUA possuíam cerca de 30 mil.

Putin controla 5.580 ogivas, segundo a Federação dos Cientistas dos EUA, um think thank americano (FAS, em inglês).

Destas, 4.380 estão armazenadas para uso em lançadores estratégicos de curta e de longa distância e outras 1.200 estão “aposentadas” – fora do arsenal oficial, mas provavelmente intactas, guardadas em bunkers –, de acordo com a FAS.

Das que estão armazenadas, 1.710 estão posicionadas: são cerca de 870 em mísseis balísticos para lançamento em terra, cerca de 640 para lançamento de submarinos e possivelmente 200 em bases aéreas, diz a Federação dos Cientistas.

Lançador de armas nucleares russo — Foto: Arte g1

Em quais situações armas nucleares seriam usadas?

A Rússia publicou em 2020 sua doutrina nuclear, na qual são estabelecidas as condições em que um presidente russo pode considerar usar uma arma nuclear:

  • como resposta a um ataque à Rússia com armas nucleares ou outras armas de destruição em massa;
  • ou e em resposta a um ataque realizado com armas convencionais contra a Rússia “quando a própria existência do Estado russo estiver ameaçada”.

Quem dá a ordem para o lançamento de uma arma nuclear na Rússia?

Vladimir Putin, é o principal responsável pela decisão sobre o uso de armas nucleares russas. Uma maleta nuclear, que possibilita o lançamento de ogivas, está sempre com o presidente.

Acredita-se que o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, e o chefe do Estado-Maior russo, Valery Gerasimov, também tenham uma dessas maletas.

A maleta nuclear é uma ferramenta de comunicação que conecta o presidente aos seus principais militares e, em seguida, às forças de foguetes através da rede de comando e controle eletrônico altamente secreta chamada “Kazbek”.

Ela funciona assim: se a Rússia considerar que está sofrendo um ataque nuclear, Putin abre a maleta e envia uma ordem de lançamento direto para o comando do Estado-Maior e unidades de comando de reserva que detêm códigos nucleares. Tais ordens se propagam rapidamente por diferentes sistemas de comunicação para unidades de força de foguetes estratégicos, que então lançam mísseis, que poderiam ter os Estados Unidos e a Europa como alvos.

Se um ataque nuclear for confirmado, Putin também poderia ativar um sistema de último recurso, chamado “Dead Hand” ou “Perimetr”, em que computadores decidiriam o dia do juízo final. Um foguete de controle ordenaria ataques nucleares de todo o arsenal russo.

A Rússia realizará testes nucleares?

Putin afirmou que a Rússia consideraria testar uma arma nuclear caso os Estados Unidos o fizessem.

Até hoje, a Rússia pós-soviética não realizou nenhum teste nuclear.

Segundo a Associação de Controle de Armas, organização sediada nos EUA, desde o colapso da União Soviética, em 1991, apenas alguns países testaram armas nucleares: os Estados Unidos testaram pela última vez em 1992, China e França em 1996, Índia e Paquistão em 1998 e Coreia do Norte em 2017.

A União Soviética testou pela última vez em 1990.

O Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares foi assinado pela Rússia em 1996 e ratificado em 2000. Os Estados Unidos assinaram o tratado em 1996, mas ainda não o ratificaram.

Os EUA afirmaram em 2022, em sua Revisão da Posição Nuclear, que Rússia e China estavam expandindo e modernizando suas forças nucleares e que Washington (capital dos EUA) deveria adotar uma postura baseada no controle de armas, de forma a evitar corridas armamentistas de alto custo.

“Ao mesmo tempo em que a retórica nuclear da Rússia é motivo de preocupação, o arsenal e as operações nucleares russas mudaram pouco desde as nossas estimativas de 2023 para além do atual processo de modernização”, diz a FAS em sua análise de 2024.

“No futuro, porém, o número de ogivas disponibilizadas para as forças estratégicas russas pode aumentar, com mísseis de ogiva única dando lugar a mísseis equipados com múltiplas ogivas”, completa o FAS.

Guerra, tensões com o Ocidente e eleições

A Rússia vai ter eleições presidenciais nesta semana, que começam na sexta-feira (15) e vão até domingo (17). Putin está no final de seu quarto mandato como presidente, e como ele tem o controle do sistema político da Rússia, sua reeleição está praticamente garantida.

De acordo com reformas constitucionais, Putin está apto a concorrer a mais dois mandatos de seis anos, podendo permanecer no poder até 2036.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

vice-presidente-da-argentina-marca-para-esta-quinta-votacao-de-‘decretaco’-no-senado-sem-combinar-com-milei,-que-teme-derrota-e-reage:-‘agenda-propria’

G1 Mundo

Vice-presidente da Argentina marca para esta quinta votação de ‘decretaço’ no Senado sem combinar com Milei, que teme derrota e reage: ‘Agenda própria’

Em uma publicação na rede social X, sem citar o nome da vice, o gabinete da Presidência divulgou um comunicado com diversas indiretas à Villarruel: afirma-se que "alguns setores da classe política pretendem avançar com uma agenda própria e não consultada" e agradece aos legisladores "que não se prestam ao jogo perverso daqueles que deliberadamente entorpecem o desenvolvimento da nação". Na Argentina, o vice-presidente concorre na mesma chapa do presidente, […]

today14 de março de 2024 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%