G1 Mundo

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas no mar ao tentar pegar itens de ajuda humanitária lançados por avião

today28 de março de 2024 1

Fundo
share close

As Forças Armadas dos Estados Unidos, que são as responsáveis pela operação, afirmaram que 3 das 18 caixas que foram entregues via aérea tiveram problemas no paraquedas e caíram na água, mas não deram nenhuma informação sobre mortos.

Houve diversos incidentes com a entrega de itens de ajuda humanitária para as pessoas da Faixa de Gaza pela via aérea. No começo do mês de março, cinco pessoas morreram da mesma forma, de acordo com as autoridades de Saúde do território.

Os EUA optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza –Israel está em guerra com o grupo terrorista Hamas e controla a entrada dos veículos no território. De acordo com a agência Reuters, na Faixa de Gaza há pessoas comendo mato e misturando ração animal com o pão para comer.



As agências de ajuda humanitária afirmam que a quantidade de itens que está entrando na Faixa de Gaza é equivalente a cerca de um quinto do que é necessário.

As entregas aéreas não são suficientes, e é preciso levar itens por terra, por meio da fronteira com Israel ou com o Egito.

Um video da entrega aérea foi obtido pela agência de notícias Reuters. As imagens mostram uma multidão de pessoas correndo em direção à praia no norte da Faixa de Gaza. As caixas com paraquedas caíram no mar, e as pessoas vão até pontos de grande profundidade para tentar alcançá-las.

Itens de ajuda humanitária para os moradores da Faixa dde Gaza caem no território — Foto: Ronen Zvulun/Reuters

Problemas nas entregas aéreas

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu para que Israel se comprometa com a entrada de itens de ajuda humanitária na Faixa de Gaza. Ele afirmou que a quantidade de caminhões parados na fronteira é moralmente indignante.

Israel afirma que não impõe limites a quantidade de itens de ajuda humanitária que entram no território palestino e afirma que a culpa dos problemas logísticos é das agências da ONU, que, de acordo com os israelenses, não são eficientes.

A distribuição de itens de ajuda humanitária na Faixa de Gaza é especialmente problemática no norte do território. No mês passado, as autoridades de Saúde da Faixa de Gaza (que são controladas pelo grupo terrorista Hamas) disseram que os militares israelenses mataram mais de 100 pessoas que tentavam pegar itens de um comboio de caminhões.

As Forças Armadas de Israel negaram que isso tenha acontecido, e disseram que as pessoas que morreram foram pisoteadas pela multidão ou atropeladas pelos próprios caminhões.

O governo de Israel culpou a UNRWA, a agência da ONU para refugiados na Faixa de Gaza. Os israelenses afirmam que essa entidade é cúmplice do Hamas.

A UNRWA nega ser cúmplice do Hamas. Há uma investigação em andamento sobre a relação entre o Hamas e a agência.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ministerio-publico-da-espanha-pede-dois-anos-e-meio-de-prisao-para-dirigente-que-beijou-jogadora-sem-consentimento

G1 Mundo

Ministério Público da Espanha pede dois anos e meio de prisão para dirigente que beijou jogadora sem consentimento

A acusação de coerção é porque Rubiales pressionou Hermoso para sair em sua defesa imediatamente após o escândalo ter vindo à tona, segundo a jogadora. O crime de “agressão sexual” está previsto no Código Penal da Espanha e está tipificado no artigo 178: "Quem atacar a liberdade sexual de outra pessoa, recorrendo à violência ou à intimidação, será punido como responsável por agressão sexual com pena de prisão de um […]

today28 de março de 2024 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%