G1 Mundo

Navio mercante é atingido por míssil na costa do Iêmen

today1 de fevereiro de 2024 4

Fundo
share close

Um navio mercante foi atingido por um míssil ao largo da costa do Iêmen, informou a empresa de segurança marítima Ambrey na manhã desta quinta-feira (1º, noite de quarta em Brasília).

A Ambrey afirmou que o navio foi atingido quando navegava a sudoeste de Aden, no Iêmen, e que houve uma explosão a bordo.

Este incidente ocorre após uma série de ataques a navios mercantes realizados pelos rebeldes houthis do Iêmen, aliados do Irã, no Mar Vermelho e no Golfo de Aden, em “solidariedade” com Gaza.



Desde novembro, os rebeldes realizam ataques contra navios que passam pelo Mar Vermelho em protesto à guerra de Israel contra o Hamas, um de seus aliados, na Faixa de Gaza. Em dezembro, por exemplo, uma embarcação norueguesa foi atacada por um míssil, na costa do Iêmen.

O grupo prometeu continuar os ataques até que Israel interrompa o conflito em Gaza e alertaram que atacariam navios de guerra dos EUA se o próprio grupo de milícia fosse alvo.

O Mar Vermelho é um canal entre a Península Arábica e o continente africano — em um ponto, no Estreito de Babelmândebe, a distância entre os dois continentes é de apenas 30 quilômetros de mar. O Iêmen fica em uma das pontas do estreito.

Houthis dizem que vão continuar com ataques a embarcações no Mar Vermelho

Houthis dizem que vão continuar com ataques a embarcações no Mar Vermelho




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mercosul-e-uniao-europeia:-por-que-macron-trava-acordo-entre-os-blocos

G1 Mundo

Mercosul e União Europeia: por que Macron trava acordo entre os blocos

Para Oliver Stuenkel, professor de relações internacional da FGV-SP, "todo mundo concorda que é muito pouco provável que este acordo seja ratificado". "A princípio, a última janela de oportunidade para negociar esse acordo foi no ano passado, quando a Espanha tinha a presidência da União Europeia, e o Brasil a presidência do Mercosul. E, para muitos, aquilo era o último momento, porque vão acontecer eleições parlamentares do parlamento europeu e […]

today1 de fevereiro de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%