G1 Santos

Mulheres na TI: você também pode ser uma delas!

today29 de novembro de 2022 13

Fundo
share close

E é sobre elas que quero falar agora.

4 mulheres na TI que contribuíram muito para a área

Eu sei que ainda estamos bem longe do cenário ideal…



Mas sei também, que muitas pessoas ao imaginarem um setor de tecnologia, pensem que talvez essa não seja uma profissão para mulheres. Será mesmo?

Por isso, separei alguns nomes femininos que fizeram e fazem diferença na evolução tecnológica do nosso mundo. Quem sabe você se inspira também. Vamos lá:

1. Dilma Menezes da Silva

Muito tem se falado em computação em nuvem, então, nada mais justo do que iniciar nossa lista de mulheres na TI que fazem diferença com Dilma Menezes.

Ela é uma brasileira com PhD em Ciência da Computação que hoje vive nos Estados Unidos, onde recebeu o prêmio ACM Distinguished Scientist, que reconhece profissionais que contribuíram de forma significativa no campo da computação.

Atualmente, Dilma trabalha com pesquisas de software de sistemas, comandando um grupo de pesquisa avançada em Nova York.

Seu trabalho contribuiu e continua trazendo ganhos consideráveis em conhecimento de cloud computing.

Sabe quando um site, e-commerce ou app dá um erro e falamos que está acontecendo um “bug”? Pois bem, esse termo, assim como a presença de mulheres na TI, não é nada novo.

Na verdade, foi Grace Hopper, primeira mulher formada na universidade de Yale com PhD em matemática e analista de sistemas da Marinha dos Estados Unidos nas décadas de 40 e 50, que definiu o termo que caracteriza falhas e problemas em softwares e sistemas.

Grace é conhecida na área de tecnologia por criar a linguagem de programação Flow-Matic, que serviu como base para a criação do COBOL.

Estamos na era das redes sociais onde só se fala em algoritmo. Mas você sabia que isso não é uma grande novidade?

Aliás, em uma época em que os computadores ainda não existiam, foi uma mulher que desenvolveu o primeiro algoritmo do mundo. Dá para acreditar?

Conhecida como Primeira Programadora de Computador, Augusta Ada King escreveu o primeiro algoritmo para ser processado por uma máquina que computava valores de cálculos matemáticos.

Ada também foi condessa de Lovelace, matemática, escritora e mãe de 3 filhos. Uma mulher de TI que entrou para a história!

4. Hedy Eva Maria Kiesler

Outra invenção que pode parecer muito atual, mas que tem uma base antiga (e com uma pitada de participação feminina) é o WiFi. Acredita?

Hedy Eva Maria Kiesler, conhecida no ramo artístico como Hedy Lamarr, foi uma atriz e cientista que contribuiu muito para os avanços tecnológicos.

Hedy, mãe de 4 filhos (você leu certo: 4 filhos!), ajudou no desenvolvimento de um sistema de comunicação para as Forças Armadas dos Estados Unidos durante a 2° Guerra Mundial, tecnologia que, mais tarde, serviu como base para a criação da telefonia celular e do WiFi.

Sem dúvida, a presença de Hedy no setor de tecnologia fez diferença, não é? Tanto que a base de seu projeto continua hoje sendo utilizada para avanços tecnológicos.

Principais desafios da mulher na TI

As mulheres na TI enfrentam é a crença limitante de que o setor de tecnologia é apenas para homens — Foto: Divulgação

Conhecer um pouco sobre as invenções dessas mulheres e mães dá um gás para entendermos que mulher na tecnologia é SIM um bom negócio, não é?

Mas é claro que isso não exclui os desafios que uma mulher encontra ao entrar nesse universo. Abaixo, vamos entender quais são os principais deles para que você possa entrar no setor ciente de que, apesar de difícil, também pode ser o seu lugar (assim como é o meu!)

O primeiro desafio que mulheres na TI enfrentam é a crença limitante de que o setor de tecnologia é apenas para homens. Esse pensamento é antigo e, infelizmente, é algo enraizado na sociedade.

Prova disso é pensar nos brinquedos aos quais as crianças têm acesso desde pequenas: enquanto as mulheres ficam com as brincadeiras mais calmas, como brincar de escolinha, casinha e de boneca, os meninos têm acesso mais fácil a computadores e videogames.

Exatamente por essas questões que nos acompanham a tempos, mesmo as mulheres sendo mais capacitadas e o maior público com graduação, elas representam apenas 25% dos profissionais da área de tecnologia no Brasil.

Ambiente majoritariamente masculino

Outra barreira que elas enfrentam é o ambiente que, exatamente por falta de presença feminina, se torna majoritariamente masculino e, por vezes, desagradável para que mulheres trabalhem com TI.

Esse cenário cria, muitas vezes, ambientes hostis e machistas, que atrapalham o desenvolvimento pessoal e profissional dessas mulheres.

Por último, mas que pode ser um grande fator de desistência para mulheres na TI é a desigualdade salarial.

Segundo pesquisa da plataforma Relevo, mulheres na TI recebem em média R$ 1.000 a menos que homens, mesmo que elas exerçam a mesma função dentro da empresa.

Esse dado só confirma que apesar de extremamente importante a presença de mulheres na tecnologia, os desafios enfrentados podem ser desanimadores.

Equipe da empresa Witec “tentamos manter o ambiente mais equilibrado possível entre homens e mulheres” — Foto: Divulgação

Mas, nem tudo está perdido! Basta lembrar dos grandes nomes que fizeram história na área, como citamos acima, para perceber que você, enquanto mulher, pode contribuir muito para a evolução tecnológica do nosso país e do mundo!

Por isso, se você quer estar na área de tecnologia, não desanime!

O EvoluTI.Pro, evento gratuito que acontece no dia 07/12/22 pode ser um grande aliado nessa jornada!




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

black-friday-aumenta-o-volume-de-vendas-em-ate-9%-no-comercio-da-baixada-santista,-diz-sindicato

G1 Santos

Black Friday aumenta o volume de vendas em até 9% no comércio da Baixada Santista, diz sindicato

A Black Friday aumentou em até 9% as vendas nos comércios da Baixada Santista, no litoral de São Paulo, segundo dados do Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sincomércio-BSVR). A comparação foi em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com o sindicato, a Black Friday foi um sucesso na região. Entre os produtos mais procurados estavam os celulares, eletrodomésticos e até camisas […]

today29 de novembro de 2022 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%