G1 Mundo

Netanyahu direciona Israel para uma tempestade perfeita

today2 de março de 2023 10

Fundo
share close

A atuação de partidos ultranacionalistas e ultraortodoxos na coalizão resulta em várias frentes de caos e distúrbios e na mais séria crise de identidade do Estado israelense desde a sua formação. Milhares de manifestantes bloquearam estradas nesta quarta-feira no chamado “Dia Nacional da Ruptura”, quando o Parlamento analisa dois projetos do governo que enfraquecem o poder da Suprema Corte para derrubar leis e são rejeitados pela maioria da população.

A polícia respondeu com granadas e gás lacrimogêneo à multidão que espalhou barricadas nos acessos entre as principais cidades israelenses para impedir o que os organizadores classificam como um golpe do governo.

“Israel não será uma ditadura e agora estamos passando para a ação direta”, informa o comunicado publicado pela liderança do protesto. Se aprovada, a reforma judicial fortalecerá o próprio Legislativo, eliminando as decisões da Suprema Corte por maioria simples, e, por consequência, o governo de Netanyahu.



Polícia dispara jatos de água contra manifestantes nas ruas de Israel em 1 de março de 2023 — Foto: Oded Balilty/AP

Os elementos da radicalização estão por toda a parte, com a marca impressa dos integrantes extremistas que compõem o governo. No domingo, centenas de colonos judeus invadiram a cidade de Hawara, no norte da Cisjordânia, em represália ao assassinato de dois irmãos israelenses por um atirador palestino.

Casas e carros foram incendiados e depredados em atos violentos que mataram um palestino e feriram outros 98 e foram classificados como “pogrom” pelo comandante as forças armadas na Cisjordânia, general Yehuda Fuchs. Em entrevista ao Canal 12, ele admitiu que os militares estavam desprevenidos e acusou os vândalos israelenses de espalhar o terror nos vilarejos palestinos. Seis foram presos.

No entender do colunista Sami Peretz, do “Haaretz”, a violência em Hawara mostrou que os desordeiros fizeram justiça com as próprias mãos porque é esta a mensagem do governo: cada um que cuide de si primeiro.

Dezenas de carros queimados em revolta popular na cidade de Hawara, na Cisjordânia — Foto: Ammar Awad/REUTERS

No topo dessa lista está o premiê Netanyahu, que empreende uma reforma do Judiciário na qual ele seria beneficiado, já que é réu em três processos por corrupção e quebra de confiança.

“Essas pessoas que enlouqueceram são apoiadas por políticos”, resumiu o deputado Yoav Segalovitz, do partido Yesh Atid, fundado pelo ex-premier Yair Lapid. Os incitadores da turba estão dentro do governo. O ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, tem raízes no extremismo judeu e disse entender os sentimentos dos manifestantes.

Outro radical da coalizão que sustenta Netanyahu é o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, que também comanda o Ministério da Administração Civil, responsável pela Cisjordânia. Ele curtiu um tuíte do vice-chefe do Conselho Regional, David Ben Zion, que conclamava a eliminação de Hawara.

Aliados de Benjamin Netanyahu aparecem sentados em bancada do Parlamento israelense — Foto: Amir Cohen/REUTERS

Especialistas em direito internacional pediram ao procurador-geral de Israel para investigar Smotrich e os deputados Zvi Fogel e Limor Son Har-Melech por declarações que teriam incitado manifestantes a cometerem crimes de guerra, que violam a lei internacional. “Hawara está queimada e bloqueada, é só o que eu quero ver”, declarou Fogel. O mundo inteiro viu.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mulheres-agredidas-encontram-oasis-para-recomeco-no-litoral-de-sp:-‘eu-ja-nao-tinha-mais-sonhos’

G1 Santos

Mulheres agredidas encontram oásis para recomeço no litoral de SP: ‘eu já não tinha mais sonhos’

“Já passei por vários abrigos e em nenhum eu encontrei tanto respeito com cada uma de nós”, conta Andréia (nome fictício para proteger a identidade da vítima), de 35 anos. Ex-moradora de Salvador (BA) e de São Paulo (SP), ela fugiu do marido, o qual tem uma medida protetiva, para Santos com os dois filhos dela. Andréia está abrigada na casa desde abril, porém, já passou por outros abrigos comunitários, […]

today2 de março de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%