G1 Mundo

Mulher morre por eutanásia no Peru, no primeiro caso da história do país

today22 de abril de 2024 9

Fundo
share close

A psicóloga peruana Ana Estrada, que sofria de uma doença degenerativa desde os 12 anos, morreu por eutanásia no domingo, informou sua advogada nesta segunda-feira (22).

“No domingo, 21 de abril de 2024, Ana Estrada exerceu o seu direito fundamental a uma morte digna e acedeu ao seu procedimento médico de eutanásia. Ana morreu nos seus próprios termos, conforme a sua ideia de dignidade e em pleno controle da sua autonomia até o final”, disse sua advogada, Josefina Gayoso, em comunicado.

Segundo Gayoso, a eutanásia foi realizada de acordo com o “Plano e Protocolo de Morte Digna” aplicável a Ana, aprovado pelo Seguro Social de Saúde do Estado peruano.



Não foi informado o método utilizado para a eutanásia de Ana.

Ana sofria desde os 12 anos de polimiosite, uma doença incurável e degenerativa que provoca fraqueza muscular progressiva. Ela usava cadeira de rodas desde os 20 anos por conta da enfermidade, segundo a imprensa peruana.

“Ana tornou-se o rosto dessa causa justa que visa defender a dignidade do princípio ao fim e a liberdade de decidir sobre nossas vidas e nossos corpos. (…) O caso de Ana permitiu que a Justiça peruana reconhecesse, pela primeira vez em sua história, que todos temos o direito de morrer com dignidade”, disse Gayoso no comunicado.

Ana Estrada pediu para pôr um fim à própria vida por eutanásia em fevereiro de 2021. No comunicado, sua advogada disse que Ana “partiu agradecida a todas as pessoas que ecoaram a sua voz”.

Autorização pelo Supremo Tribunal peruano

A sentença foi aprovada por quatro votos, e dois magistrados foram contrários. É a primeira vez que a maior instância da Justiça do Peru permite uma eutanásia.

A sentença da Justiça diz que se deve “entender por eutanásia a ação de um médico de fornecer de forma direta (oral ou intravenosa) um fármaco destinado a pôr fim à sua vida”.

A Justiça peruana deu ordem ao Ministério da Saúde para respeitar a decisão dela.

Em janeiro, Ana escolheu o médico para realizar sua eutanásia após a resolução das observações ao protocolo pelo seguro social.

“Isto é para mim, exatamente como eu planejei desde o primeiro dia (…). Eu sabia que isso era uma garantia para minha vida. Eu precisava deste sinal verde para viver plenamente nesta última etapa, sem dor, sem angústias sobre o que vai acontecer”, disse Ana Estrada na época.

Mães atípicas usam redes sociais pra lutar pelos direitos dos filhos e contra preconceito

Mães atípicas usam redes sociais pra lutar pelos direitos dos filhos e contra preconceito




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

na-belgica,-justica-absolve-homem-acusado-de-beber-e-dirigir-porque-ele-sofre-da-‘sindrome-da-autocervejaria’;-o-corpo-produz-alcool

G1 Mundo

Na Bélgica, Justiça absolve homem acusado de beber e dirigir porque ele sofre da ‘síndrome da autocervejaria’; o corpo produz álcool

Três médicos diferentes afirmaram que o acusado sofre da síndrome, segundo a advogada dele. Os pacientes desenvolvem essa condição quando já têm algum outro problema intestinal. Imagem de cervejaria — Foto: Cervejaria Moagem/Divulgação A Justiça da Bélgica absolveu nesta segunda-feira (22) um homem acusado de beber e dirigir porque ele tem uma doença que faz com que o próprio corpo produza álcool. O nome dessa doença é síndrome da autocervejaria. […]

today22 de abril de 2024 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%