G1 Mundo

Milei acumula derrotas no Congresso e na Justiça, veja quais foram

today15 de março de 2024 8

Fundo
share close

Apesar do Senado ter rejeitado o “decretaço”, o texto ainda está em vigor. Ele só será derrubado se a Câmara de Deputados também votar contra a medida.

O nome oficial do texto era Decreto Nacional de Urgência (DNU), e funciona como uma espécie de medida provisória. Essa é a primeira vez que um DNU de um presidente ainda no posto é rejeitado.

Milei também sofreu derrotas na Justiça: juízes já determinaram que alguns trechos do próprio “decretaço”, e o governo perdeu uma disputa na Justiça com uma província.



A rejeição do ‘decretaço”

A sessão do Senado na qual o “decretáço” foi rejeitado durou mais de sete horas, e o resultado da votação foi o seguinte:

  • 42 votos contrários;
  • 25 votos favoráveis
  • 4 abstenções

O nome oficial do “decretaço” é Decreto Nacional de Urgência (DNU). Trata-se de uma espécie de medida provisória com mais de 600 artigos e diversas reformas econômicas que flexibiliza o mercado de trabalho e abre caminho a privatizações.

O gabinete de governo publicou uma nota na rede social X (novo nome do Twitter) após a rejeição do DNU. O texto lembra um discurso de Milei para os legisladores: “O presidente apresentou duas alternativas, o acordo ou o confronto. Chegou o momento da classe politica decidir de que lado da história quer ficar”.

A nota faz menção a uma tentativa de um acordo que Milei pretende firmar com as outras forças do país chamado Pacto de Maio, e afirma que a derrota do “decretaço” no Senado “atenta contra a convocatória do presidente”.

Além disso, cita que os governos anteriores conseguiram passar quase 500 DNUs.

O governo já sabia que não teria votos no Senado para aprovar o “decretaço”, e a tática era evitar a votação porque, dessa forma, o texto seguiria em vigor.

No entanto, a vice de Milei e presidente do Senado, Victoria Villaruel, ignorou os apelos do presidente argentino e colocou a votação em pauta, aumentando as tensões entre os dois.

Na quarta-feira (14), em uma publicação na rede social X, sem citar o nome da vice, o gabinete da Presidência divulgou um comunicado com diversas indiretas à Villarruel:

“Alguns setores da classe política pretendem avançar com uma agenda própria e não consultada” e agradece aos legisladores “que não se prestam ao jogo perverso daqueles que deliberadamente entorpecem o desenvolvimento da nação”, disse a nota do governo.

Milei sofre grande derrota ao não conseguir aprovar mudanças legislativas na Argentina

Milei sofre grande derrota ao não conseguir aprovar mudanças legislativas na Argentina

A derrota da lei ‘ómnibus’

A lei “ómnibus” era a base para uma reforma liberal do Estado argentino.

O texto chegou a ser aprovado em termos gerais, mas na hora de discutir artigo a artigo, começou a ser rejeitado de uma forma que os governistas acharam melhor tirar de pauta.

As discussões entre os deputados foram interrompidas quando se começava falar sobre o capítulo das privatizações, mas antes disso os deputados governistas já estavam sofrendo derrotas em artigos importantes, como o que tratava da reforma do Estado.

Esse trecho do projeto pretendia permitir que o governo pudesse reorganizar a administração pública. O texto permitia que o Executivo pudesse “centralizar, juntar, transformar o tipo de pessoa jurídica, dissolver ou suprimir totalmente ou parcialmente órgãos ou entidades do setor público”. Esse artigo era importante para diversas outras partes da lei “ómnibus”.

Mesmo antes do “decretaço” ser rejeitado pelo Senado, uma parte do texto, o trecho que instaurava uma reforma trabalhista no país, já tinha sido vetada pela Justiça.

Houve decisões de primeira instância que determinavam que a reforma trabalhista dentro do “decretaço” não podiam ser aprovadas por um DNU, e, então, no fim de janeiro, um tribunal de segunda instância reforçou o entendimento.

O argumento da Justiça é que o Poder Executivo não tem competência para emitir disposições de natureza legislativa.

Na Argentina, a arrecadação de impostos é muito centralizada no governo central, que repassa uma parte do dinheiro para as províncias. O ex-governador de Chubut havia assinado um acordo com o governo federal que determinava que se a província não conseguisse pagar uma parte da dívida, a Casa Rosada poderia reter uma parte do dinheiro de impostos.

Isso aconteceu: o governo de Milei reteve parte do dinheiro da província. No entanto o atual governador, Nacho Torres, está tentando renegociar a dívida com o Banco Central.

Torres entrou na Justiça para que o governo federal não retenha mais repasses de impostos, e venceu em primeira instância.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

esbarrao-de-comissaria-fez-piloto-empurrar-controle-do-aviao-para-baixo-em-voo-da-latam,-diz-jornal

G1 Mundo

Esbarrão de comissária fez piloto empurrar controle do avião para baixo em voo da Latam, diz jornal

De acordo com o jornal, informações preliminares da investigação do incidente indicam que a comissária esbarrou em um botão do assento do piloto enquanto servia a refeição na cabine. O piloto foi empurrado para a frente e acabou acionando os controles que lançaram o nariz do avião para baixo. O botão no qual a comissária esbarrou tem uma tampa e a regra é que o mecanismo não seja acionado quando […]

today15 de março de 2024 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%