G1 Mundo

O polêmico fim das vagas exclusivas para mulheres em estacionamentos da Coreia do Sul

today17 de fevereiro de 2023 6

Fundo
share close

As vagas exclusivas foram criadas em 2009, após uma série de crimes violentos — a maioria delitos sexuais contra mulheres — em estacionamentos subterrâneos.

Mas as autoridades da cidade dizem que esses espaços não são mais necessários e serão convertidos em vagas de estacionamento para famílias.

Os críticos dizem que sua remoção é apenas o exemplo mais recente de políticas antifeministas na Coreia do Sul.



Chung Eun-jung, de 55 anos, diz que usa os espaços femininos sempre que possível.

“Eu me sinto mais segura quando os uso, porque não há tantas pessoas perigosas por perto”, afirma ela. “Quando entro no carro, sempre tranco a porta imediatamente”.

Ela acrescenta que está bem ciente dos crimes em estacionamentos, frequentemente relatados nos noticiários.

Sua filha diz que está incomodada porque sua mãe se sentirá menos segura.

“É estranho que eles se esforcem para abolir algo que faz as mulheres se sentirem seguras”, diz Park Young-seo, de 27 anos.

“Não é como se metade do estacionamento fosse dedicado às mulheres, são apenas algumas vagas”, afirma.

Em Seul, que é a maior cidade da Coreia do Sul, os estacionamentos com mais de 30 vagas foram obrigados em 2009 a alocar 10% para mulheres – pouco menos de 2 mil das 16.640 vagas de estacionamento público são reservadas para mulheres.

As vagas ficam perto das entradas dos prédios para que as mulheres não tenham que andar pelo subsolo no escuro.

Dados do governo em 2021 mostraram que mais de dois terços dos crimes violentos cometidos nos estacionamentos da cidade foram crimes sexuais: estupro, agressão sexual e assédio.

Parece estranho que eles se esforcem para abolir algo que faz as mulheres se sentirem seguras, diz Park Young-seo — Foto: bbc

O prefeito de Seul, Oh Se-hoon, que introduziu os espaços somente para mulheres, está revertendo sua própria política. Ele disse que é hora de “considerar as famílias”.

As novas vagas familiares serão disponibilizadas para gestantes ou pessoas que viajam com crianças. O conselho da cidade confirmou que as mulheres que não atendessem a esses critérios não teriam permissão para usá-los.

Tal movimento alimenta o que os críticos dizem ser uma cultura de antifeminismo que caracterizou a política sul-coreana nos últimos anos.

Parte considerável dos homens na Coreia do Sul acredita que as políticas destinadas a aumentar a equidade para as mulheres são “discriminatórias contra homens”.

O atual governo removeu o termo “igualdade de gênero” de seu currículo de ética escolar e está tentando fechar seu ministério de igualdade de gênero.

Oh Kyung-jin, da Associação Feminina Coreana, está desapontada com a remoção dos espaços, mas está mais preocupada com a tendência mais ampla de antifeminismo.

“O governo federal está tentando lançar políticas antifeministas, e agora podemos ver essas políticas retrógradas se espalhando pelos governos locais”, disse ela.

As vagas exclusivas para mulheres, que foram introduzidas pela primeira vez na Alemanha na década de 1990, são controversas na Coreia do Sul.

Como algumas delas são mais longas e largas, os críticos argumentaram que as vagas reforçam o estereótipo de que as mulheres acham mais difícil estacionar. A verdadeira razão pela qual elas são maiores, no entanto, é porque se supunha que as mulheres — que assumem a maior parte dos cuidados com as crianças na Coreia do Sul — apreciariam o espaço extra para colocar e tirar seus filhos do carro.

A prefeitura pretende fazer valer as novas regras para os espaços no final de março.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

a-vida-na-cidade-mais-destruida-por-terremoto-na-siria

G1 Mundo

A vida na cidade mais destruída por terremoto na Síria

Mas a chance de encontrar sobreviventes já acabou há muito tempo em Jindayris, no noroeste da Síria. A cidade já foi o lar de 100 mil pessoas, incluindo uma área rural ao redor. Agora, está vazia. Yazan al Nasser, vice-prefeito de Jindayris, conta à BBC que pelo menos 800 pessoas morreram. "Setenta por cento da cidade está destruída", afirma. "Esta cidade está condenada, é uma catástrofe." Famílias inteiras que não […]

today17 de fevereiro de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%