G1 Mundo

Netanyahu volta ao poder com o governo mais à direita que Israel já teve

today30 de dezembro de 2022 13

Fundo
share close

Um total de 63 dos 120 membros do parlamento votaram a favor do governo de Netanyahu, composto por seu partido, o Likud (direita), por dois partidos ultraortodoxos e três de extrema direita.

Vencedor das eleições legislativas de 1º de novembro, Netanyahu apresentou sua equipe ministerial aos deputados pela manhã, antes de um voto de confiança no Parlamento, onde sua coalizão tem a maioria das cadeiras.

Netanyahu anunciou o ex-ministro da Inteligência Eli Cohen como chefe da diplomacia. Na quarta-feira (28), já havia informado que Yoav Gallant, um ex-oficial próximo ao movimento pró-assentamentos na Cisjordânia ocupada, ficaria com a pasta da Defesa.



O ministro Amir Ohana foi eleito o novo presidente do Knesset, a primeira vez que um deputado abertamente gay ocupa este cargo no país.

Netanyahu volta ao poder com governo mais conservador da história de Israel

Netanyahu volta ao poder com governo mais conservador da história de Israel

A missão do governo será “frustrar os esforços do Irã para adquirir um arsenal nuclear, garantir a superioridade militar de Israel na região e ampliar o círculo de paz” com os países árabes, disse Netanyahu ao Parlamento.

Autoridades da área de segurança expressaram preocupação com o novo governo, assim como os palestinos e algumas capitais ocidentais.

“É um governo dos sonhos para os aliados de Netanyahu”, disse o presidente do Israel Democracy Institute, Yohanan Plesner, à AFP.

“E o sonho de um lado é o pesadelo do outro”, afirmou. “Espera-se que este governo leve o país a uma trajetória completamente nova”, acrescentou.

Netanyahu, de 73 anos, é o político que por mais tempo liderou o governo de Israel, com 15 anos divididos em dois mandatos (1996-1999 e 2009-2021).

Pressionado por acusações de corrupção, deixou o poder em 2021, dando lugar a uma coalizão eclética de políticos de esquerda, centristas e partidos árabes liderada por Naftali Bennett e Yair Lapid.

Após as eleições, Netanyahu começou a negociar com partidos ultraortodoxos e de extrema direita, como o Partido Sionista Religioso, de Bezalel Smotrich, e o Poder Judaico, de Itamar Ben Gvir, ambos com um histórico de declarações explosivas contra os palestinos.

No novo governo, Smotrich assumirá o Ministério da Fazenda e será responsável pela política de colonização na Cisjordânia. Ben Gvir será ministro da Segurança Nacional e controlará a polícia que opera na Cisjordânia, ocupada desde 1967.

Mesmo antes de assumir o governo, a maioria parlamentar aprovou leis para permitir que Aryeh Deri, um importante aliado do partido ultraortodoxo Shas, exercesse o cargo de ministro, apesar de ter admitido crimes fiscais.

Decidiram também ampliar os poderes do Ministério da Segurança Nacional.

Neste contexto, o procurador-geral Gali Baharav-Miara alertou para o risco “de politização das forças de ordem”.

Aliado de Israel, os Estados Unidos também alertaram que se oporiam a uma expansão dos assentamentos, ou a qualquer tentativa de anexação da Cisjordânia. Ainda assim, o Likud indicou em seu programa de governo, divulgado na quarta-feira, que promoverá os assentamentos nessa região.

Cerca de 475.000 colonos judeus vivem em assentamentos considerados ilegais pelo Direito internacional.

Essas concessões podem incendiar a volátil situação entre israelenses e palestinos.

Ben Gvir visitou várias vezes a Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar mais sagrado do Islã. Sob um “status quo” histórico, os não muçulmanos podem visitar o local, mas não orar.

“Se Ben Gvir, como ministro, for à Esplanada das Mesquitas, será uma enorme linha vermelha”, disse Basem Naim, uma autoridade do movimento islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

Israel e o Hamas travaram uma guerra em maio de 2021. E, em agosto deste ano, outros grupos militantes em Gaza trocaram foguetes e mísseis durante três dias com as forças israelenses.

Na Cisjordânia, a violência aumentou, e muitos temem mais problemas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

morre-pele:-‘um-dos-melhores-jogadores-de-futebol-da-historia’,-diz-presidente-da-argentina

G1 Mundo

Morre Pelé: ‘Um dos melhores jogadores de futebol da História’, diz presidente da Argentina

"Um dos melhores jogadores de futebol da História nos deixou. Lembraremos sempre daqueles anos em que Pelé deslumbrou o mundo com suas habilidades. Um grande abraço a sua família e ao povo brasileiro que o levará no coração", escreveu Fernández em sua conta no Twitter. Presidente da Argentina, Alberto Fernández lamenta a morte de Pelé — Foto: Reprodução/Twitter Pelé morreu nesta quinta, aos 82 anos, em São Paulo. Ele estava […]

today30 de dezembro de 2022 29

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%