G1 Santos

Manifestantes fazem ato contra Operação Escudo em frente à sede da SSP, no Centro de SP

today3 de agosto de 2023 6

Fundo
share close

As ruas ao redor da secretaria, na Praça Ouvidor Pacheco e Silva, foram isoladas pela PM, que acompanhou o protesto.

A operação da PM tem como objetivo localizar e prender os assassinos de Patrick Bastos Reis, soldado das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), tropa de elite da corporação, morto a tiros por criminosos na última quinta-feira (27) em Guarujá, deixou ao menos 16 mortos até esta quinta na Baixada Santista.



O que se sabe sobre a morte de um policial da Rota em Guarujá e da Operação Escudo

O que se sabe sobre a morte de um policial da Rota em Guarujá e da Operação Escudo

Nesta quinta, a SSP informou que o DHPP vai auxiliar nas investigações das mortes no litoral.

A Operação Escudo começou em 28 de julho e a previsão é a de que continue até 28 de agosto.

De acordo com levantamento feito pela Conectas Direitos Humanos em parceria com o Laboratório da Análise da Violência da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), entre 12 a 26 de maio de 2006, 564 pessoas foram baleadas e mortas durante a onda de violência.

Dessas vítimas, 505 eram civis e 59 policiais civis, militares, agentes penitenciários e bombeiros. Outras 110 vítimas ficaram feridas por armas de fogo. Quatro pessoas ainda desapareceram nesse conflito e nunca mais foram encontradas por seus familiares.

Audiência sobre os crimes de maio — Foto: Arthur Stabile/g1

Além de prisões, outras operações da PM também tiveram várias pessoas mortas, chamando a atenção da imprensa e de órgãos ligados aos direitos humanos. Veja abaixo algumas delas:

Março de 2002: 12 suspeitos do PCC são baleados e mortos por policiais militares em Itu, no interior paulista. Eles eram suspeitos de integrarem facção criminosa que age dentro e fora dos presídios. À época o caso foi considerado uma emboscada por entidades de direitos humanos e ficou conhecido como “Operação Castelinho”, por ter ocorrido numa praça de pedágio de uma rodovia.

Abril de 2019: 11 mortos pela Rota em Guararema. À época, a corporação alegou que seus agentes agiram em legítima defesa, quando balearam assaltantes que tinham atirado nos PMs, depois de tentarem roubar dois bancos na cidade. Três suspeitos foram presos em flagrante e outros dez teriam fugido.

Setembro de 2012: 9 suspeitos de facção mortos pela Rota em Várzea Paulista. A operação da PM foi num sítio onde o grupo estaria reunido para julgar um suspeito de estuprar uma menina de 12 anos. Segundo a corporação, os agentes foram recebidos a tiros e revidaram. O homem que seria julgado morreu na troca de tiros.

Dezembro de 2019: 9 mortos durante ação da PM em baile funk em Paraisópolis, Zona Sul da capital. Segundo o Ministério Público (MP), os PMs fecharam as vias de acesso ao baile e impediram os frequentadores de deixarem uma viela da comunidade. Depois jogaram bombas em direção às vítimas. Laudo necroscópico confirmou que a maioria delas morreu asfixiada por sufocação indireta.

Dez suspeitos morrem e cinco são presos durante operação policial

Dez suspeitos morrem e cinco são presos durante operação policial

Tentativa de roubo a banco termina com morte de 11 suspeitos em Guararema (SP)

Tentativa de roubo a banco termina com morte de 11 suspeitos em Guararema (SP)

Ao todo, 32 suspeitos foram presos, entre eles, Erickson David da Silva, apontado pelas autoridades como o “sniper” que atirou no soldado da Rota da PM. A defesa do preso negou o crime à imprensa.

O secretário da Segurança, Guilherme Derrite, afirmou que quatro suspeitos da participação na morte do policial já foram identificados, sendo que dois deles estão presos. Também foram encontrados mais de 20 quilos de drogas e 11 armas foram apreendidas.

Aqueles que resolveram se entregar à polícia foram presos, foram apresentados à Justiça”, disse Tarcísio de Freitas (Republicanos), governador de São Paulo, aos jornalistas. O político ainda falou estar “extremamente satisfeito” com a ação da PM que àquela altura já tinha matado oito pessoas.

Ainda de acordo com a SSP, seis policiais foram mortos neste ano na Baixada Santista e 14 feridos até o momento.

Operação da PM para prender suspeito de assassinar policial da Rota deixa ao menos 10 mortos, diz ouvidor

Operação da PM para prender suspeito de assassinar policial da Rota deixa ao menos 10 mortos, diz ouvidor

A Ouvidoria da Polícia de São Paulo, órgão autônomo que recebe denúncias sobre a atividade policial, denunciou as mortes cometidas pela PM na Baixada Santista após o assassinato do soldado Patrick.

Segundo o ouvidor, ainda há dúvidas sobre o número exato de pessoas mortas durante a ação policial no litoral, que pode aumentar. “Vamos nos debruçar sobre os registros. Não param de chegar denúncias de mortes, mas estamos tomando todo cuidado possível para divulgar qualquer informação”, disse Claudio.

Ainda de acordo com a Ouvidoria, além de suspeitos, inocentes podem ter sido mortos pela PM. Claudio disse que um dos mortos pelos policiais seria um vendedor ambulante, atingido por 9 tiros na sexta (28). A família dele teria encontrado o rapaz com queimaduras de cigarro e um corte no braço.

O ouvidor afirmou também que moradores do Guarujá relataram que policiais torturaram e mataram um homem e prometeram matar ao menos 60 pessoas em comunidades da cidade.

O Instituto Sou da Paz, que faz estudos voltados à segurança pública, lamentou o assassinato do soldado Patrick, morto por dois bandidos durante patrulhamento de rotina em Guarujá. Ele era casado e deixa um filho. O companheiro dele também foi baleado, mas sobreviveu.

O instituto, porém, também publicou nota para demonstrar preocupação com a reação da PM à morte do agente. “Preocupação com a quantidade de ações policiais que resultaram em mortes no curso da Operação Escudo, determinada pela Secretaria da Segurança Pública de São Paulo após o homicídio do soldado Reis”, informa trecho do comunicado.

Arma usada por ‘sniper’ suspeito de matar PM da Rota é apreendida em Guarujá (SP) — Foto: Reprodução




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

corpo-de-morto-em-acao-policial-e-enterrado-sem-ser-identificado-em-cemiterio-do-litoral-de-sp

G1 Santos

Corpo de morto em ação policial é enterrado sem ser identificado em cemitério do litoral de SP

Conforme apurado pelo g1, o Instituto Médico Legal (IML) pode liberar um corpo não identificado ou não reconhecido pelos familiares após 72h da morte, com base na Portaria 10 da Delegacia Geral de Polícia. De acordo com o cemitério Jardim da Paz foi exatamente o que aconteceu. Caso o corpo, posteriormente, seja identificado pela Polícia ou pela família, o Serviço Funerário, IML e autoridades policiais e judiciárias deverão realizar um […]

today3 de agosto de 2023 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%