G1 Santos

MP denuncia jovem que expôs cartazes racistas e homofóbicos em parque do litoral de SP

today31 de julho de 2023 4

share close

Uma jovem de 25 anos, que expôs cartazes e panfletos afirmando que ninguém deveria apoiar a comunidade LGBTQIA+ no Parque Municipal Roberto Mário Santini, o Emissário Submarino, em Santos, no litoral de São Paulo, foi denunciada por praticar, induzir e incitar a discriminação e o preconceito de raça, cor, religião, orientação sexual e identidade de gênero.

Na denúncia do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), o promotor André Luiz dos Santos ressaltou ao juiz que a auxiliar de enfermagem deslocou-se de São Vicente a Santos para realizar a ‘exposição’ dos cartazes e panfletos.

O juiz ressaltou que a jovem induziu e incitou a discriminação e preconceito, dizendo que negros vão para o inferno e que pessoas LGBT vão queimar. Nos cartazes, afirmava que “ninguém deveria apoiar os integrantes do LGBT, pois todo praticante e apoiador seriam queimados vivos”.



Além disso, alguns panfletos diziam que ninguém deveria ser umbandista, judeu, macumbeiro, ateu ou do candomblé senão seria queimado vivo por Deus.

Onze envelopes de papel pardo contendo manuscritos com dizeres discriminatórios, um deles com a frase: “Não seja LGBT senão será queimado vivo por Deus”, foram apreendidos pela polícia em Santos, SP — Foto: Reprodução

Policiais militares faziam patrulhamento na orla da praia no bairro José Menino quando alguns frequentadores do local comunicaram que uma mulher estaria praticando driscriminação ao grupo LGBT com panfletos.

Os PM’s flagraram a jovem próxima à área de recreação infantil com três folhas de cartolina azul e onze envelopes de papel pardo com manuscritos discriminatórios.

Alguns dos papéis citavam salmos bíblicos e estavam expostos no chão. Questionada, ela declarou aos policiais: “estou colocando em prática a missão de vida e o que acredita que esteja certo”.

A mulher foi conduzida à delegacia junto com uma testemunha que informou que ouviu ela dizer para uma criança branca que: “negros vão para o inferno e LGBT também vão queimar”.

O caso foi registrado como preconceitos de raça ou de cor – praticar a discriminação na Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Santos.

Ela, que foi presa em flagrante na noite de sábado (22), teve a prisão convertida em preventiva durante a audiência de custódia no dia seguinte.

Um dos cartazes preconceituosos tem a frase: “Largue o apoio aos homossexuais e lésbicas todo praticante do LGBT e apoiador disso vai ser queimado vivo!” — Foto: Reprodução

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Santos

Moradores relatam clima de terror com operação da PM no Guarujá; órgãos de defesa dos Direitos Humanos adiam visitas

A ação, que foi chamada de "Escudo", se deu depois que o soldado Patrick Bastos Reis, de 30 anos e que atuava nas Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) na capital paulista, ser morto com um tiro no tórax enquanto fazia patrulhamento em uma comunidade do litoral. "Tocaram o terror aqui no Guarujá e mataram um monte de inocentes. Mataram eles e depois perguntaram", relatou um morador. "Minha mãe mora no Guarujá e disse que lá está um terror com […]

today31 de julho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%