G1 Mundo

Mochilas à prova de balas e reclusão: como violência armada faz americanos viverem com medo

today7 de junho de 2023 10

Fundo
share close

Um shopping center. Uma sala de aula. Uma festa na casa de uma adolescente.

Todos estes locais sofreram o flagelo de um ataque a tiros nos Estados Unidos nas últimas semanas.

Para muitos americanos, parece que isso pode acontecer em qualquer lugar.



Enquanto os EUA observam o Dia Nacional de Conscientização sobre a Violência Armada na sexta-feira, como essa questão está afetando a maneira como as pessoas levam suas vidas?

Cerca de 60% dos adultos dizem ter conversado com seus filhos ou outros parentes sobre armas, de acordo com uma pesquisa da KFF, uma organização sem fins lucrativos focada em políticas de saúde.

Algumas dessas conversas são desencadeadas por exercícios nas salas de aula dos EUA.

Em alguns casos, alunos de cinco anos são ensinados sobre quando fazer barricadas nas portas e quando correr para salvar a vida se um atirador estiver rondando os corredores.

Recentemente, a filha de nove anos de Morgan Hook, Elise, voltou da escola e pegou sua família de surpresa quando disse que os exercícios não seriam muito úteis se o atirador simplesmente derrubasse a porta.

Hook tentou tranquilizar sua filha de que isso não aconteceria, mas ele se lembrou de um tiroteio recente em uma escola particular em Nashville, quando o suspeito fez exatamente isso.

“Às vezes, quando você tenta confortar seus filhos, isso significa mentir para eles”, diz ele, que mora no condado de Saratoga, Nova York.

“É útil para os pais conversarem com seus filhos sobre violência armada, desde que o façam com calma”, afirma Vaile Wright, diretor sênior de inovação em saúde da American Psychological Association.

A violência armada nos Estados Unidos já levou alguns a arrumar as malas e mudar suas vidas. Cerca de 15% dizem que se mudaram para um bairro ou cidade diferente por causa disso, de acordo com a KFF.

No ano passado, Travis Wilson, de 40 anos, e sua esposa se mudaram para um novo bairro em Louisville, Kentucky, depois de se mudarem de Old Louisville, onde contavam o número de tiros à noite.

Certa vez, uma bala atravessou a janela de seu vizinho. Outra vez, alguém apontou uma arma para ele na frente de sua casa. Depois que sua filha nasceu em 2021, ele e sua esposa começaram a reavaliar.

“Não consigo imaginar como uma criança pode crescer em uma área onde se escutam tiros frequentes e não ser afetada drasticamente”, disse ele.

Mas no mês passado, a violência o seguiu até seu novo bairro, quando um atirador matou cinco ex-colegas de trabalho em um banco local.

Wilson disse que às vezes se sente irresponsável ao criar um filho nos Estados Unidos, onde nenhum lugar parece seguro.

“Eu nunca vou me perdoar se [minha filha] for vítima de um tiroteio e eu apenas esperar pela vez dela.”

Mochilas à prova de balas

No dia dos namorados, cinco anos atrás, Lori Alhadeff mandou seus três filhos para a escola, como fazia todas as manhãs, mas no final do dia, apenas dois chegaram em casa.

Um atirador adolescente atirou e matou 17 pessoas em uma escola em Parkland, Flórida, incluindo a filha de 14 anos de Alhadeff, Alyssa.

Após o tiroteio, ela encomendou mochilas à prova de balas para seus dois filhos, determinada a fazer de tudo para não perder outro filho.

“Infelizmente, a pergunta não é se outro tiroteio na escola vai acontecer, mas quando”, diz ela. “Este é o mundo em que vivemos.”

Com o agravamento da violência armada nos Estados Unidos, houve um aumento na demanda pelas mochilas, especialmente após tiroteios em massa, diz Yasir Sheikh, proprietário de uma empresa de fabricação de itens de autodefesa, a Guard Dog Security.

“É importante que os pais tenham algum tipo de sentimento de empoderamento de que podem fazer algo para proteger a si mesmos e a seus filhos.”

Treinamento de armas de fogo para funcionários da escola

Com o aumento da frequência dos tiroteios, Kate, uma superintendente em Ohio, vem desenvolvendo um plano de segurança para seu distrito escolar.

Isso inclui trancar as portas externas, fornecer treinamento médico para a equipe e rotular as portas das salas de aula para que os socorristas possam localizar os alunos com mais facilidade.

Mas depois do tiroteio de 2018 em Parkland, na Flórida, ela e outros funcionários queriam fazer mais.

Então, eles participaram de um treinamento de três dias com o grupo FASTER Saves Lives, que ensina os funcionários da escola a usar armas de fogo para responder à violência armada.

Como Kate, cerca de 41% dos entrevistados pela KFF participaram de uma aula de segurança de armas para proteger a si mesmos e aos outros de tiroteios.

“Eu só quero tomar todas as providências que puder”, diz ela.

Kate reconhece que nem todos os membros da equipe querem se armar e alguns se ressentem do fato de acharem que precisam.

Mas, no final das contas, no caso de um tiroteio, ela quer poder dizer que o distrito fez tudo o que pôde para evitar mortes.

Evitando espaços públicos

Rose Lewis ainda se lembra do dia em 2015, quando um atirador abriu fogo em um cinema em Lafayette, Louisiana, matando duas pessoas que assistiam a um de seus filmes favoritos, Trainwreck.

O jovem de 25 anos começou a evitar cinemas e outros espaços escuros e fechados, com medo de que eles não permitissem uma fuga rápida.

“O risco de levar um tiro provavelmente é muito baixo, mas apenas a ansiedade de me preocupar com isso não vale a pena ir”, diz ela.

Carla Smith, 62, também tenta evitar certos espaços. Ela só vai ao supermercado pela manhã, com medo de grandes multidões que ela acredita aumentar o risco de tiroteio. “Isso me deixa apavorada.”

Cerca de um terço dos americanos estão adotando ações semelhantes, evitando certos locais públicos, segundo a pesquisa da KFF.

“Muitas vezes tomamos medidas para aumentar nossa sensação de segurança quando somos ameaçados ou nossa sensação de estabilidade e segurança é interrompida”, diz Daniel Mosley, psicólogo que examinou o impacto de tiroteios em massa.

Mas evitar os lugares pode se tornar um mecanismo de enfrentamento doentio se atrapalhar significativamente a vida cotidiana, acrescenta ele.

Sempre que o filho de 28 anos de Pam Bosley sai de casa à meia-noite para trabalhar como motorista de caminhão, a mãe observa cada um de seus passos até o veículo de sua janela, rezando para que nada de ruim aconteça com ele.

Já se passaram 17 anos desde que Bosley perdeu seu filho mais velho, Terrell, quando o jovem de 18 anos foi baleado em frente a uma igreja em Chicago.

Pam Bosley fundou uma organização de defesa, a Purpose Over Pain — Foto: KRISTAN LIEB

Ela ainda se sente assombrada por angústias sobre a violência armada.

“Às vezes não consigo dormir porque tenho medo – não apenas por meus filhos, mas por meu marido, meus pais”, disse ela. “Estou vivendo em um estado de medo.”

Não são apenas pessoas como Bosley, que tiveram uma experiência direta com a violência armada, que estão preocupadas com isso.

Vaile Wright, da American Psychological Association, tem estudado os principais estressores dos americanos nas últimas duas décadas. Os tiroteios em massa chegaram ao topo da lista em 2019.

Pam Bosley encontrou uma maneira de canalizar sua dor: ela fundou uma campanha contra a violência armada.

“Mesmo que eu sofra”, ela disse, “eu trabalho duro para que meus outros dois filhos, meus sobrinhos e minhas sobrinhas … para que todos possamos viver. Esse é o meu propósito, esse é o meu impulso todos os dias.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

sete-pessoas-estao-desaparecidas-apos-inundacao-causada-por-explosao-em-barragem-da-ucrania

G1 Mundo

Sete pessoas estão desaparecidas após inundação causada por explosão em barragem da Ucrânia

Rússia e Ucrânia trocam acusações sobre autoria do ataque, que aconteceu na terça-feira (6). Até a publicação desta reportagem nenhuma morte havia sido confirmada. Explosão em barragem na Ucrânia provoca inundações e nova troca de acusações entre ucranianos e russos — Foto: Jornal Nacional/ Reprodução A explosão aconteceu na barragem de Nova Kakhovka, na região de Kherson, no sul da Ucrânia. O controle da área é alvo de disputa entre […]

today7 de junho de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%