G1 Mundo

O episódio de ‘Jornada nas Estrelas’ que previu nos anos 1990 crise que EUA enfrenta hoje

today14 de janeiro de 2024 5

Fundo
share close

Mas as obras mais bem sucedidas conseguem sobreviver e atingir novos públicos, mesmo quando suas previsões forem comprovadamente erradas.

A guerra perpétua de 1984, de George Orwell, não aconteceu até o ano-título da obra. E as viagens interplanetárias de Stanley Kubrick em 2001: Uma Odisseia no Espaço não chegaram com o novo milênio.

Ainda assim, as duas histórias continuam sendo relevantes, décadas depois das suas datas previstas, graças à sua visão abrangente sobre temas de interesse permanente – do autoritarismo até a evolução humana.



Depois de sete décadas, com 13 filmes de longa metragem e 11 séries de TV, Star Trek – Jornada nas Estrelas inevitavelmente incluiu, na sua linha do tempo, previsões de eventos que não se confirmaram.

Na série clássica dos anos 1960, o vilão mais famoso de Jornada nas Estrelas – Khan – apresentou aos espectadores as Guerras Eugênicas, um conflito em massa que ocorreria nos anos 1990, causado por experimentos de engenharia genética humana.

Episódios posteriores das diversas versões da série previram tempos difíceis no futuro. No universo de Star Trek, a Terceira Guerra Mundial teve seu início em 2026 e foi seguida por uma era de “horror pós-atômico”.

Na série ‘Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine’, um dos piores erros da história da humanidade chega ao seu auge em 2024 — Foto: Alamy via BBC

Estas previsões apocalípticas são fundamentais para formar os antecedentes do universo da franquia. Elas delineiam o difícil caminho seguido pela humanidade até chegar ao ambiente idealista dos séculos 23 e 24, onde se passam as ações principais de Jornada nas Estrelas.

As catástrofes previstas podem parecer exageradas, mas elas refletem uma verdade que pode justificar o apelo permanente da série: o sofrimento causado por graves erros pode, em algum momento, conduzir a humanidade para um futuro mais pacífico e igualitário.

Em Jornada nas Estrelas: Deep Space Nine, dos anos 1990, um dos maiores erros da humanidade atinge seu ápice justamente em 2024. Mas, ao contrário dos outros desastres globais previstos pela série, este erro está mais próximo de nós (leia mais abaixo).

No momento em que começamos realmente o ano de 2024, ele permanece um desafio tão urgente quanto na época em que os episódios foram apresentados pela primeira vez.

O desafio abordado pela série são as dificuldades enfrentadas pelas pessoas em situação de rua. E o erro da humanidade é se esquivar do problema, em vez de resolvê-lo.

A questão é abordada em um episódio dividido em duas partes, intitulado Past Tense (Passado Imperfeito) – o 11º e o 12º da terceira temporada, apresentados em janeiro de 1995.

Nele, o protagonista da série – o comandante Benjamin Sisko – e seus colegas são acidentalmente transportados no tempo. Eles são levados da estação espacial Deep Space 9, no século 24, para São Francisco, na Califórnia (EUA), no ano de 2024.

Quando acordam do seu estado inconsciente após a viagem no tempo, Sisko e o oficial médico da Deep Space 9, Julian Bashir, são confundidos com pessoas sem-teto por policiais armados.

“Existe uma lei contra dormir na rua”, dizem eles aos confusos viajantes do tempo.

Os policiais levam Sisko e Bashir para um local da cidade cercado por muros, conhecido como Distrito Santuário. Ficamos sabendo que aquele lugar foi projetado para separar as pessoas sem-teto e os desempregados do restante da sociedade.

“No início dos anos 2020, havia um lugar como este em cada cidade grande dos Estados Unidos”, explica o comandante para Bashir.

Na série, Sisko é especialista na história do século 21. E, em pouco tempo, ele percebe o significado da sua data de chegada.

Ele recorda que o ódio em torno dos Distritos Santuário atinge um ponto crítico em 2024, resultando em “um dos distúrbios mais violentos da história americana”.

O comandante explica que o levante “irá mudar a opinião pública contra os Santuários. Eles serão derrubados e os Estados Unidos finalmente irão começar a corrigir os problemas sociais que vinha enfrentando há mais de 100 anos”.

A inspiração para os Distritos Santuário

A lição de história do século 21 abala o idealista Bashir.

O médico confessa que nunca quis aprender sobre aquele período porque ele acha “muito depressivo”. Bashir pode servir de uma espécie de representante para o próprio desconforto do espectador ao confrontar a questão.

Este desconforto foi uma inspiração importante para os roteiristas do episódio. Eles acreditavam que os Estados Unidos dos meados dos anos 1990 não estavam enfrentando as dificuldades dos seus cidadãos em situação de rua.

Em uma produção que mostra os bastidores da série, incluída nos DVDs de Deep Space Nine, um dos seus produtores, Ira Steven Behr, relembra a visita que ele fez a Santa Mônica, na Califórnia (EUA), e que inspirou o episódio. Behr foi um dos roteiristas de Passado Imperfeito.

“Era um belo dia”, descreve Behr. Ele observou “pessoas sem-teto em toda parte” e como os turistas “andavam em meio às pessoas sem-teto como se fossem parte do cenário”

Levando a ideia ao extremo, Behr e outro roteirista, Robert Hewitt Wolfe, imaginaram como seria um futuro próximo no qual os sem-teto seriam totalmente ignorados.

Foi assim que surgiu a ideia dos Distritos Santuário.

No episódio em duas partes ‘Passado Imperfeito’, o comandante Sisko e o oficial médico Bashir são levados para o Distrito Santuário – um setor de São Francisco cercado por muros, destinado a receber a população em situação de rua — Foto: Paramount via BBC

Para Stephen Pimpare, da Escola Carsey de Políticas Públicas, nos Estados Unidos, este conceito reflete a posição do governo americano em relação aos sem-teto nos anos 1990.

“Os Distritos Santuário são um meio de simplesmente retirar as pessoas sem-teto da visão do público”, declarou ele à BBC. “Vemos isso em exemplos da mesma época em que os episódios foram escritos.”

“Em São Francisco, por exemplo, quando Art Agnos era prefeito [entre 1988 e 1992], houve um grupo de pessoas sem-teto que formou um acampamento não autorizado ao lado da prefeitura. Ele recebeu o nome de Camp Agnos. O prefeito trouxe a polícia e o destruiu.”

Pimpare menciona também as políticas de Rudy Giuliani, quando foi prefeito de Nova York nos anos 1990, como parte dessa política de remoção da população sem-teto da visão pública.

E tudo isso ocorreu poucos anos depois da assinatura, pelo então presidente Ronald Reagan (1911-2004), da Lei Stewart B. McKinney de Assistência aos Sem-Teto, que forneceu dinheiro do governo federal para programas dirigidos às pessoas em situação de rua.

Atualmente, os Distritos Santuário parecem ainda mais plausíveis para algumas das pessoas que trabalharam nos episódios de Deep Space Nine na década de 1990.

O designer gráfico Michael Okuda, envolvido nas produções da franquia desde os anos 1980, foi supervisor de arte de Passado Imperfeito. Para ele, “parece que, às vésperas de 2024, esses Distritos Santuário poderiam facilmente estar nas manchetes desta noite”.

Sua esposa, Denise Okuda, também trabalhou no departamento de arte de Deep Space Nine. E ela concorda.

Para ela, “nós claramente fracassamos no combate às condições que contribuem para a falta de moradia nas cidades americanas. O número de pessoas em situação de rua disparou desde que Passado Imperfeito foi ao ar.”

Em 1990, o Escritório do Censo dos Estados Unidos concluiu que havia 228.621 pessoas sem-teto no país. E, em 2023, o Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA estimou que esse número havia aumentado para cerca de 653.100 pessoas.

No Brasil, existiam 281.472 pessoas em situação de rua em 2022, segundo estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), do governo federal.

Mas reunir números precisos sobre a população sem-teto é incrivelmente difícil.

“Os dados sobre esta questão não são bons até hoje”, explica Pimpare. “Eles eram ainda piores nos anos 1990. Por isso, é preciso considerar esses números com muita cautela.”

Os roteiristas de ‘Deep Space Nine’ imaginaram, nos anos 1990, um futuro próximo no qual as pessoas em situação de rua seriam completamente ignoradas — Foto: Paramount via BBC

Mas Pimpare acredita que esta aparente tendência negativa tenha sido causada pelas políticas que buscam apenas esconder o problema, em vez de combater as suas causas.

“Você observa isso na retórica atual”, observa ele. “Nós reclamamos por ver pessoas morando na rua e não contestamos as razões que impedem que eles consigam abrigo.”

E esta atitude é demonstrada em Passado Imperfeito.

Além dos Distritos Santuário, existe uma história secundária que envolve a alta sociedade de São Francisco. Em uma festa exclusiva, quando o tema dos Distritos Santuário é mencionado, uma das convidadas mostra desconhecimento da sua existência.

“Achei que eles tivessem deixado de fazer aquilo”, diz ela. “Por que eles deixariam?”, responde outra pessoa. “É a única forma de manter essas pessoas fora das ruas.”

A visão dos Distritos Santuário de Deep Space Nine em 2024 não se tornou realidade.

“Não temos essas fortalezas muradas onde encarceramos à força as pessoas em situação de rua”, explica Pimpare. “Mas temos todo tipo de acampamentos legalizados.”

Um exemplo é a área conhecida como Camp Hope em Las Cruces, no Novo México (EUA). Nela, pessoas sem-teto podem montar suas tendas e ter acesso à água corrente e eletricidade.

Em San Diego, na Califórnia, existem “locais para dormir com segurança” – equipamentos legalizados, que foram abertos simultaneamente à proibição de acampamentos públicos na cidade.

Pimpare defende que esses acampamentos autorizados são “melhores do que nada, para muitas pessoas – porque ‘nada’, muitas vezes, é a alternativa disponível”. Mas, mesmo sendo mais benevolentes que os Distritos Santuário de Jornada nas Estrelas, eles ainda são soluções apenas temporárias.

Em Futuro Imperfeito, as mudanças de longo prazo só começam quando a situação fica suficientemente ruim para inspirar a revolta.

A conclusão é sinistra, mas reflete a visão de Star Trek sobre as dificuldades que a humanidade pode precisar enfrentar para atingir um futuro mais igualitário.

Jornada nas Estrelas nunca prometeu um futuro utópico”, explica Michael Okuda. “Na verdade, muitos episódios alertam sobre o que poderá acontecer se fizermos escolhas erradas.”

“Mas Jornada nas Estrelas afirma que o amanhã pode ser um lugar melhor se formos inteligentes, se trabalharmos muito e se formos éticos, solidários e inclusivos.”

Camp Hope é uma área em Las Cruces, no Novo México (EUA), onde pessoas em situação de rua podem montar suas tendas e ter acesso à água corrente e eletricidade — Foto: Alamy via BBC

Pimpare destaca uma fala dos episódios que ele considera fundamental para esta ideia.

Em uma cena, Bashir conforta uma assistente social, dizendo que a situação no Distrito Santuário não é culpa dela. Ela responde: “todos dizem isso a si mesmos e nada nunca muda”.

Para Pimpare, “esta fala é fundamental para a mensagem dos episódios”.

“Você não pode simplesmente erguer as mãos e dizer que o sistema é grande demais para ser influenciado. É assim que chegamos a esse tipo de circunstâncias. No nosso mundo real, existem muitas coisas que podemos fazer para combater a falta de moradia.”

Michael e Denise Okuda têm um ponto de vista similar à mensagem de Passado Imperfeito. Sua perspectiva tem origem na visão original do criador de Jornada nas Estrelas, Gene Roddenberry (1921-1991).

Para Denise, “Star Trek sempre foi política”. E Michael acrescenta: “Desde o princípio, Roddenberry projetou Jornada nas Estrelas para que usasse alegorias”.

Agora que iniciamos 2024 sem ter Distritos Santuário em vista, é desta forma que os episódios de Passado Imperfeito podem ser observados.

Sua previsão para 2024 não se concretizou no sentido literal, mas os episódios trazem uma verdade alegórica sobre a forma em que os Estados Unidos cuidam das pessoas em situação de rua.

Mas existe também uma verdade que avança muito além dessas fronteiras. Ela reflete um impulso humano muito desconfortável – o de desviar os olhos do sofrimento, em vez de confrontá-lo.

Como em muitas outras grandes obras de ficção científica, Jornada nas Estrelas sobrevive enquanto ultrapassamos mais uma data na sua linha do tempo.

Passado Imperfeito, infelizmente, permanecerá relevante enquanto existirem a desigualdade e as pessoas em situação de rua, não importa em que ano estejamos vivendo.

De 'Jornada nas estrelas' a 'Star trek': todos os 13 filmes em menos de 7 minutos

De ‘Jornada nas estrelas’ a ‘Star trek’: todos os 13 filmes em menos de 7 minutos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

cinco-migrantes-morreram-tentando-cruzar-o-canal-da-mancha

G1 Mundo

Cinco migrantes morreram tentando cruzar o Canal da Mancha

O pequeno barco virou ao tentar sair de uma praia em Wimereux, ao sul de Calais, segundo autoridades locais francesas. Uma pessoa está em estado crítico foi levada ao hospital em Boulogne, norte da França. De acordo com o jornal local La Voix du Nord, os mortos são iraquianos e sírios. Dezenas de pessoas foram retiradas da água fria, mas o esforço de resgate noturno foi complicado porque as águas […]

today14 de janeiro de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%