G1 Mundo

Número de mortos na guerra entre Israel e o Hamas passa de seis mil

today22 de outubro de 2023 15

Fundo
share close

Neste domingo (22), o Ministério da Saúde palestino informou que o número de mortos na Faixa de Gaza subiu para 4.651 vítimas. Destas, 40% seriam crianças.

Em Israel, foram confirmadas em torno de 1,4 mil mortes e mais de 4 mil feridos, a maior parte deles no dia 7.

Nesta madrugada, mais de 50 palestinos foram mortos em ataques aéreos à Faixa de Gaza, segundo autoridades médicas palestinas. Israel tinha avisado que iria intensificar os ataques no norte de Gaza, mas o sul também foi alvo de novos bombardeios.



A ofensiva aconteceu horas depois de Israel pedir mais uma vez que os habitantes de Gaza se deslocassem para o sul da região. Segundo o exército israelense, um dos líderes do Hamas e dezenas de terroristas foram mortos em ataques noturnos em Gaza.

Israel também atualizou o número de reféns sob poder do grupo terrorista – 212. Na sexta-feira (20), as duas primeiras reféns foram libertadas, mãe e filha americanas.

Destroços de igreja ortodoxa grega após um ataque aéreo noturno em Gaza nesta sexta-feira (20); pelo menos 18 pessoas foram mortas, de acordo com as autoridades palestinas — Foto: MOHAMMED SABER/EPA-EFE/REX/SHUTTERSTOCK

Neste sábado (21), 20 caminhões com mantimentos puderam entrar em Gaza por Rafah, após dias de negociações. Mais de cem veículos aguardavam na fronteira de Gaza com o Egito para entrar com a ajuda enviada por vários países e organizações de caridade.

A Organização das Nações Unidas (ONU) informou que está negociando, ainda neste domingo, a entrada de mais de 30 caminhões com os insumos. Para a organização o cenário é desastroso: não há eletricidade desde o dia 11, a insegurança alimentar só aumenta e o sistema de saúde está à beira do colapso.

Ajuda humanitária chega em Gaza

Ajuda humanitária chega em Gaza

Conflito entre Hamas e Israel

No dia 7 de outubro, o grupo terrorista Hamas invadiu território de Israel e matou cerca de 1.400 pessoas e sequestrou cerca de 200, que foram levadas para a Faixa de Gaza. No mesmo dia, Israel declarou guerra ao Hamas. Israel isolou o território palestino, um enclave cercado pelo território israelense, e cortou o fornecimento de energia. Cerca de 2 milhões de pessoas vivem no território, que é governado pelo Hamas. Segundo o Ministério da Saúde em Gaza, 4.651 pessoas morreram na Palestina em consequência dos ataques de Israel desde o dia 7 de outubro.

Mais de 100 caminhões com ajuda humanitária aguardam há vários dias do lado egípcio uma autorização para entrar na Faixa de Gaza, assim como dezenas de pessoas com passaportes estrangeiros esperam do lado palestino a oportunidade de entrar no Egito.

Depois de muita negociação, os israelenses permitiram a entrada de um primeiro comboio de ajuda humanitária na Faixa de Gaza, com 20 caminhões. Os veículos passaram pelo posto de Rafah, que é uma fronteira entre o Egito e a Faixa de Gaza. O posto voltou a ser fechado logo após a passagem do comboio.

ONU pede cessar-fogo e combustível

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu um “cessar-fogo humanitário” para “acabar com o pesadelo” durante uma “Cúpula da Paz” no Cairo, que tem a participação de políticos e ministros das Relações Exteriores de países árabes e países ocidentais, assim como da União Europeia, em contraste com a decisão do governo dos Estados Unidos de enviar um representante de menor escalão.

A ONU insistiu na necessidade de enviar combustível a Gaza, um produto vital para o funcionamento dos hospitais no território em que vivem 2,4 milhões de habitantes, que também precisam de água e energia elétrica.

O governo dos EUA celebrou o início da entrada de ajuda. O secretário de Estado americano, Antony Blinken, pediu a todas as partes que mantenham “aberta a passagem da fronteira de Rafah para permitir a entrega contínua de ajuda que é imprescindível para o bem-estar da população de Gaza”.

Ao menos 17 funcionários da Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA) estão entre os mortos em Gaza, lamentou neste sábado o comissário-geral do organismo, Philippe Lazzarini.

Um caminhão com itens de ajuda humanitária prestes a atravessar a fronteira entre o Egito e a Faixa de Gaza, em 21 de outubro de 2023 — Foto: Mohammed Assad / AFP

ONU pede libertação de reféns

A ONU também reiterou o apelo por uma libertação imediata e incondicional de todas as pessoas sequestradas pelo Hamas, depois que duas reféns americanas, mãe e filha, foram libertadas na sexta-feira com a mediação do governo do Catar.

O movimento palestino mantém mais de 200 pessoas em cativeiro.

Os esforços diplomáticos para evitar uma escalada regional são cada vez mais intensos. O rei da Jordânia Abdallah II, o presidente da Autoridade Palestina Mahmud Abbas, reunidos na “Cúpula da Paz”, pediram um “cessar-fogo” entre Israel e Hamas, assim como uma “solução” para os 75 anos de conflito israelense-palestino.

Na madrugada de sábado, o Exército israelense anunciou que atacou alvos do Hezbollah no sul do Líbano, área que está sendo abandonada por seus moradores devido aos confrontos.

A tensão também é elevada na Cisjordânia ocupada, onde mais uma pessoa morreu durante a noite em confrontos com o Exército israelense perto de Jericó. Ao menos 84 palestinos faleceram desde o início da guerra na Cisjordânia, segundo o Ministério palestino da Saúde.

Palestinos inspecionam destroços de uma mesquita destruída nos ataques israelenses em Gaza — Foto: REUTERS/Anas al-Shareef

Funeral de família palestina morta durante os ataques israelenses em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, em 22 de outubro de 2023. — Foto: REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

Tanque israelense e veículos militares são vistos perto da fronteira de Israel com a Faixa de Gaza, no sul de Israel, em 22 de outubro de 2023. — Foto: REUTERS/Violeta Santos Moura

Foto de 21 de outubro de 2023 mostra moradores de Tel Aviv prestando solidariedade às famílias dos reféns do Hamas — Foto: REUTERS/Ammar Awad

Marcas de buracos de bala em cozinha de casa atacada pelo Hamas no Kibutz Kissufim, no sul de Israel, em 21 de outubro de 2023. — Foto: REUTERS/Amir Cohen

Familiares e amigos choram por Roni Levi, morto pelo Hamas no Kibutz Beeri — Foto: REUTERS/Violeta Santos Moura

Mulher chora durante funeral de família palestina morta durante ataque israelense a Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza — Foto: REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

Palestino ajuda mulher a deixar de prédio danificado após ataques israelenses noturnos em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em 22 de outubro de 2023 — Foto: SAID KHATIB / AFP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

iraniana-espancada-por-policia-no-metro-de-teera-tem-morte-cerebral,-diz-midia-estatal

G1 Mundo

Iraniana espancada por polícia no metrô de Teerã tem morte cerebral, diz mídia estatal

A adolescente iraniana Armita Geravand, internada em coma após ter sido espancada pela polícia da moralidade no metrô de Teerã no começo de outubro, teve morte cerebral decretada neste domingo (22), informou a mídia estatal. Armita foi espancada dia 1º de outubro. Em um vídeo compartilhado pelas autoridades, é possível ver o momento em que uma pessoa é carregada para fora do trem e deixada na plataforma. “Acompanhamentos sobre o […]

today22 de outubro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%