G1 Santos

Mercado do café está nas mãos do Brasil, dizem especialistas.

today27 de maio de 2024 14

Fundo
share close

As declarações mais contundentes do destaque nacional surgiram no último painel, cujo tema foi “Mercado Café – CEOs: O excedente atual é suficientemente grande para satisfazer as necessidades do mercado?”. Quem mediou este período foi Carlos Augusto, o presidente da Cooxupé.

O diretor-geral da Volcafé, Trishul Mandana, declarou: “Agradeço aos céus pelo Brasil. Oitenta por cento das necessidades de café do mundo serão supridas pelo Brasil”.

Na esteira do que disse o executivo, Ben Clarkson, o diretor global da Plataforma de Café da Louis Dreyfus Company, afirmou que a nação está “em posição de protagonismo. O produtor tem liquidez e os tipos robusta, conilon e arábica. O cenário é favorável”.



Por sua vez, o diretor-geral na Ecom Agroindustrial Corp., Teddy Esteve, asseverou que “no mundo do café, precisa-se saber o que o Brasil vai fazer. O mercado está nas mãos do país”.

Os especialistas não falaram somente da posição brasileira na conjuntura internacional. Eles também analisaram o mercado em si. Neste ponto, admitiram que, neste momento, há falta do tipo robusta. “Existiram perdas, principalmente no Vietnã e na Indonésia”, disse Clarkson. Esteve também comentou o tema. “Agora, há déficit de robusta e excedente de arábica”, confirmou, salientando que a necessidade de o estoque dos produtos aumentar.

Apesar do que os executivos disseram a respeito do papel da nação no planeta, uma coisa precisa melhorar: a imagem do café brasileiro no exterior. Este tema, inclusive, foi levantado no painel “Economia Brasileira e Mundial e o Agronegócio em 2024”, que foi comandado por Ricardo Amorim. Considerado pela Revista Forbes o economista mais influente do Brasil, o especialista afirmou que “a marca Brasil ou não existe, ou é muito fraca lá fora”.

“Nos Estados Unidos, quando se fala de café, eles lembram da Colômbia. O café deles é melhor que o nosso? Não, mas eles fizeram um marketing melhor”, salientou, tendo sua opinião corroborada por outro painelista, o gerente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), Laudemir Müller, que falou sobre “Promoção sustentável das Exportações do Café do Brasil”.

“Temos de agregar mais valor ao nosso café. E um tema que antecede isso é imagem do nosso agronegócio no exterior. Precisamos nos posicionar como um modelo de agricultura tropical único e diferenciado, baseado em ciência e tecnologia. Devemos vender este modelo. A base para construir uma marca é ter imagem adequada do Brasil e positiva do agro brasileiro”, disse o representante do órgão ligado ao governo federal.

Para Amorim, isto é fundamental, a fim de que o Brasil aproveite as condições atuais. Aliás, ele entende que a nação está diante de uma grande oportunidade, pois a nação se tornou atrativa diante da valorização do Real e o cenário internacional, afetado por conflitos armados e economias enfraquecidas nas nações mais desenvolvidas.

“O Brasil fica em posição única. Trata-se de um grande mercado, emergente, com risco geopolítico baixo. Somente nós e a Índia somos assim, só que ativos na Índia estão caríssimos, porque é o mercado que mais cresce. O Brasil está barato. O que se quer? Um mercado grande, para vencer bastante”, declarou.

Mercado do café está nas mãos do Brasil, dizem especialistas. — Foto: Divulgação

Um panorama sobre o comércio no café também foi traçado ao longo da programação. A diretora-executiva da Organização Internacional do Café (OIC, em inglês), Vanusia Nogueira, a primeira mulher a ocupar o cargo na entidade, disse que o mundo vive uma situação de estagnação em termos de produção.

“A linha está quase reta neste sentido, com os estoques achatando. Está aumentando o consumo, mas temos anos em que não há nenhuma safra extremamente grande, porque acontecem eventos climáticos adversos”, afirmou.

Também neste contexto, de acordo com Ricardo Amorim, o país tem condição de se destacar. Afinal, aqui, ainda existe muito espaço para aumentar a produção. “No total, 40% da área que pode ser plantada no mundo está aqui. Isso sem contar a Amazônia. Aliás, mais uma coisa: a legislação brasileira é a que mais protege o meio ambiente. Preservamos três vezes mais do que os Estados Unidos”.

Ainda sobre o assunto, Vanusia frisou que uma das soluções para elevar os níveis de cultivo é repensar a ideia de tamanho mínimo de plantações, abrindo espaços para cooperativas, como as já existentes no país. “O que é financeiramente viável? A consolidação do uso da terra. Isso vai levar a um custo mais baixo, maior produtividade e menor impacto ambiental”.

Tal movimento ajudaria a fechar uma conta atual. Conforme a diretora da OIC, há crescimento de consumo nas Américas, África e também na Ásia, requerendo mais safras e novas condições de negociações no mercado mundial.

A programação contou, ainda, com o painel “Infraestrutura: impactos na movimentação de cargas”. Compuseram o bate-papo o gerente administrativo de exportação da Cooxupé, Ronald Moraes, o vice-presidente da Associação Comercial de Santos (ACS) e diretor-presidente da MSC Brasil, Elber Alves Justo, o presidente da Autoridade Portuária de Santos (APS), Anderson Pomini, o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Alex Sandro de Ávila, e o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Eduardo Nery. A mediação foi do presidente da ACS, Mauro Sammarco, estieram presentes.

O debate antecedeu a palestra “Serasa: A case by Cecafé & Serasa Experian, do diretor de Desenvolvimento de Negócios da Serasa”. Nele, quem falou foi Joel Risso, o diretor desenvolvimento de negócios da Serasa. O executivo abordou o uso de dados e imagens de satélite para identificação de zonas aptas para cultivo do café. Isso tem o objetivo de comprovar para a União Europeia que a produção nacional é sustentável e não usa espaços proibidos e/ou desmatados. A falta desta informação poderia impedir a negociação com o Velho Continente.

O evento tem continuidade nesta quinta-feira (23). O primeiro painel está programado para começar às 9 horas. O assunto será “Inovação para Navegar em um Futuro Climático Desafiador e IA na Agricultura”. Na sequência, ocorre a palestra “Syngenta”.

Além destes, ocorrem os seguintes paineis: Regulatório/Agenda Verde; Marketing – A Força do Café Brasileiro e a Marca “Cafés do Brasil”; e Mercado Café – Empresas – Demandas: O futuro do uso da cafeína como bebida e outras maneiras de consumo. Por fim, acontece a festa de encerramento, que contará com um show da cantora Elba Ramalho.

O 24º Seminário Internacional do Café tem o patrocínio da Autoridade Portuária de Santos (APS), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), MSC, Stonex, Serasa Experian, Nucoffee, Agridrones, CAIXA e Cooxupé.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

video-mostra-resgate-de-tartaruga-cabecuda-ferida-em-alto-mar;-assista

G1 Santos

Vídeo mostra resgate de tartaruga-cabeçuda ferida em alto-mar; ASSISTA

A instrutora náutica Priscila Fanti, de 38 anos, contou à equipe de reportagem que ministrava um curso de habilitação para barco e moto aquática, quando um aluno viu a tartaruga em alto-mar. Ela explicou que é comum ver os animais marinhos nas aulas, mas, desta vez, aquele não conseguia sair do lugar. Priscila viu que a tartaruga estava machucada e ligou para o Instituto Gremar. Conforme apurado pelo g1, a […]

today27 de maio de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%