G1 Mundo

Ministro diz que chanceler de Israel espalha ‘conteúdo falso’ sobre declarações de Lula

today20 de fevereiro de 2024 6

Fundo
share close

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Paulo Pimenta (PT), disse nesta terça-feira (20) que o chanceler de Israel, Israel Katz, espalha informação falsa sobre declarações de Lula.

A fala de Lula foi dada no fim de semana, durante viagem oficial à Etiópia.

Lula classificou como “genocídio” e “chacina” a resposta de Israel na Faixa de Gaza aos ataques terroristas promovidos pelo Hamas no início de outubro.



Ele comparou a ação israelense ao extermínio de milhões de judeus pelos nazistas chefiados por Adolf Hitler no século passado. “O que está acontecendo na Faixa de Gaza e com o povo palestino não existe em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu: quando o Hitler resolveu matar os judeus”, disse Lula.

Ministro das Relações Exteriores de Israel volta a pedir retratação de Lula

Ministro das Relações Exteriores de Israel volta a pedir retratação de Lula

Em reação, Israel declarou Lula persona non grata no país. Mais cedo nesta terça, o chanceler israelense divulgou texto no qual afirmou que “milhões de judeus em todo o mundo estão à espera do seu [de Lula] pedido de desculpas. Como ousa comparar Israel a Hitler?”

Ele disse ainda que a fala de Lula era um “cuspe” no rosto dos judeus brasileiros.

“Que vergonha. Sua comparação é promíscua, delirante. Vergonha para o Brasil e um cuspe no rosto dos judeus brasileiros. Ainda não é tarde para aprender História e pedir desculpas. Até então – continuará sendo persona non grata em Israel!”, continuou Katz.

Também nesta terça, uma conta ligada ao governo de Israel em uma rede social afirmou, em inglês, que Lula “nega o holocausto”.

Em resposta à reação de Israel, Pimenta saiu em defesa de Lula.

“O chanceler de Israel, Israel Katz, distribui conteúdo falso atribuindo ao presidente Lula opiniões que jamais foram ditas por ele. Em nenhum momento o presidente fez críticas ao povo judeu, tampouco negou o holocausto. Lula condena o massacre da população civil de Gaza promovido pelo governo de extrema-direita de Netanyahu, que já matou mais de 30 mil palestinos, entre eles, 10 mil crianças”, escreveu o ministro em uma rede social.

Ainda segundo Paulo Pimenta, “desde o primeiro dia, o presidente Lula condenou como terroristas os ataques do Hamas contra o povo de Israel”.

“O governo Netanyahu se nutre da guerra para se manter no poder. A maioria da população israelense rejeita a política extremista do governo e a comunidade internacional cobra o fim dos ataques em Gaza. Isolado, o governo de Israel adota prática da extrema-direita e aposta em Fake News para tentar se reafirmar interna e internacionalmente”, também declarou o ministro.

Pimenta afirmou ainda que durante a presidência do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil apresentou uma resolução de imediato cessar-fogo como um exemplo do compromisso do país com a paz na região.

“Historicamente o presidente Lula defende a coexistência de dois Estados como solução definitiva para o conflito entre Israel e Palestina”, finalizou o chefe da Secom.

Questionado por um jornalista, o porta-voz do secretário de Estado dos Estados Unidos da América, Matthew Miller, afirmou que o governo norte-americano não concorda com os comentários de Lula sobre a atuação de Israel em Gaza.

O porta-voz também afirmou que os americanos não acreditam que um genocídio tenha acontecido em Gaza, mas que desejam que o conflito se encerre e a assistência humanitária para civis aumente.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eua-vetam-resolucao-da-onu-pela-3a-vez-desde-inicio-da-guerra-entre-israel-e-hamas

G1 Mundo

EUA vetam resolução da ONU pela 3ª vez desde início da guerra entre Israel e Hamas

Treze membros do conselho votaram nesta terça-feira (20) a favor do texto redigido pela Argélia. O Reino Unido se absteve. "Um voto a favor desse projeto de resolução é um apoio ao direito dos palestinos à vida. Por outro lado, votar contra implica um endosso à violência brutal e à punição coletiva infligida a eles", disse o embaixador da Argélia na ONU, Amar Bendjama, ao conselho antes da votação. A embaixadora […]

today20 de fevereiro de 2024 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%