G1 Mundo

Na Argentina, deputados governistas tentam criminalizar aborto, mas porta-voz de Milei diz que tema não está na ‘agenda’

today9 de fevereiro de 2024 3

Fundo
share close

Na noite de quarta-feira (8) uma deputada do partido A Liberdade Avança (LLA), o mesmo do presidente Javier Milei, apresentou no Congresso da Argentina um projeto de lei para revogar o aborto legal no país, mas horas depois o porta-voz do governo afirmou que não se trata de iniciativa do Executivo.

O aborto é legal na Argentina desde 2020. Rocío Bonacci, autora do projeto de lei para voltar com a criminalização, afirmou que defende a vida, “nem mais nem menos”.

O porta-voz presidencial, Manuel Ardoni, afirmou em uma entrevista coletiva que uma iniciativa pessoal da deputada e que a iniciativa “não faz parte da agenda do presidente e não está sendo promovida pelo Poder Executivo”.



Durante a campanha presidencial, Milei afirmou que é “contra o aborto, porque ele vai contra o direito à vida”.

No entanto, Manuel Ardoni, o porta-voz de Milei, disse agora que o governo tem temas mais urgentes e que essa discussão não faz parte das prioridades do presidente.

Na terça-feira, Milei teve uma derrota na Câmara de Deputados: volta à estaca zero a tramitação da lei “ómnibus”, um megapacote de mudanças estruturais no país.

Javier Milei em 17 de janeiro de 2024 — Foto: Denis Balibouse/Reuters

Reação de organizações feministas

Organizações feministas criticaram a iniciativa da deputada e afirmaram que se trata de uma distração para a grave crise econômica pela qual o país passa, com uma inflação mensal acima dos 20% (211,4% anual em 2023) e com um nível de pobreza perto dos 50%, segundo estimativas de analistas.

“A apresentação desse projeto é ridícula”, disse à AFP Victoria Tesoriero, ativista da Campanha pelo Direito ao Aborto Legal, organização impulsionadora da lei vigente.

“Não vão nos usar de cortina de fumaça neste contexto, quando o governo acaba de ter uma derrota política no Congresso e enquanto há recessão econômica, se liquida o salário com a inflação descontrolada e há repressão aos protestos”, afirmou.

A lei de Interrupção Voluntária foi aprovada em dezembro de 2020 e posta em prática em janeiro de 2021 depois de um debate que polarizou a sociedade argentina e atravessou transversalmente todas as forças políticas.

A legislação contempla a possibilidade de abortar até 14 semanas completas de gestação sem ter quer explicar os motivos, assim como quando a gravidez é resultado de um estupro ou se coloca em perigo a saúde ou a vida da pessoa gestante.

A lei vigente também prevê assistência médica e gratuita da atenção pós-aborto, mesmo que a interrupção tenha ocorrido em situações não previstas na lei, além do acesso a métodos contraceptivos.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

corte-interamericana-julga-o-brasil-por-suposta-violacao-de-direitos-humanos-em-mortes-de-trabalhadores-rurais-na-pb

G1 Mundo

Corte Interamericana julga o Brasil por suposta violação de direitos humanos em mortes de trabalhadores rurais na PB

Ambos os casos foram peticionados pela ONG Justiça Global, pela Comissão Pastoral da Terra da Paraíba (CPT-PB), pela Dignitatis e pela Associação dos Trabalhadores Rurais do Assentamento Almir Muniz. O g1 entrou em contato com a Advocacia Geral da União (AGU), responsável pela defesa do estado brasileiro, e questionou se houve omissão do estado em ambos os casos e qual seria a tese de defesa apresentada durante o julgamento. A […]

today9 de fevereiro de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%