G1 Mundo

O ministro do gabinete de Guerra de Israel que perdeu filho em Gaza e enfrenta Netanyahu sobre estratégia no conflito

today20 de janeiro de 2024 10

Fundo
share close

Netanyahu rejeitou publicamente a pressão dos Estados Unidos para a criação de um futuro Estado palestino e insistiu que a ofensiva continuaria “até a vitória completa”.

Mas o general Gadi Eisenkot disse que aqueles que defendem a “derrota absoluta” do Hamas não estavam “falando a verdade”.

O filho dele foi morto durante um combate em Gaza.



Ele também disse que Netanyahu compartilhava “uma responsabilidade nítida e clara” por não ter protegido seu país no dia 7 de outubro e pediu novas eleições, dizendo que “não havia confiança” na atual liderança de Israel.

O Hamas matou cerca de 1.300 pessoas e fez 240 reféns no seu ataque surpresa no sul de Israel.

Quase 25 mil pessoas foram mortas em ataques aéreos israelenses em Gaza desde então, segundo o Ministério da Saúde administrado pelo Hamas.

As tensões entre o gabinete, com relatos de que o primeiro-ministro e o ministro da Defesa, Yoav Gallant, mal se falam, surgem num momento em que o abismo entre Israel e os seus aliados ocidentais aumenta.

Após os comentários de Netanyahu sobre a criação de um Estado palestino, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse que os Estados Unidos e Israel “vêem claramente as coisas de forma diferente”.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse que não havia forma de resolver os desafios de segurança de Israel sem um Estado palestino.

A Casa Branca disse que o presidente Joe Biden discutiu uma solução entre os dois Estados com Netanyahu durante uma ligação na sexta-feira (19/1) – a primeira em quase um mês.

Mais tarde, Biden falou a repórteres em Washington e, quando questionado por um deles se uma solução de dois Estados era impossível com Netanyahu no cargo, ele respondeu: “Não, não é”.

“Existem vários tipos de soluções de dois Estados. Existem vários países que são membros da ONU que… não têm forças armadas próprias”, disse Biden.

Mas Netanyahu passou sua carreira resistindo a um Estado palestino e, no mês passado, gabou-se de estar orgulhoso de o ter evitado.

O momento de mais uma discordância da gestão Biden aumentará a sensação do seu crescente isolamento internacional.

Os Estados Unidos tentaram repetidamente influenciar a estratégia militar de Israel durante este conflito — apelando para mais ataques guiados com precisão em Gaza, em oposição aos ataques aéreos generalizados, atrasar ou abandonar a invasão terrestre e participar de conversas sobre uma solução de dois Estados, na qual Israel seria vizinho de um futuro Estado palestino, com uma função para a Autoridade Palestina.

Mas os apelos foram frequentemente rejeitados por Netanyahu durante reuniões tensas com autoridades norte-americanas, aprofundando a frustração em alguns círculos americanos com o apoio incondicional do presidente Biden a Israel.

No meio da preponderância da morte neste conflito, os aliados de Israel esperam que a vida possa ser trazida de volta com o plano adormecido de dois Estados como a única forma de criar uma paz duradoura.

A Casa Branca disse que os Estados Unidos e Israel “claramente veem as coisas de forma diferente — Foto: Reprodução – Reuters

Mas os comentários de Netanyahu parecem mostrar que ele quer exatamente o oposto.

Ele demonstra querer assumir uma posição que espera estar mais alinhada com uma futura administração de Donald Trump. Essa seria uma estratégia que poderia ter sido programada para dar “carne vermelha” ao seu velho amigo americano para reunir seus apoiadores pró-Israel num ano eleitoral nos EUA.

Em Israel, um primeiro-ministro cada vez mais impopular está recorrendo à direita radical que sustenta o seu governo.

Uma pesquisa recente revelou que apenas 15% dos israelenses querem que ele mantenha o seu emprego depois da guerra.

E, embora a maioria dos israelenses continue apoiando a ação militar contra o Hamas, a maioria diz agora que quer dar prioridade à volta dos cerca de 130 reféns restantes, em detrimento do objetivo potencialmente impossível de destruir o Hamas.

Seus últimos comentários sobre um futuro Estado palestino são também um repúdio às tentativas árabes de mediar o conflito.

A Arábia Saudita apresentou a ele o prêmio de normalizar os laços com Israel como parte de um acordo de cessar-fogo que inclui uma solução de dois Estados.

Mas o primeiro-ministro de Israel parece ter apostado a sua sobrevivência política numa posição anti-palestina linha-dura.

Ele não pode mais se vender como “Senhor Segurança” depois dos piores ataques da história contra Israel acontecerem sob sua supervisão.

Agora, é o “Senhor Não-Palestina Independente”: uma posição que ele acredita que irá corresponder ao sentimento público de que, embora cada vez mais desamparado do seu primeiro-ministro, ainda está muito traumatizado para conceber um Estado palestino vizinho.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

litoral-de-sp-estava-coberto-por-intensa-tempestade-eletrica-na-hora-da-morte-de-banhista;-seis-ficaram-feridos

G1 Santos

Litoral de SP estava coberto por intensa tempestade elétrica na hora da morte de banhista; seis ficaram feridos

Uma tempestade elétrica passou pelo litoral de São Paulo na tarde deste sábado (20), no momento em que sete pessoas foram atingidas por um raio, e uma delas morreu. O caso aconteceu em Praia Grande, SP. O mapa de raios do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) mostrou, em tempo real, intensa atividades de relâmpagos no momento da fatalidade, por volta das 13h30, quando chovia forte. A vítima fatal, de aproximadamente […]

today20 de janeiro de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%