G1 Mundo

O debate sobre local de prisão de mulher trans condenada por estupro quando era identificada como homem

today27 de janeiro de 2023 11

Fundo
share close

Isla Bryson foi levada para a prisão feminina de Cornton Vale depois de ser condenada por cometer os estupros quando ainda era identificada como homem, com o nome Adam Graham.

Os estupros aconteceram em 2016 e 2019. Bryson decidiu fazer a transição enquanto aguardava o julgamento.

No entanto, a premiê da Escócia, Nicola Sturgeon, disse que Bryson não ficará presa em Cornton Vale.



Bryson deve receber sua pena de prisão no próximo mês – e a prisão onde essa sentença será cumprida tem gerado debates acalorados.

A premiê escocesa citou o diretor da entidade Rape Crisis, que trabalha contra o estupro. Sturgeon disse que não entende como seria possível ter uma estupradora dentro de uma prisão feminina.

Referindo-se diretamente ao caso, Sturgeon confirmou: “Esta prisioneira não será encarcerada na prisão feminina de Cornton Vale.”

Ela disse que qualquer prisioneiro que represente um risco de ofensa sexual é mantido separado de outros prisioneiros.

“Não há direito automático para uma mulher trans condenada por um crime cumprir sua pena em uma prisão feminina, mesmo que tenha um certificado de reconhecimento de gênero”, disse. “Cada caso está sujeito a uma avaliação de risco individual rigorosa e a segurança de outros prisioneiros é fundamental.”

Na quinta-feira (26/1), uma ex-diretora de Cornton Vale disse que a discussão sobre enviar uma estupradora transgênero para uma prisão feminina foi uma “confusão desnecessária”. Rhona Hotchkiss, que dirigiu Cornton Vale até 2017, disse que teria se recusado a receber Isla Bryson na prisão.

Em debate com Sturgeon no parlamento, o líder conservador escocês, Douglas Ross, perguntou repetidamente onde Bryson estava detida atualmente. Ele disse que os ministros podem intervir e têm 72 horas para questionar onde um prisioneiro é mantido.

Sturgeon respondeu que esperava que, antes do término do período de 72 horas, a prisioneira não estivesse mais no presídio feminino.

O governo do Reino Unido está discutindo uma reforma na sua política de encarceramento de prisioneiros transgêneros.

A reforma prevê que prisioneiras trans com partes íntimas masculinas, ou as condenadas por crimes sexuais, não sejam mantidas em prisões femininas, exceto em casos “verdadeiramente excepcionais”.

Bryson, de 31 anos, disse ao tribunal que sabia que era transgênero aos quatro anos de idade, mas que decidiu fazer a transição aos 29 anos. Ela está tomando hormônios e pretende fazer uma cirurgia para fazer a mudança de sexo.

Durante o julgamento, o advogado de Bryson disse que ela é “vulnerável” e não é um “predador masculino”.

Em depoimento pré-gravado apresentado aos jurados, uma das vítimas diz ter sido estuprada em um apartamento em Glasgow no dia 27 de junho de 2019.

Bryson disse aos jurados que os dois conversaram sobre “problemas de sexualidade” depois de se conhecerem em uma rede social.

Os dois ficaram sozinhos juntos em um apartamento. A vítima diz ter se sentido “esmagada” quando o agressor que ela conhecia como Adam a estuprou.

Ela afirmou: “Eu disse para ele parar e ele não parou. Ele continuou. Foi quando fechei os olhos e o deixei fazer o que queria fazer.”

Bryson negou essa acusação. Ela disse: “Eu nunca faria isso. Eu nunca faria mal a nenhuma mulher.”

– Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-64415606




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

putin-acusa-ucrania-de-crimes-‘neonazistas’-no-dia-da-lembranca-do-holocausto

G1 Mundo

Putin acusa Ucrânia de crimes ‘neonazistas’ no Dia da Lembrança do Holocausto

Discurso é utilizado pelo Kremlin para justificar a invasão na Ucrânia nos últimos 11 meses. Presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante reunião nos arredores de Moscou — Foto: Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin via REUTERS O presidente da Rússia, Vladimir Putin, acusou nesta sexta-feira (27) a Ucrânia de cometer crimes "neonazistas", em uma retórica que utiliza com frequência para justificar sua ofensiva militar, desta vez no Dia Internacional em Memória das Vítimas do […]

today27 de janeiro de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%